A divindade do ANJO DE YHWH na Aqedah de Isaque: um estudo exegético de Gênesis 22.1 – 19

A divindade do ANJO DE YHWH na Aqedah de Isaque: um estudo exegético de Gênesis 22.1 – 19

 

A DIVINDADE DO ANJO DE YHWH NA AQEDAH DE ISAQUE: UM ESTUDO EXEGÉTICO DE GÊNESIS 22. 1 – 19

 

Chandler Tiago dos S. Sant’ Ana1

 

 

 

RESUMO

O presente artigo apresenta um estudo exegético sobre o Anjo de YHWH na Aqedah de Isaque. A pesquisa pretende exibir por meio do texto examinado a identidade do Anjo de YHWH. Tal estudo se faz importante para todo pesquisador que empreende uma pesquisa sobre a identidade do Anjo de YHWH. A presente pesquisa lança mão da metodologia exegética para obter o resultado desejado.

 

Palavra – chave: Anjo de YHWH. Elohim. YHWH. Divindade.

 

1. 1 ESTRUTURA DO LIVRO

O livro de Gênesis está estruturado em dois blocos: a História Primeva (1 – 11) e as narrativas patriarcais (12 – 50) formadas por três ciclos, isto é, o ciclo de Abraão, de Jacó e de José (FOKKELMAN, 1997, p. 55). Ao estudar quaisquer partes do livro de Gênesis é fundamental conhecer sua estrutura, uma vez que as narrativas fazem parte destas, o livro tem uma sofisticada estrutura literária (TURNER, 2017, p. 147).

 

1. 2. 1 CICLO DE ABRAÃO

Os autores do texto bíblico fizeram uso de outros artifícios literários na composição do texto; um deles e talvez o mais conhecido seja o quiasmo. Esse recurso é altamente usado no texto bíblico; a técnica do quiasmo serve para evidenciar a importância do(s) elemento(s) que está (ao) no centro da estrutura proposta (SILVA, 2000, p. 75). ​​ Moisés também fez uso significativo desse recurso como será observado na sequência. A estrutura literária demonstrada abaixo é apresentada por Bruce Waltke (2010, pp. 18 – 20). ​​ 

AGenealogia de Terá 11.27–32

BPromessa de um filho e começo da odisseia espiritual de Abraão 12.1–9

CAbraão mente acerca de Sara; o Senhor a protege no palácio estrangeiro 12.10–20

DLó se estabelece em Sodoma 13.1–18

EAbraão intercede por Sodoma e por Ló com força militar 14.1–24

FAliança com Abraão; anúncio de Ismael 15.1–16.16

F’Aliança com Abraão; anúncio de Isaque 17.1–18.15

E’Abraão intercede por Sodoma e por Ló em oração 18.16–33

D’Ló foge de Sodoma destruída e se estabelece em Moabe 19.1–38

C’Abraão mente acerca de Sara; Deus a protege em palácio estrangeiro 20.1–18

B’Nascimento do filho e clímax da odisseia espiritual de Abraão 21.1–22.19

A’Genealogia de Naor 22.20–24

 

A narrativa do ciclo de Abraão começa com uma genealogia onde o patriarca é introduzido na narrativa do Gênesis A; alguns nomes são mencionados como Naor e Milca. Em A’ Naor e Milca são mencionados novamente não por acaso desta vez quem é introduzida na narrativa é a matriarca Rebeca. Os capítulos 23 – 25. 11 fazem a transição para o ciclo de Jacó; nesta transição o leitor encontra o casamento de Isaque e Rebeca que por sua vez gera Jacó e Esaú. Rebeca tem um papel singular para o que irá acontecer no ciclo de Jacó.

A narrativa B tem um estreito paralelo com B’. A expressão לֶכְ־לְךָ, vai para ti, no imperativo2 aparece nos dois lugares, no chamado de Abraão (Gn 12. 1) e no chamado para Aqedah de Isaque (Gn 22. 2), Jacques Doukhan (2016) bem observou que a expressão introduz uma temática de três partes: 1) a ordem para deixar o lugar, seguida pela 2) instrução de ir para a um lugar indicado por YHWH e pela 3) sacrificar a família (Gn 12 “casa de teu pai em Gn 22 “teu filho”). O resultado de ouvir o imperativo divino também é o mesmo; 1) em Gn 12 YHWH promete para ele que faria um grande povo; 2) benção de Abraão e 3) benção para todos os povos as mesmas promessas são proferidas pelo מַלְאַ֤ךְ יְהוָה֙ (Anjo de YHWH) em B’. Estes paralelos confirmam a relação entre B e B’. Paula Gooder (2005, p. 57) bem salienta que estes três temas estão presentes em todo o Pentateuco; elas são tecidas firmemente no tecido da própria história de Abraão. Toda a narrativa retrata o lento desdobramento do relacionamento de Abraão com Deus. As crises que cercam a produção de um herdeiro e se desenrolam na tela da nova morada de Abraão na terra de Canaã. Lothar Ruppert Münster (2012, pp. 130 – 165) atribui B a J e de B’ a E, mas parece falhar em observar a sofisticada estrutura literária utilizada por Moisés no livro. É digno de se salientar que todos esses detalhes demonstram a harmonia literária do Gênesis e sua única autoria.

