48 textos bíblicos contra a predestinação

48 textos bíblicos contra a predestinação

Olá amigos! Hoje vou respostar um artigo de 2009 que escrevi para responder sobre a predestinação. Pode acessar ele aqui.

O Pr. Nozima ajudou o irmão Clóvis, do blog Cinco Solas, a “refutar” minha réplica à teologia anti-bíblica de João Calvino a respeito da predestinação determinista. Na presente análise demonstrarei quantos textos bíblicos o Pr. Helder e eu citamos para provarmos nossas “teses” e farei novamente uma abordagem bíblica sem me basear em credos ou confissões (mesmo não menosprezando a importância dos mesmos).

Caro Pr. Helder Nozima:

Conheço presbiterianos fantásticos e que têm o amor de Jesus no coração. Um deles é o Dr. Carlos Caldas, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, com quem tive um debate ao vivo na Rede Internacional de Televisão (RIT TV). Mesmo discordando a respeito “do que acontece com o ser humano depois da morte”, trocamos e-mails e, mesmo depois do debate, foi preservado um respeito mútuo. Dr. Carlos foi uma das pessoas mais educadas com quem tive a oportunidade de refletir sobre doutrinas. Nosso debate foi disponibilizado por um irmão no YouTube. Basta procurar por “Debate – RIT TV – Leandro Quadros” e verá a maneira como abordamos o tema e como nos tratamos bem.

Escrevo tudo isso para afirmar que me sinto à vontade em conversar com os irmãos presbiterianos. Mas, sou sincero em dizer que a forma como o senhor me tratou não foi legal. Dizer que sou “ignorante” ou me “desafiar” a publicar seu comentário – como se eu tivesse medo de alguma coisa ou de bons debates – foi uma manifestação apaixonada de sua parte. Continue na busca pelo fruto do Espírito (Gálatas 5:22, 23) para que tenha mais paciência com aqueles que pensam diferente do senhor.

O pastor disse num post no blog Cinco Solas: “Por instantes, cheguei a pensar que seriam 95 teses (rs), tantos os pontos levantados pelo professor. Mas algumas acusações e questionamentos são repetidos e outros, sinceramente, não merecem resposta. Acho que os 28 já dão refutações e são suficientes para expor as doutrinas [sic] da graça” (Grifos acrescentados).

Algumas observações sobre suas declarações:

1) Se foram tantos os pontos que levantei em 12 páginas, por que escreveu tão pouco (5 páginas de Word)?
2) Onde acusei alguém?
3) Prove-me que os questionamentos que fiz são repetidos.
4) Se para o senhor alguns de meus questionamentos “não merecem resposta”, por que não refutou a grande maioria das perguntas retóricas e não explicou pelo menos os textos bíblicos citados? No artigo que escrevi a Clóvis disponibilizei cerca de 48 textos bíblicos enquanto que o senhor usou em sua resposta só 12, aproximadamente (e bem descontextualizados). Dos 48 que disponibilizei – INCUSIVE OS QUE MOSTRAM SER POSSÍVEL O PREDESTINADO SE PERDER – o pastor mencionou apenas nove. Isso leva qualquer leitor a concluir que o calvinismo carece – e MUITO – de base bíblica.

Fale com os irmãos Clóvis e Roberto para que leiam os aproximados 48 textos antes de colocarem-no num pedestal. Isso nos torna humildes (como pecador sei por experiência) e nos faz buscar as gemas das Verdades bíblicas com vontade de realmente aprender.

A seguir, abordarei os 28 pontos elaborados pelo senhor:

1) Não citei Berkouwer como sendo minha regra de fé, assim como ao citar o Dr. Oscar Cullman (para mostrar que a doutrina da imortalidade da alma é pagã) não o faço para “comprovar” o que está na Bíblia. Apenas exponho o que autores da mesma denominação pensam sobre o mesmo assunto por que isso abre a mente de todos nós, envolvidos num debate, para novos conceitos. Minha regra de fé é a Bíblia somente (Joao 17:17. Veja a primeira Crença Fundamental dos Adventistas no livro Nisto Cremos ou no Manual da Igreja, p. 9).

2) Deixando de lado o sarcasmo que utilizou para comentar esse ponto (na verdade, é mais fácil o senhor – não eu – ir a uma sessão espírita, pois, crê na imortalidade da alma), quero esclarecer que minha preocupação ao citar os 5 pontos de Calvino é mostrar que a teologia Calvinista, com o acróstico TULIP, se baseia nos estudos dele. Como o pastor acusou, não usei nenhuma enciclopédia “muito ruim”. Apenas o pastor e Clóvis não leram com maior atenção o que escrevi. Mas, não posso eximir-me da responsabilidade de me expressar melhor.

3) A humanidade tem sim o livre arbítrio desde que foi criada. Do contrário, Adão e Eva não podiam escolher pecar (Gênesis 3). Basta ler Romanos 5:12 e o senhor verá que, mesmo o ser humano não tendo capacidade de ir a Deus por conta própria (nisso concordo, pois é o Senhor que vai atrás do pecador e efetua nele o querer e o realizar, segundo Filipenses 2:13), pôde fazer escolhas para pecar ainda mais. Se pôde escolher pecar (claro: a tendência pecaminosa existe dentro de cada um), é claro que pode também escolher a graça de Deus para lutar contra o pecado. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.” Romanos 5:12. A morte passou a todos porque todos pecaram e não porque todos foram predestinados para pecar. Se o pastor me disser que Deus predestina alguns para se perderem, estará indo contra o Salmo 5:4 que ensina não ser Deus o originador do pecado (Por favor: não faça como os ateus que gostam de citar Isaías 45:7). Predestinar para a perdição não é questão de Soberania, mas, ACEPÇÃO DE PESSOAS, coisa que o próprio Deus condena (Romanos 2:11 – atente para o fato de que o verso está no mesmo livro onde vocês se apóiam para afirmar a doutrina da predestinação determinista. Fiz um breve resumo sobre Romanos 9 em meu blog. Por isso, não me aterei ao capítulo agora. Voltarei a tratar na Resenha Crítica que irei elaborar ao artigo “Preparar… Apontar…” de seu amigo Clóvis). Graças ao Espírito Santo pela visão bíblica que temos do amoroso caráter de Deus!

Portanto, se Deus “não fosse com a cara de alguns na eternidade”, Ele estaria desobedecendo a uma lei criada por Ele mesmo: “se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo argüidos pela lei como transgressores.” Tiago 2:9.

Quer que eu e demais cristãos acreditemos em tal aberração teológica?

4) Concordo em parte com seu conceito de depravação total do ser humano. Aceito Romanos 8:5-8, 3:23… Entendo que o ser humano por si não pode ser salvo. Mas, a Bíblia ensina que a graça de Deus dá a capacidade a cada um de escolher o caminho a seguir. Esse conceito era tão claro para Cristo que Ele pôde dizer que existe a porta estreita e a porta larga (Mateus 7:13, 14). E, para a tristeza do Salvador, a maioria entrará pela porta larga, que conduz à perdição. Se a maioria irá se perder, isso nos leva à fatal conclusão (se aceitássemos o calvinismo) de que Deus predestinou uma minoria por que >(1) não amava todo mundo ou por que (2) Ele falhou na predestinação ao ponto de somente poucos entrarem pela porta estreita. Peço que analise essas questões com oração pastor, pois, têm implicações teológicas muito sérias.

Respondendo a sua pergunta: “como é possível que, na carne, possamos decidir ficar ao lado de Deus?”, faço minha a resposta de Romanos 8:10: “Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça.” E 1 Coríntios 6:19, 20 completa a resposta ao dizer que o Espírito Santo mora em nosso corpo. Portanto, a habitação de Cristo em nós por meio do Espírito nos capacita (pela graça de Deus) a escolhermos ou não continuarmos predestinados. Do contrário, por que o Espírito Santo habitaria em nós se não fosse para nos ajudar e nos converter?