Logo após Abraão ser chamado, B, ele parte e por conta de uma fome que havia na época ele vai para o Egito em busca de mantimento C. Adolfo Roitman sugere (2015, pp. 23 – 25) que C’ seria um antigo Midrash em que os sábios teriam corrigido as falhas de Abraão. No entanto C e C’ existem diversas semelhanças e dessemelhanças. C começa com uma fome, mas C’ não. Em C, a localização é o Egito, mas em C’ a localização é gerar. C menciona a beleza da esposa, mas C’ não. Em C e C’, a esposa é levada para o harém. Em C e C’, o livramento vem por intervenção direta de Deus; O anfitrião recompensa o patriarca em C e C’. Deus é chamado “o Senhor” em C, mas em B ele é Elohim. Em C, o patriarca parte explicitamente, mas em C’ sua partida é implícita. Parece difícil sustentar que C’ era um antigo Midrash onde as falhas de Abraão foram corrigidas pois uma das falhas mais graves é mantida, a mentira, e a consequência Sara no harém. As dessemelhanças parecem sugerir que de fato são duas histórias distintas que foram narradas e organizadas conscientemente no ciclo de Abraão.

Em um estudo detalhado do enredo do clico é possível observar que Ló é um personagem significativo para Abraão. Quando o patriarca é chamado YHWH ele é orientado a deixar sua família e ir, no entanto, ele leva consigo Ló. Em C o patriarca mente e deixa Sara exposta por medo da morte, mas em E ele arrisca a própria vida contra cinco reis para salvar Ló; aí o leitor atento percebe o valor de Ló para Abraão. Quando os anjos comunicam a destruição de Sodoma e Gomorra ele intercede pela cidade onde Ló morava com certa determinação. Laurence Turner (2017, pp. 29 – 83) em uma acura pesquisa do enredo bem demonstra que todos esses detalhes indicam que primariamente o patriarca entendia que o seu descendente era Ló. Esta perspectiva parece justificar o lugar que Ló assume no ciclo de Abraão pois em D ele se estabelece em Sodoma e em D’ ele foge de Sodoma porque a mesma seria destruída. Em E Abraão intercede por Ló com força militar e em E’ ele intercede por Sodoma e por Ló em oração. Assim a narrativa tem seu clímax em F e F’ com verdadeiro descendente, o filho da promessa e a aliança Abraâmica3. ​​ Moisés através de um enredo muito bem desenvolvido e uma bela estrutura quiastica demonstra que o filho prometido em B e pedido em B’ é Isaque.

 

1. 3. 2.1 A AQEDAH DE ISAQUE

 

O texto da Aqedah de Isaque também está disposto em uma estrutura quiastica cujo centro é o diálogo entre pai e filho. Todavia esse diálogo tem sido deixado de lado por muitos teólogos; Jeske, J. C. (2001, p. 185) considera o momento do sacrifício como o clímax da narrativa, mas a estrutura literária como disposta abaixo parece apontar em outra direção.

 

 

A 22. 1 – 2 (“E lhe disse: Abraão!”, “E disse: eis - me aqui.”)

 ​​ ​​ ​​ ​​​​ B 22. 3 – 6 (“e tomou e foi, ao lugar que que disse Elohim.”, “e depositou sobre Isaque, seu filho [lenha], e tomou em mão, fogo e faca.”

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ C 22. 7 – 8 (diálogo)

 ​​ ​​ ​​ ​​​​ B’ 22. 9 – 10 (“E chegaram ao lugar que disse Elohim”, “E amarrou Isaque, seu filho sobre o altar, acima das lenhas.” E “E estendendo Abraão sua mão, e pegou na mão o cutelo. para matar seu filho.”

A’ 22. 11 – 19 (“e disse: Abraão Abraão.” e “E disse: eis - me aqui.”).

 

O biblista precisa ter em alta conta os diálogos das narrativas; bem sugere Robert Alter (2007, p. 102 – 138). O verbo אָמַר, dizer aparece 17 vezes na narrativa e seu uso é estratégico ele aparece seis vezes nos versos 1 – 6, cinco vezes no diálogo (7 – 8) e seis vezes nos versos 9 – 19. Esta distribuição é proposital; para entender a significância deste diálogo é necessário entender antes o quanto Isaque significava para Abraão. O texto hebraico dá uma ênfase especial no relacionamento entre pai e filho: “וַיֹּ֡אמֶר קַח־֠ןָא אֶת־בִּנְךָ֙ אֶת־יְחִֽידְךָ֤ אֲשֶׁר־אָהַ֙בְתָּ֙ אֶת־יִצְחָ֔ ,4 E disse toma teu filho teu único o qual amas Isaque,” três vezes aparece a partícula do objeto direto אֶת, etet teu filho”, “et teu único” e “et Isaque”. O texto hebraico dá uma ênfase significativa em Isaque, parece que Isaque era mui querido por Abraão; os textos do Targum Pseudo Jonathan e Onquelos sugerem essa mesma ideia:

ואמר דבר כדון ית ברך ית יחידך דאת רחים ית יצחק ואיזל לך לארע פולחנא ואסיקהי תמן לעלתא על חד מן טוורייא דאימר לך5

E Ele disse: Toma agora o teu filho, o teu único a quem amas, Isaque, e vai para a terra de culto, e oferece-o ali, como um holocausto, sobre um dos montes que direi.

 

וַאֲמַר דְבַר כְעַן יָת בְרָך יָת יְחִידָך דִרחֵימתָא יָת יִצחָק וְאִיזֵיל לָך לַאֲרַע פֻלחָנָא וְאַסֵיקהִי קְדָמַי תַמָן לְעֲלָתָא עַל חַד מִן טוּרַיָא דְאֵימַר לָך׃6

E ele disse: Tome, por favor, teu filho, seu único, o que você ama, Isaque, e vá para a terra de serviço [sagrado] e leve-o lá para uma oferta inteira em uma das montanhas, a qual eu te direi.

 

 

Os indícios é que de fato Abraão alimentava um amor especial por Isaque; o Talmud descreve um diálogo entre YHWH e satanás onde satanás acusa Abraão de ter honrado Isaque demasiadamente e por consequência YHWH pede o sacrifício de Isaque como uma demonstração de que Abraão realmente era temente a YHWH e não colocaria Isaque acima do Eterno (b. Sanhidrin 10. 5, III. 7. H).7 Na antiguidade Flavio Josefo e os antigos rabinos falavam deste amor demasiado de Abraão por Isaque (JOSEPHUS, 1996, 1: 222 – 223; Sifre Deut. 313).

A compreensão imergente do texto hebraico de que Abraão amava sobre modo Isaque é antiga e parece ter sido bem aceita no judaísmo antigo. Desta forma o diálogo (centro da Aqedah) responderá a quem o patriarca ama mais. O texto abaixo segue a segmentação de 2.5.

​​ 

7a - ​​ E disse Isaque a Abraão seu pai:

 ​​ ​​​​ 7b - ​​ E disse: Meu pai.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 7c - ​​ E disse: eis – aqui meu filho.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 7d E disse: onde está o cordeiro para o holocausto?

​​ 8e - ​​ E disse Abraão: Elohim proverá o cordeiro para Holocausto meu filho.

 

Como observado anteriormente o verbo אָמַר, dizer aparece cinco vezes no centro do quiasmo e leva o diálogo para seu clímax. Em 8a o diálogo encontra seu clímax; é significativo que Moisés inverta a ordem da frase colocando o sujeito antes do verbo “אֱלֹהִ֞ים יִרְאֶה־לֹּ֥ו, Elohim proverá”. Essa inversão acontece porque Moisés quer chamar a atenção do leitor para a resposta de Abraão; o patriarca responde firmemente “Elohim proverá o cordeiro para Holocausto meu filho”. Assim fica evidente a certeza que Abraão tinha de que YHWH estava no controle e sua fé e amor por Elohim são ratificadas pela obediência. O centro é fechado por uma frase de inclusivo que aparece ao final de cada parte do quiasmo: “וַיֵּלְכ֥וּ שְׁנֵיהֶ֖ם יַחְדָּֽו׃, E os dois foram juntamente”.8

 

1. 4. 3. 2. 1 ESTABELECIMENTO DA PERÍCOPE

A narrativa da Aqedah de Isaque tem seu início em Gênesis 22. 1 e seu fim em 22. 19. ​​ Comumente as narrativas históricas começam com um verbo perfeito e continuam usando verbos imperfeitos com prefixo ו consecutivo; neste caso o verbo perfeito funciona como regente dos verbos seguintes. Bruce Waltke (2006, p. 53) destaca que a chave para a ordem de palavras em hebraico envolve uma relação básica, requerendo que o elemento regente (regens) geralmente preceda o regido (rectum). As narrativas também podem começar com um verbo imperfeito prefixo ו consecutivo; isso acontece no início de uma narrativa para liga – lá com algum evento anterior (KELLEY, 2013, pp. 247 – 249; CRABTREE, 1951, pp. 54, 57). O verso que abre a narrativa de Gênesis 22 segue a segunda opção, isto é, ו mais imperfeito (v. 1a).9 Para encerrar a narrativa Moisés informa a mudança de espaço, isto é, de local (v. 19). Esse artificio é comum no encerramento das narrativas históricas (ALTER, 2007, pp. 104 – 105).

 

1. 2. 3. 2 SEGMENTAÇÃO

1

וַיְהִ֗י

1a

E aconteceu

אַחַר֙ הַדְּבָרִ֣ים הָאֵ֔לֶּה

1b

depois destas coisas

וְהָ֣אֱלֹהִ֔ים

1c

e Elohim

נִסָּ֖ה אֶת־אַבְרָהָ֑ם

1d

provou Abraão.

וַיֹּ֣אמֶר אֵלָ֔יו אַבְרָהָ֖ם

1e

E lhe disse: Abraão!

וַיֹּ֥אמֶר הִנֵּֽנִי׃

1f

E disse: eis - me aqui.

 

2 ​​ 

וַיֹּ֡אמֶר

 ​​​​ 2a

E disse:

קַח־֠ןָא

 ​​​​ 2b

toma teu

אֶת־בִּנְךָ

2c

filho

אֶת־בִּנְךָ֙ אֶת־יְחִֽידְךָ֤

 ​​​​ 2d

teu único filho

אֲשֶׁר־אָהַ֙בְתָּ֙ אֶת־יִצְחָ֔ק

 ​​​​ 2e

que tu amas Isaque,

וְלֶכְ־לְךָ֔

 ​​​​ 2f

e leva contigo;

אֶל־אֶ֖רֶץ הַמֹּרִיָּ֑ה

 ​​​​ 2g

a terra de Moriá.

וְהַעֲלֵ֤הוּ שָׁם֙ לְעֹלָ֔ה

 ​​​​ 2h

E oferece o ali em holocausto,

 

עַ֚ל אַחַ֣ד הֶֽהָרִ֔ים

2i

sobre um dos montes

אֲשֶׁ֖ר אֹמַ֥ר אֵלֶֽיךָ׃

 ​​​​ 2j

que eu direi.