5) O que quis afirmar a Clóvis foi que na cruz de Cristo o livre-arbítrio foi devolvido de forma plena. A resposta a essa sua pergunta é a mesma que dei anteriormente: a habitação do Espírito em nós é que nos capacita a fazermos boas escolhas. Até mesmo a sua escolha de ser um pastor e, eu, jornalista.

Sem a habitação de Deus em nós sua tese seria perfeita. Mas, como temos um Deus que faz a diferença quando mora conosco e em nós, de modo algum uma pessoa que nasceu de novo (João 3) não terá livre-arbítrio (sem livre-arbítrio, não há novo nascimento. Sem liberdade de escolha, não se pode amar de verdade alguém, pois, o amor é uma escolha. E Deus quer que o amemos não de forma robótica e programada).

A respeito de minha interpretação de João 1:12, 13: o texto está falando do novo nascimento. Uma leitura a partir do verso 11 e o estudo de grandes comentaristas em geral comprovam isso. Vejamos:

“Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” João 1:11-13.

Quem não recebeu a Jesus, pastor Nozima? Os “não-predestinados”? Pelo contrário: os predestinados, pois o texto diz que “os seus não o receberam”! E esses predestinados escolheram não receber a Cristo. Isso não é um comentário meu, mas o resultado de uma simples exegese (não eisegese) do texto! Interprete o verso com o auxílio de João 3:16 e o assunto ficará claro em sua mente.

Barckay, a respeito de João 1:12, 13:

“Há um sentido em que o homem não é naturalmente filho de Deus. Um sentido no qual deve converter-se em filho de Deus.”

Mattew Henry:

“Todos os filhos de Deus são nascidos de novo. Este novo nascimento acontece por meio da Palavra de Deus (1 Pe 1.25), e pelo Espírito de Deus, como seu autor”.

Moody:

“Nem todos recusaram a Luz. Aqueles que a receberam ganharam poder (autoridade, direito) de serem feitos (naquele exato momento) filhos de Deus. Aqueles que o receberam são descritos como aqueles que crêem no seu nome (pessoa). Veja 20:31. Há duas maneiras de se dizer a mesma coisa. Os crentes são mais adiante descritos em termos do que Deus faz por eles.

“Eles nasceram … de Deus. Não é um processo natural que traz pessoas ao mundo – não do sangue (literalmente, sangues), sugerindo a mescla das correntes sanguíneas paterna e materna na procriação. Da vontade da carne sugere o desejo natural e humano de se ter filhos, como da vontade do varão (a palavra usada para marido) sugere o desejo especial de se ter uma descendência que continue com o nome da família. Assim, o novo nascimento, algo sobrenatural, foi cuidadosamente resguardado da confusão com o nascimento natural”. (Grifos acrescentados).

Com base no verso 11 de João 1 e nos comentários esmagadores citados acima, o pastor irá deixar tudo isso de lado e “preferir” interpretar João 1:11, 12 de acordo com sua preferência? Não creio nisso.

6) Com todo o respeito por sua pessoa, a interpretação que deu a Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11, 12 chega a ser blasfema. Não creio que tenha sido intencional, mas, é algo terrível afirmar que Cristo “pregava por parábolas para que algumas pessoas não fossem salvas”. Que visão limitada da salvação, pastor! Como um servo de Deus, ministro da Palavra, irá negar João 3:16 que diz estar a salvação disponível a todo aquele que nEle crê? Como deixar de lado 2 Pedro 3:9 onde é registrado o desejo de Deus de que “ninguém pereça [NINGUÉM É NINGUÉM MESMO!], mas que todos [TODOS é TODOS mesmo! Veremos adiante os significados do termo no grego] cheguem ao arrependimento?

Como Cristo iria pregar para alguns “endurecerem o coração” se a Bíblia diz que a fé “vem pelo ouvir a Palavra de Deus? (Romanos 10:9). Como o Salvador pregaria para alguns se perderem se a Bíblia é tão poderosa que chega a ser comparada em Hebreus 4:12 a uma espadada de dois gumes que penetra no íntimo do ser?