 

3

וַיַּשְׁכֵּ֨ם אַבְרָהָ֜ם בַּבֹּ֗קֶר

3a

E levantou – se cedo Abraão pela manhã

וַֽיַּחֲבֹשׁ֙ אֶת־חֲמֹרֹ֔ו

3b

e amarrou seu burro,

וַיִּקַּ֞ח אֶת־שְׁנֵ֤י נְעָרָיו֙

3c

e tomou dois dos seus servos,

אִתֹּ֔ו וְאֵ֖ת יִצְחָ֣ק בְּנֹ֑ו

3d

e Isaque seu filho;

וַיְבַקַּע֙ עֲצֵ֣י עֹלָ֔ה

3e

e rachou lenha para holocausto,

וַיָּ֣קָם וַיֵּ֔לֶךְ

3f

e tomou e foi,

אֶל־הַמָּקֹ֖ום אֲשֶׁר־אָֽמַר־לֹ֥ו הָאֱלֹהִֽים׃

3g

ao lugar que que disse Elohim.

 

4

בַּיֹּ֣ום הַשְּׁלִישִׁ֗י

4a

Ao terceiro dia,

וַיִּשָּׂ֨א אַבְרָהָ֧ם אֶת־עֵינָ֛יו

4b

e ergueu Abraão os olhos

וַיַּ֥רְא אֶת־הַמָּקֹ֖ום מֵרָחֹֽק׃

4c

e viu o lugar distante.

5

וַיֹּ֨אמֶר אַבְרָהָ֜ם אֶל־נְעָרָ֗יו

5a

E disse Abraão a seus servos:

שְׁבוּ־לָכֶ֥ם פֹּה֙ עִֽמ־הַחֲמֹ֔ור

5b

fiquem aqui com o jumento,

וַאֲנִ֣י וְהַנַּ֔עַר

5c

e eu e o menino,

נֵלְכָ֖ה עַד־כֹּ֑ה

5d

prosseguiremos até ali.

וְנִֽשְׁתַּחֲוֶ֖ה וְנָשׁ֥וּבָה אֲלֵיכֶֽם׃

 

5e

E adoraremos e voltaremos para – vós.

וַיִּקַּ֨ח אַבְרָהָ֜ם אֶת־עֲצֵ֣י הָעֹלָ֗ה

6a

E tomou Abraão a lenha do Holocausto

וַיָּ֙שֶׂם֙ עַל־יִצְחָ֣ק בְּנֹ֔ו

6b

e depositou sobre Isaque, seu filho,

וַיִּקַּ֣ח בְּיָדֹ֔ו

6c

e tomou em mão,

אֶת־הָאֵ֖שׁ וְאֶת־הַֽמַּאֲכֶ֑לֶת

6e

fogo e faca.

וַיֵּלְכ֥וּ שְׁנֵיהֶ֖ם יַחְדָּֽו׃

6f

E os dois foram juntamente.

7

וַיֹּ֨אמֶר יִצְחָ֜ק אֶל־אַבְרָהָ֤ם אָבִיו֙

7a

E disse Isaque a Abraão seu pai:

וַיֹּ֣אמֶר אָבִ֔י

7b

E disse: Meu pai.

וַיֹּ֖אמֶר הִנֶּ֣נִּֽי בְנִ֑י

7c

E disse: eis – aqui meu filho.

וַיֹּ֗אמֶר הִנֵּ֤ה הָאֵשׁ֙

7d

E disse: eis o fogo

וְהָ֣עֵצִ֔ים וְאַיֵּ֥ה הַשֶּׂ֖ה לְעֹלָֽה׃

7e

e onde está o cordeiro para o holocausto?

8

וַיֹּ֙אמֶר֙ אַבְרָהָ֔ם

8a

E disse Abraão:

אֱלֹהִ֞ים יִרְאֶה־לֹּ֥ו הַשֶּׂ֛ה לְעֹלָ֖ה בְּנִ֑י

8b

Elohim proverá o cordeiro para Holocausto meu filho.

וַיֵּלְכ֥וּ שְׁנֵיהֶ֖ם יַחְדָּֽו׃

8

E os dois foram juntamente. ​​ 

 

9

וַיָּבֹ֗אוּ

9a

E chegaram

אֶֽל־הַמָּקֹום֮

9b

ao lugar

אֲשֶׁ֣ר אָֽמַר־לֹ֣ו הָאֱלֹהִים֒

9c

que disse Elohim

וַיִּ֨בֶן שָׁ֤ם אַבְרָהָם֙ אֶת־הַמִּזְבֵּ֔חַ

9d

e edificou ali Abraão o altar,

וַֽיַּעֲרֹ֖ךְ אֶת־הָעֵצִ֑ים

9f

e pois em ordem as lenhas.

וַֽיַּעֲקֹד֙ אֶת־יִצְחָ֣ק בְּנֹ֔ו

9g

E amarrou Isaque seu filho

וַיָּ֤שֶׂם אֹתֹו֙ עַל־הַמִּזְבֵּ֔חַ

9h

E colocou sobre o altar,

מִמַּ֖עַל לָעֵצִֽים׃

9i

acima das lenhas.

 

 

10

וַיִּשְׁלַ֤ח אַבְרָהָם֙ אֶת־יָדֹ֔ו

10a

E estendendo Abraão sua mão,

וַיִּקַּ֖ח אֶת־הַֽמַּאֲכֶ֑לֶת

10b

e pegou na mão o cutelo.