Se o senhor contextualizasse Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11, 12, não teria dito tamanha barbaridade. Bastaria ler Mateus 13:15 e chegaria à conclusão de que o endurecimento do coração não vem de Deus e nem da Bíblia (Livro transformador), mas, da própria pessoa. Quanto mais um incrédulo (que não quer se arrepender) houve da Bíblia, mais duro ele fica. O problema não reside na Divindade, mas, no indivíduo, no “vaso” que recebe o Espírito. Vou transcrever o texto. Atente para os grifos:

“Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado ouviram com os ouvidos e fecharam os olhos; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados.” Mateus 13:15.

DE MAU GRADO o povo endureceu o coração, fechou os ouvidos e os olhos. Não foi Deus quem o fez. E, no mesmo verso é dito que Deus gostaria que eles se convertessem e fossem curados por Ele.

Relembro que tal texto é paralelo a Isaías 6:9, 10…

7) Portanto, com base no estudo correto dos textos acima (levando em conta Mateus 13:15), Jeremias 21:8 prova MUITA coisa. Especialmente que Deus colocou diante do povo de Israel (e coloca diante de nós) o caminho da vida e o caminho da morte. Se apenas alguns fossem predestinados para o caminho da vida, Deus não começaria o texto pedindo: “Digam a este povo…”.

8 – A respeito de sua análise da frase “todas as famílias da terra” (Gênesis 12:5) – que em sua visão significa “nações” – isso é irrelevante, pois, famílias formam nações. Nações são formadas por famílias. Portanto, a salvação é oferecida a todos.

9) Sua “matemática da salvação” não possui lógica – e muito menos lógica espiritual. Como o senhor pode saber que Deus escolheu uma pessoa de cada família da Terra? Diga-me uma coisa: como o pastor tem certeza de que foi predestinado para a salvação? De que maneira o senhor pode provar para si mesmo – com base na teologia que segue – que sua esposa e filhos (se os tiver) não foram predestinados para a perdição e que um dia não abandonarão ao Senhor por conta disso? Pensando nisso, como é para um calvinista desfrutar da esperança da salvação, inclusive para as pessoas que mais ama? Pergunto não em tom de desafio, mas, por curiosidade mesmo.

Realmente, “todos” pode significar “todo tipo de gente”, de acordo com o grego “pas”. Mas, também significa todo mundo. Que critérios usar para saber quando a Bíblia quer passar um conceito ou o outro? A análise do contexto bíblico. Se 2 Pedro 3:9 afirma que Deus deseja que TODOS cheguem ao arrependimento, o que impede que no termo esteja incluído “todo tipo de gente”, inclusive os mais perversos?

10) “Todas as famílias” implica sim em livre-arbítrio por que o convite da salvação é para quem quiser, segundo Apocalipse 22:17. Insisto no ponto e nego a doutrina do inferno – sem ser universalista ao mesmo tempo. Isso por que acredito (assim como os Adventistas do Sétimo Dia) que o lago de fogo existirá no futuro, depois do milênio (Atos 17:31; Apocalipse 20), castigará cada pessoa proporcionalmente segundo suas obras (Mateus 16:27; Mateus 11:21-24) e, depois do castigo proporcional, os ímpios serão aniquilados (Malaquias 4:1-3; Salmo 37:20), inclusive o ser que mais vai pagar no lago de fogo: satanás (Romanos 16:20).

Veja que nossa doutrina aniquilacionista nada tem a ver com o universalismo e muito menos com o aniquilacionismo ensinado pelas Testemunhas de Jeová.

11) Os calvinistas podem não crer que Deus empurre a salvação “goela a baixo”, mas, dão a entender – e de maneira clara – isso. Não vê quem não quer. Já expliquei-lhe João 1:12, 13 com base no verso 11 e com o auxílio de grandes comentaristas bíblicos.