לִשְׁחֹ֖ט אֶת־בְּנֹֽו׃

10c

para matar seu filho.

11

וַיִּקְרָ֨א אֵלָ֜יו מַלְאַ֤ךְ יְהוָה֙ מִנ־הַשָּׁמַ֔יִם

11a

E chamou ele [o] Anjo de YHWH do céu,

וַיֹּ֖אמֶר אַבְרָהָ֣ם׀ אַבְרָהָ֑ם

11b

e disse: Abraão, Abraão.

וַיֹּ֖אמֶר הִנֵּֽנִי׃

11c

E disse: eis – me [aqui].

12

וַיֹּ֗אמֶר אַל־תִּשְׁלַ֤ח יָֽדְךָ֙ אֶל־הַנַּ֔עַר

12a

E disse: não estendas tua mão sobre o menino,

וְאַל־תַּ֥עַשׂ לֹ֖ו מְא֑וּמָּה

12b

e não faças-lhe algo.

כִּ֣י׀

12c

Porque ​​ 

עַתָּ֣ה יָדַ֗עְתִּי

12d

Agora sei

כִּֽי־יְרֵ֤א אֱלֹהִים֙ אַ֔תָּה

12e

que temes a Elohim tu,

וְלֹ֥א חָשַׂ֛כְתָּ אֶת־בִּנְךָ֥ אֶת־יְחִידְךָ֖ מִמֶּֽנִּי׃

12f

e não reteve teu filho teu único de mim.

13

וַיִּשָּׂ֨א אַבְרָהָ֜ם אֶת־עֵינָ֗יו

13a

E levantou Abraão olhou

וַיַּרְא֙ וְהִנֵּה־אַ֔יִל אַחַ֕ר

13b

e viu e eis carneiro,

נֶאֱחַ֥ז בַּסְּבַ֖ךְ בְּקַרְנָ֑יו

13c

atrás preso no arbusto pelos chifres dele.

וַיֵּ֤לֶךְ אַבְרָהָם֙

13d

E foi Abraão

וַיִּקַּ֣ח אֶת־הָאַ֔יִל

13e

e tomou o carneiro,

וַיַּעֲלֵ֥הוּ לְעֹלָ֖ה תַּ֥חַת בְּנֹֽו׃

13f

e ofereceu como holocausto ao invés [de] seu filho.

14

וַיִּקְרָ֧א אַבְרָהָ֛ם

14a

E chamou Abraão ​​ 

שֵֽׁמ־הַמָּקֹ֥ום הַה֖וּא

14b

este lugar

יְהוָ֣ה׀ יִרְאֶ֑ה

14c

“YHWH proverá”.

אֲשֶׁר֙ יֵאָמֵ֣ר הַיֹּ֔ום

14d

O qual se chama até hoje:

בְּהַ֥ר יְהוָ֖ה יֵרָאֶֽה׃

14e

“no monte YHWH proverá”.

15

וַיִּקְרָ֛א מַלְאַ֥ךְ יְהוָ֖ה

15a

E chamou o Anjo de YHWH

אֶל־אַבְרָהָ֑ם

15b

a Abraão.

שֵׁנִ֖ית מִנ־הַשָּׁמָֽיִם׃

15c

[pela] segunda [vez] dos céus.

16

וַיֹּ֕אמֶר

16a

E disse:

בִּ֥י נִשְׁבַּ֖עְתִּי

16b

em mim eu jurei,

נְאֻמ־יְהוָ֑ה

16c

diz YHWH.

כִּ֗י יַ֚עַן אֲשֶׁ֤ר עָשִׂ֙יתָ֙ אֶת־הַדָּבָ֣ר הַזֶּ֔ה

16d

Porquanto fizeste está coisa,

וְלֹ֥א חָשַׂ֖כְתָּ

16e

e não negaste,

אֶת־בִּנְךָ֥ אֶת־יְחִידֶֽךָ׃

16f

teu filho teu único.

17

כִּֽי־בָרֵ֣ךְ אֲבָרֶכְךָ֗

17a

Certamente te abençoarei

וְהַרְבָּ֨ה אַרְבֶּ֤ה אֶֽת־זַרְעֲךָ֙ כְּכֹוכְבֵ֣י הַשָּׁמַ֔יִם

17b

e engrandecerei sobremodo tua semente como as estrelas dos céus,

וְכַחֹ֕ול אֲשֶׁ֖ר עַל־שְׂפַ֣ת הַיָּ֑ם

17c

e como areia sobre praia do mar.

וְיִרַ֣שׁ זַרְעֲךָ֔

17d

E herdará tua semente porta

אֵ֖ת שַׁ֥עַר אֹיְבָֽיו׃

17e

de teus inimigos.

18

וְהִתְבָּרֲכ֣וּ בְזַרְעֲךָ֔

18a

E [serão] abençoadas,

כֹּ֖ל גֹּויֵ֣י

18b

todas as nações,

עֵ֕קֶב אֲשֶׁ֥ר שָׁמַ֖עְתָּ בְּקֹלִֽי׃

18c

[por] consequência que ouviste minha voz.

19

וַיָּ֤שָׁב אַבְרָהָם֙ אֶל־נְעָרָ֔יו

​​ 19a

E voltou Abraão para seus servos

וַיָּקֻ֛מוּ

​​ 19b

e levantaram

וַיֵּלְכ֥וּ יַחְדָּ֖ו אֶל־בְּאֵ֣ר שָׁ֑בַע

​​ 19c

e foram juntos para Berseba.

וַיֵּ֥שֶׁב אַבְרָהָ֖ם בִּבְאֵ֥ר שָֽׁבַע׃

​​ 19d

E habitou Abraão em Berseba.

 

O texto se desenvolve diante do leitor rapidamente, poucos detalhes são dados. Existe uma tensão criada pelo uso do ו consecutivo mais verbos de ação; assim sintaticamente o leitor tem uma série de ações sequenciais. ​​ Esta sequência de ações se dá de forma rápida pela ausência de detalhes, isto é, uma ação leva a outra. Desta forma o uso do ו consecutivo dá ritmo ao texto narrativo; o verbo אָמַר aparece 17 vezes na perícope e desempenha um papel singular na estrutura literária como será visto nesse estudo.

 

2 LEXÍCO SEMÂNTICA

Neste momento ofereceremos uma análise léxico semântica de algumas palavras hebraicas que aparecem no diálogo do Anjo de YHWH com Abraão. A compreensão destas palavras é fundamental para a compreensão da natureza do Anjo de YHWH.

O Anjo de YHWH, מַלְאַ֤ךְ יְהוָה֙, aparece algumas vezes nos documentos bíblicos (Gn 17. 7 – 13; Nm 22. 22 – 23; Jz 2. 1 – 4; Js 5. 23; 13. 3; Js 5. 13; Zc. 3. 2 – 3). O Anjo de YHWH se comporta como o próprio YHWH em várias destas aparições (STEPHEN, 2011, p. 1129). מַלְאַ֤ךְ יְהוָה֙ Significa mensageiro com isso possibilita a tradução “Mensageiro de YHWH”. Na septuaginta10 (LXX): ἄγγελος κυρίου. ἄγγελος no Novo Testamento (NT) também é utilizado para anjo ou mensageiro (v. Lc 1. 11).

O nome genérico Elohim, אֱלֹהִים֙, é comumente usado na Bíblia Hebraica para YHWH a divindade de Israel. ​​ É usado algumas vezes para outros deuses que não YHWH (Gn 31: 17-35; Êx 20.3), anjos (Sal 8: 5) e espíritos (1 Sm 28:13). O Salmo 82: 1 retrata Deus como num tribunal em um conselho de seres divinos. Também pode receber um artigo definido (Êx 18.11), adjetivo plural, e verbo plural. (Sl 97.7). אֱלֹהִים֙ pode estar relacionado tanto com a transcendência de YHWH bem como sua universalidade, ou seja, este ultimo é alusivo a questões missiológicas (BAUMGARTNER, 1999, pp. 52 – 53; TERENCE, 2011, p. 396; MOUSHON, 214; HASEL, 2018, pp. 64 – 65). Na LXX θεός é a tradução usual do hebraico אֵל e seu plural אֱלֹהִים assim como do aramaico אֱלָהּ ambos quando estas palavras se referem a o Deus de Israel e quando eles se referem a divindades estrangeiras ou ídolos.

O nome YHWH, יְהוָ֑ה, utilizado no texto é mais específico. Aparece aproximadamente 6800 vezes, nos livros da Bíblia Hebraica com exceção de Ester, Eclesiastes e Cântico dos cânticos. יְהוָ֑ה é o nome próprio da divindade israelita; este nome está intimamente ligado com o caráter relacional do Elohim de Israel, ou seja, exibe um aspecto relacional (HASEL, 2018, p. 58; TERENCE, 2011, p. 1129). ​​ Entre os hebreus, como entre outros povos da antiguidade, os nomes eram muito significativos. O nome de um indivíduo era mais do que um mero cognome aplicado para designar seu dono em contradição com outras pessoas. Um nome correspondia à personalidade que representava e frequentemente expressava o caráter do indivíduo ou seu significado na sociedade (BAUMGARTNER, 1999, p. 394; BLACKWELDER, 2008, p. 33; GIANOTTI, 2008, 142:38).11 O termo κύριος (kyrios) na Septuaginta, é a tradução hebraica usual não apenas de אָדוֹן, Senhor, mas também de יהוה, YHWH. De acordo com o uso da Septuaginta, o Novo Testamento (NT) também usa kyrios para se referir ao Deus de Israel, YHWH, especialmente nas citações da Septuaginta do NT (v. Mt 3. 3; 4. 7; Marcos 12.11; 12. 29; Lucas 1. 9) (JONATHAN, 2014).

O verbo engrandecerei, אַרְבֶּ֤ה, da raiz רָבָה ocorre mais de 200 vezes na Bíblia Hebraica 60 vezes no tronco qal e 160 no Hifiil. O verbo רָבָה aparece no Hifiil; este verbo só aparece no livro de Gênesis mais cinco vezes no Hifiil: Gn 17. 2, 20; 22. 17; 26.4; 34. 4. Destes versos, o único que não faz a promessa de multiplicar a descendência é 34. 4; no restante dos versos existe a promessa, e ela é sempre feita por YHWH (ANDREW, 2011, p. 1129; SANT’ ANA, 2018).

 

3 TEOLÓGICA

Na primeira aparição do Anjo de YHWH ele se identifica como sendo o próprio Deus, אֱלֹהִים֙. O texto apresenta dois diálogos entre Abraão e o Anjo de YHWH; neste momento analisaremos o primeiro; o texto será disposto abaixo de acordo com a segmentação feita acima (v. 2. 2. 3. 2).