Sua humanização de Deus não faz sentido. Primeiro porque Ele não pode ser comparado às obras das mãos dEle. Segundo: meus pais não planejaram meu nascimento (assim como grande parte da população mundial). Terceiro: o novo nascimento – como comentei anteriormente – é uma obra de Deus e, com base em Atos 2:37, 38, que afirma devermos nos arrependermos, isso significa que Deus só faz nascer de novo quem aceita a Jesus.

12) A sequência apresentada pelo pastor não é a bíblica. O senhor disse que primeiro o ser humano nasce de novo; depois, crê. Biblicamente:

(1) Somos eleitos desde a eternidade para sermos salvos – Efésios 1:5 (isso por que na Onisciência dEle, Deus sabe que precisamos de um Salvador);

(2) Nascemos pecadores (Salmo 51:5). O Salmo 51:5 não diz que “nascemos de novo”;

(3) Somos convidados para aceitarmos a predestinação de Deus (Atos 2:37, 38) e influenciados pelo Espírito para isso;

(4) Cremos em Jesus por influência do Espírito Santo (João 16:8-10);

(5) Nos arrependemos, e nos convertemos, ou seja: nascemos de novo (Atos 3:19; João 3). É impossível nascer de novo sem crer em Jesus. Como uma pessoa será transformada sem primeiro contemplar o Salvador e ter o Espírito Santo? João 1:12 afirma que, mesmo sendo predestinados, só são filhos de Deus aqueles que crerem em Jesus, aceitando a predestinação Divina.

(6) Somos justificados;

(7) Somos santificados;

(8) Seremos glorificados.

Isso é apenas um resumo e reconheço que a salvação não possui uma lógica matemática.

13) Não é o que parece o que afirmou sobre Apocalipse 22:17. Diz o pastor que “calvinista algum nega que a salvação é para quem quer”. Mas, como harmonizar sua ideia com o pensamento de que alguns foram predestinados para se perderem sem ter escolhido isso? Seu parágrafo aqui ficou meio confuso. Sinta-se à vontade para reescrevê-lo e lerei com prazer. Sei que na comunicação escrita não é simples comunicarmos o que queremos de verdade (tanto que eu não me expressei bem numa das afirmações que fiz, como comentei anteriormente).

14) Comentado no item 4.

15) Se Cristo morreu apenas “pelos salvos”, como explica Lucas 19:10? “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido.” O pensamento bíblico é: Cristo morreu por todos os seres humanos que foram predestinados a fim de que cada um (pela graça de Deus) escolha ser salvo ou não. Por isso, o Senhor Jesus veio morrer pelos predestinados: por que, se não aceitarem a predestinação, serão perdidos. Do contrário, a declaração de Jesus de que ele “veio buscar e salvar o perdido” perde todo o sentido.

Se Cristo morreu “pelos salvos”, como interpreta Ezequiel 18:23 (um dos 48 textos que o pastor não refutou)? “Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? —diz o SENHOR Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva?” Não coloque limites no infinito amor de Deus…

E Isaías 45:22? “Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.”

Ah! Que alegria saber que Deus não faz acepção de pessoas e que em Sua Soberania é capaz de dar a salvação para quem aceitar, respeitando assim a liberdade de escolha!

15) Na oração sacerdotal Cristo não orou apenas pelos já eleitos nos dias dEle, mas, também por aqueles que viessem a crer. Aqui, o calvinismo também não encontra guarida.

Jesus não morreu “apenas pelos salvos”, mas, “para que todos sejam salvos” (se assim quiserem): “Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra” João 17:20. O fato de pessoas crerem em Jesus por intermédio da Palavra (Romanos 10:9) confirma João 16:8-10, de que o Espírito Santo convence o indivíduo pela Bíblia de que ele é um pecador e que precisa de Jesus para continuar predestinado e salvo.

Sobre João 10:15 e 26, tais versos são compreendidos corretamente quando se lê também o verso 16: “Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor.”

Em suma: Cristo tem as ovelhas que já O aceitaram (porque o Pai as trouxe a Ele) e tem ovelhas que ainda não O aceitaram (por que elas não permitiram ao Pai conduzi-las).

16) Respondido no tópico anterior.

17) O pastor disse que “desejar não é sinônimo de predestinar”. Então, está me insinuando que o desejo do Deus Soberano está subordinado à própria Onisciência dEle?” Que conceito é esse? Por que explicar novamente o que já está explicado em 1 Timóteo 2:4? Se Deus só deseja salvar todos e ao mesmo tempo predestina uns para a perdição, isso é o mesmo que ensinar que Deus tem “dupla personalidade”. Deus é Absoluto: não tem como separar os desejos dEle de Suas ordens e ações.

18) Aqui o irmão fugiu dos aspectos textuais que abordei. Peço que os releia novamente. Para facilitar, transcrevo:

“Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.”

“Que coerência há em Deus predestinar alguns para a perdição sendo que há a possibilidade clara de uma pessoa se manter rebelde? É claro que o “se manter rebelde” é uma atitude humana diante da predestinação Divina.

“Outro detalhe: na expressão “quem crê no Filho” não há a mínima hipótese de fazer uma “eisegese” e dizer que o texto não se aplica a todos.”

João 3:36 não compartilha de sua ideia, de que quem se mantém rebelde é porque foi predestinado para isso, pois, seria afirmar ser Deus o autor do pecado e das decisões erradas dos pecadores. Mesmo crendo de coração na sinceridade sua e demais irmãos calvinistas, cada vez mais me conscientizo de que a predestinação determinista é diabólica por denegrir o caráter de Deus e limitá-Lo a própria Onisciência dEle.

19) Não sou um ignorante (como o senhor disse) na forma como entendo Atos 7:51. Sou honesto em aceitar a Bíblia como ela é e não adaptá-la a credos e opiniões pessoais.

Sua crença sobre o que é “graça irresistível” não possui a mínima aprovação de Deus, pois, se até mesmo os eleitos podem cair (1 Coríntios 10:12 – outro texto que o pastor fez questão de “esquecer”), isso significa que a pessoa pode resistir ao Espírito Santo, mesmo tendo sido salva antes. Se a graça fosse “irresistível” para os eleitos no sentido de não poderem escolher o destino deles, não há lógica no texto de Hebreus 10:37-39:

“Pois, como ele diz nas Escrituras Sagradas: “Um pouco mais de tempo, um pouco mesmo, e virá aquele que tem de vir; ele não vai demorar. E todos aqueles que eu aceito terão fé em mim e viverão. Mas, se uma pessoa voltar atrás, eu não ficarei contente com ela.” Nós não somos gente que volta atrás e se perde. Pelo contrário, temos fé e somos salvos.” Hebreus 10:37-39 NTLH)

O texto não pode se referir aos “não eleitos”, pois, quem não é predestinado já está atrás, na fila da perdição. Não pode “voltar atrás”.

20) O pastor afirma que “João 3:16 não diz que todo o que nele crê inclui não eleitos”. Se o argumento do silêncio é válido, como poderá contestar o “meu argumento silencioso” ao replicar: “João 3:16 não diz que todo o que nele crê inclui só os eleitos”?

Nós Adventistas do Sétimo Dia também amamos João 3:16. Alguém disse sabiamente que o texto é um resumo da Bíblia.

21) Além de não atentar para toda a análise que fiz de 1 João 2:2, o irmão não se ateve a um detalhe importante do verso: o acréscimo de um grupo de pessoas que também pode desfrutar da salvação se quiser continuar predestinado. Veja:

“E ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.”

1) Ele é a propiciação pelos nossos pecados – eleitos que já aceitaram a salvação;
2) Ele é a propiciação pelos pecados do mundo inteiro – que ainda não aceitou a graça.

A palavra grega para “inteiro” – holos – significa “tudo”, “inteiramente”, “completo”. O termo grego em si, aliado à palavra kosmos (mundo) destrói a tese calvinista sem piedade!

Aceite a verdade bíblica pastor e não coloque nos textos Sagrados ideias alheias aos mesmos.