 

11a - E chamou ele [o] Anjo de YHWH do céu,

 ​​ ​​​​ 11b - e disse: Abraão, Abraão.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 11c - E disse: eis – me [aqui]

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12a - E disse: não estendas tua mão sobre o menino,

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12b - e não faças-lhe algo.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12c - Porque

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12d - Agora sei

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12e - que temes a Elohim tu,

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 12f - e não reteve teu filho teu único de mim.

 

Em 12c,d e e o Anjo de YHWH destaca que Abraão teme a Elohim a evidência do temor é exibida em 12e onde se destaca que Abraão não negou o próprio filho. É digno observar neste momento as palavras do mensageiro: “אֶת־בִּנְךָ֥ אֶת־יְחִידְךָ֖ מִמֶּֽנִּי׃, teu filho teu único de mim.” Literalmente “de mim”; a preposição “מִן, de” utilizada com o sufixo pronominal da primeira pessoa “ִי , mim” leva a preposição “מִן” a uma duplicação da letra “מ, mem” ficando “מִמֶּנ” com o acréscimo do sufixo pronominal “ִי” se tem “מִמֶּֽנִּי, de mim” (FUTADO, 2010, p. 136; KELLEY,1998, p. 98). A tradução literal do texto demonstra que o Anjo de YHWH de 11a se identifica com o Elohim, Deus de 12e e em 12f ele declara claramente que Abraão não se negou a ofertar seu filho a ele. Neste sentido também existe uma alusão a 1a quando Elohim chama Abraão para polo a prova.

Na segunda vez que o Anjo de YHWH fala com Abraão ele se identifica como YHWH novamente, porém com o nome YHWH.

 

15a E chamou o Anjo de YHWH

 ​​ ​​​​ 15b - a Abraão.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 15c - [pela] segunda [vez] dos céus.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16a E disse:

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16b - em mim eu jurei

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16c - diz YHWH.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16d - porquanto fizeste está coisa,

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16e - e não negaste

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 16f - teu filho teu único.

 

Em 16a há uma declaração significativa; o Anjo de YHWH diz: “וַיֹּ֕אמֶר בִּ֥י נִשְׁבַּ֖עְתִּי נְאֻמ־יְהוָ֑ה, E disse: em mim eu jurei diz YHWH.”. A preposição בּ mais o sufixo pronominal da primeira pessoa “ִי, mim” literalmente significam “em mim”, ou seja, o Anjo de YHWH se identifica claramente com YHWH. Ele jura por si mesmo; Victor Hamilton (1998, p. 111) acertadamente destaca que este é o primeiro e único juramento divino nas histórias patriarcais, embora seja frequentemente remetido a (24: 7; 26: 3; 50:24; Êxodo 13: 5, muitas vezes em Deuteronômio). O precedente “em mim”, que dá ao juramento uma solenidade e peso especiais (Jr 22: 5; 49:13; Amós 4: 2; 6: 8; Hb 6: 13-18). Nos registros de juramento da Bíblia Hebraica comumente os homens juravam pela divindade (1 Sm 3.17; 2 Rs 6.31). ​​ YHWH por não ter ninguém maior do que ele jurava por si mesmo (Is 45. 23; Jr 49.13). ​​ T. W. Cartledge (2011) bem salienta:

 

Quando Deus falava, era impensável que sua palavra não se cumpriria; ficava implícito que ele havia jurado por si mesmo em todas as promessas e alianças com seu povo.

Esse não era o caso dos homens comuns, para os quais o acréscimo de uma maldição com um apelo à divindade era uma parte essencial do juramento.

 

Além do Anjo de YHWH se identifica com o próprio YHWH ele jura por si mesmo. Esta é uma característica divina nas escrituras, ou seja, ele demonstra ser divino e não apenas um mensageiro.

O Anjo de YHWH na sequência promete para Abraão que engrandeceria a descendência dele pelo fato de Abraão ter escuta sua voz. Uma analise cuidadosa do texto pode lançar ainda mais luz sobre a questão.

 

17a - Certamente te abençoarei

 ​​ ​​​​ 17b - e engrandecerei sobremodo tua semente como as estrelas dos céus,

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 17c - e como areia sobre praia do mar.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 17d - E herdará tua semente porta

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 17e - de teus inimigos.

 

A promessa de fazer da descendência de Abraão um grande povo é característica de YHWH. A promessa feita pelo Anjo de YHWH para Abraão de uma grande nação é naturalmente divina (Gn 12. 1 – 9); e seu cumprimento posterior é atribuído a YHWH (Dt 1. 9 – 10). O verbo O verbo רָבָה aparece no Hifiil; este verbo só aparece no livro de Gênesis mais cinco vezes no Hifiil: Gn 17. 2, 20; 22. 17; 26.4; 34. 4. Destes versos, o único que não faz a promessa de multiplicar a descendência é 34. 4; no restante dos versos existe a promessa, e ela é sempre feita por YHWH. O uso deste verbo não é aleatório. O Anjo de YHWH ainda declara:

 

18a - E [serão] abençoadas

 ​​ ​​​​ 18b - todas as nações.

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ 18c - [por] consequência que ouviste minha voz.

 

As nações da terra seriam abençoadas pela obediência de Abraão a voz do Anjo de YHWH. A frase: “עֵ֕קֶב אֲשֶׁ֥ר שָׁמַ֖עְתָּ בְּקֹלִֽי׃, [por] consequência que ouviste minha voz.” Exibe o Anjo de YHWH mais uma vez se portando como um ser divino, e, ele se identifica com Aquele que fez o pedido em 1a. É importante observar que no final dos dois diálogos entre o Anjo de YHWH e Abraão o Mensageiro de YHWH destaca que ele havia pedido o sacrifício (Gn 12f; 18c).