22) Concordo que nossa lógica não é a de Deus e acrescento: nossa lógica humana deve ajoelhar-se diante da lógica dEle (Isaías 55:8, 9). Mas, em termos de salvação Deus não deixou nenhum um mistério que nos impedisse de conhecermos o ESSENCIAL para chegarmos ao reino dos Céus. O fato de não podemos explicar a Trindade completamente (há uma explicação bíblica bem interessante com base nos termos hebraicos que aparecem em Deuteronômio 6:4 e Gênesis 2:24 – mas, esse não é o assunto em pauta) não significa que a salvação esteja oculta, pois, tal mistério “Deus nos revelou pelo Espírito” (1 Coríntios 2:10). [Parte dele, pois, nem Paulo entendia o mistério da piedade – 1 Timóteo 3:16].

Por isso, creio que a sua argumentação não foi uma defesa à Soberania de Deus ou à lógica dEle, mas, uma brecha enorme para um racionalista (que precisa ser alcançado) não aceitar jamais a salvação (por favor: não venha com a ideia de que “ele não foi predestinado” por que isso é tapar o sol com a peneira…).

23) Conheço a Confissão de Fé de Westminster, mas, ela não é minha regra de fé e prática (João 5:39; João 17:17).

24) Se não é pensamento geral da liderança Presbiteriana que o indivíduo será salvo mesmo vivendo no pecado, recomendo que esclareçam aos demais pastores e membros de vossas igrejas que constantemente mantêm contato conosco manifestando preocupação por tal ponto de vista.

25) Preocupante o senhor considerar João 3:18 e não explicar o verso juntamente com os que citei. O fato de uma pessoa que não crer em Jesus ser declarada perdida em nada muda o fato de que um dia ela possa aceitar e ser declarada salva. Esse é o evangelho da graça.

O tipo de juízo do qual os eleitos não fazem parte (se perseverarem – Lucas 21:19) é o juízo condenatório. Esse é o significado de João 3:18 e 5:24. A palavra grega para juízo em João 5:24 é krisis e se refere ao juízo de condenação. Isso não contradiz uma das doutrinas fundamentais do cristianismo , que é o juízo de todas as pessoas: dos justos e eleitos, para o universo comprovar quem realmente é de Deus e quem não é (1 Pedro 4:17; 2 Coríntios 5:10) e dos injustos, para dar a punição que escolheram (João 5:28, 29).

Recomendo que leia Romanos 14:12 e veja que, mesmo os salvos, passarão por uma avaliação no tribunal celeste. Afinal, os anjos não são Oniscientes (1 Pedro 1:12) e precisam saber o desenrolar da história do conflito entre o bem e o mal e o que vai no coração de cada um:

“Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus.” Romanos 14:12.

Cada um de nós se refere aos crentes eleitos de Roma. Como o senhor me explica esse verso com base na teologia de Calvino?

Resumindo: o juízo para os justos é de vindicação, livramento (Daniel 7:9, 10, 25-27). Não precisamos temê-lo. Para os ímpios, de condenação (João 3:18).

26) Olhei o texto que havia postado para o irmão Clóvis e não vi nada no meu parágrafo que negasse ser a vivificação para os salvos:
“Paulo escreveu que, do mesmo modo que todos morrem por causa de Adão (não por causa de Deus), todos serão vivificados em Cristo – se quiserem. Lembre-se de Apocalipse 22:17 e João 3:16”. Atente para as palavras se quiserem.

A Bíblia prova que o crente vivificado TEVE – e TEM – o livre-arbítrio:

“A vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade” Romanos 2:7.

Se o eleito tem que perseverar e procurar a incorruptibilidade, é claro que isso é uma escolha do indivíduo que recebeu de Deus a capacidade de fazer as próprias escolhas.

Em relação ao seu segundo desafio: “E me explique como alguém pode ser vivificado em Cristo e ir para o inferno.”, deixo que a Bíblia novamente lhe responda (citarei outro texto ignorado pelo senhor):

“Porque, se vivermos [Os Eleitos!] deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados; pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários. Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés. De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o QUAL FOI SANTIFICADO [O QUE UM DIA ACEITOU A CRISTO PODE REJEITÁ-LO!], e ultrajou o Espírito da graça? Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.” Hebreus 10:26-31.

Deixar que a Bíblia se explique é a melhor forma de não cairmos no perigo de darmos a ela nossas próprias interpretações.

Peço que me explique tais versos com base na teologia de João Calvino.

27) O calvinismo mostra na prática que anula a ideia de que a ira de Deus é sobre todos os homens, pois, se na Onisciência do Eterno Ele já predestinou alguns para se perderem, isso deixa evidente que a ira dEle só recaiu sobre os não eleitos. Para que a ira Divina seja tirada de todas as pessoas por meio de Jesus, todas elas têm de ter sido chamadas para a salvação.

Sobre sua frase: “Graça amigo, é graça. Se for obrigação, já não é graça…por isso Cristo deu a quem quis.”, no item 5 transcrevi João 1:12 provando que Cristo não escolheu alguns, mas quem quis permanecer nEle! “Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam.” João 15:6. Outro texto sobre o qual o pastor deve orar e pedir a Deus esclarecimentos.

28) Sendo que já comentei isso na introdução, o que espero é que o pastor dessa vez considere todos os 48 textos que citei, as perguntas retóricas de ambos os artigos e me forneça explicações bíblicas e contextualizadas para os versos que lhe apresentei. Estarei postando a presente tréplica no meu blog (juntamente com sua réplica), no de Clóvis.

Meu desejo é que o pastor não faça de Calvino os seus olhos para ler a Bíblia, mas sim o Espírito Santo.

Finalizo com o depoimento de um membro de sua igreja que leu meu artigo e viu nele a Bíblia falar (e não eu):

“Vocês não perceberam uma coisa!

“Que o rapaz refutou exemplarmente os argumentos deste site, usando o contexto bíblico.

“E vocês não tiveram a humildade e respeito em ler a explicação do rapaz lá do NA MIRA DA VERDADE. Pois ele foi muito respeitoso, educado e cristão ao falar dos pontos discordantes com nossa doutrina.

“Gostei muito do que vi. E vou procurar assistir ao programa dele. Informei-me que é toda quarta no canal 141 da SKY, às 21h.

“Gostei, porque ele usou a Bíblia o tempo todo e sempre usando o contexto! O que não acontece regularmente na nossa igreja e fico triste por isso. Que Deus nos a ajude a ter humildade ao estudar a Bíblia e reter o que é bom!

“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus, e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.” (1 João 4:7)

“Se alguém diz: Eu amo a Deus, e aborrece o seu irmão, é mentiroso. Pois, quem não ama o seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” (1 João 4:20)

“O que é nascido de Deus não vive pecando.” ( 1 João 5:18)

Assis – Recife
(Grifos acrescentados).

Parabéns, irmão Assis, por fazer da Bíblia a sua única regra de fé e prática!

Um abraço,

Leandro Quadros.

Anterior O que é uma seita?
Próximo Dar o peixe ou ensinar a pescar?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 498 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 3 Comentários

O selo de Deus é o sábado ou o Espírito Santo?

Algumas pessoas têm dificuldade de harmonizar a função do Espírito Santo e o papel do sábado no selamento final do povo remanescente de Deus. Não resta dúvida de que a

Apologética Cristã 2 Comentários

O rico e Lázaro, o seio de Abraão e o tormento dos ímpios

Muitos acham que a parábola representa os mortos como indo para um estado intermediário ou tormento eterno, onde os justos são tratados amorosamente por Abraão, num lugar denominado “seio de

Apologética Cristã 0 Comentários

o Domingo não deveria ser o dia de guarda?

Sendo que Cristo ressuscitou no domingo, não deveria este ser o dia de guarda para todos os cristãos? *Alberto R. TimmA maioria dos observadores do domingo tenta justificar essa prática

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!