A estrutura quiastica vista anteriormente (2. 3) reforça a perspectiva de que o Anjo de YHWH fez o pedido para Abraão.

 

A 22. 1 – 2 (“E lhe disse: Abraão!”, “E disse: eis - me aqui.”)

 ​​ ​​ ​​ ​​​​ B 22. 3 – 6 (“e tomou e foi, ao lugar que que disse Elohim.”, “e depositou sobre Isaque, seu filho [lenha], e tomou em mão, fogo e faca.”

 ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​ ​​​​ C 22. 7 – 8 (diálogo)

 ​​ ​​ ​​ ​​​​ B’ 22. 9 – 10 (“E chegaram ao lugar que disse Elohim”, “E amarrou Isaque, seu filho sobre o altar, acima das lenhas.” E “E estendendo Abraão sua mão, e pegou na mão o cutelo. para matar seu filho.”

A’ 22. 11 – 19 (“e disse: Abraão Abraão.” e “E disse: eis - me aqui.”).

 

A relação de A com A’ é importante neste momento. Está estrutura sofisticada é proposital e isso fica evidente pelo fato de que os detalhes se relacionam de forma coerente, ou seja, essa estrutura não é acidental. Tendo consciência de que a forma como o texto é escrito não é periférico ao que é dito; é razoável sugerir a Divindade do Anjo de YHWH.

 

4. 1 MULTIPESSOALIDADE NA DIVINDADE

O texto de Gênesis 22 apresenta uma multiplicidade de pessoas na Divindade. O texto apresenta duas pessoas distintas com característica divinas. Victor Hamilton (1998, p. 111) bem observa que o mensageiro é quase indistinguível de YHWH. Isto não acontece só em Gênesis 22 (v. 16:13; 21:18; 31:11, 13; Êxodo 3: 2, 4; Juízes 6: 12, 14, 16, 20, 22, 23). Adan Clarke (1999) e Jeske, J. C. (2001, p. 185) salientam que o Anjo de YHWH seria o Filho de YHWH pré - encarnado. Está sugestão é razoável e pode ser aceita. Embora o texto de Gênesis não deixe claro que o Anjo de YHWH é Jesus; ele exibe claramente que o Anjo de YHWH é divino.

A revelação Bíblica tardia pode lançar luz sobre a questão. O texto grego da LXX utiliza o termo θεός para Elohim em 16c e κύριος para YHWH em 18b. O NT usa esses termos frequentemente para se referir a Jesus. Em 2 Pedro 1.1, Romanos 9.5 o termo θεός é usado para Jesus assim como κύριος em Romanos (5. 1; 10: 9; 14: 9; 1 Coríntios 12: 3; Fp 2:11). Assim se tratando de dois seres divinos distintos é provável que se esteja falando do Pai e do Filho.

 

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A narrativa da Aqedah de Isaque exibe uma sofisticada estrutura literária; Moisés usa termos hebraicos de forma consciente e esses demonstram uma pluralidade de Pessoas na Divindade. A dificuldade em distinguir o Anjo de YHWH de YHWH demonstra a unidade existente entre os seres da Divindade. O texto de Gênesis 22 em sua perícope não deixa claro que o Anjo de YHWH é Jesus, no entanto é evidente que pelo texto que o Mensageiro de YHWH é divino assim como YHWH. Assim com base na revelação bíblica tardia é possível aceitar que o Anjo de YHWH é Jesus pré – encarnado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

ALTER, R. A Arte da Narrativa Bíblica. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

 

ANDREW, E. H. רבה. In. Willem A. V. (Org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2011.

 

BAUMGARTNER, L. k., W., Richardson, M.; Stamm, J. The Hebrew and Aramaic lexicon of the Old Testament. Volumes 1-4 combined in one electronic edition. New York: E.J. Brill, 1996.

 

BÍBLIA. Bíblia Hebraica Stuttgartensia. Stuttgart: German Bible Society Westminster Seminary, 1996.

 

BLACKWELDER, B. W. An Investigation of the Phrase יום יהוה in the Prophets of the Old Testament. Indianapolis: Butler University, 2008.

 

CANALE, F. O Princípio Cognitivo da Teologia Cristã: um estudo hermenêutico sobre a revelação e inspiração. Engenheiro Coelho, SP: 2011.

 

CARTLEDGE, T. W. שׁבע in: Willem A. V (Org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2011.

 

CLARKE, A. Clarke's Commentary: Genesis. Albany: Ages Software, 1999.

 

COPNHAVER, P. B. Names of God. In: Jeffrey, D. L. (Org.). A Dictionary of biblical tradition in English literature. Michigan: Eerdmans, 1992.

 

CHISHOLMC, B. R. Da Exegese à Exposição: guia prático para uso do hebraico bíblico. São Paulo: Vida Nova, 2016.

 

CRABTREE, A. R. Sintaxe do Hebraico do Velho Testamento. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1951.

 

DAVIDSON, R. Interpretação Bíblica. In: Deren, R. (Org). Tratado de Teologia: Adventista do Sétimo Dia. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011.

 

DESMOND, A. T. Do paraíso à terra prometida: uma introdução aos temas principais do Pentateuco. São Paulo: Shedd Publicações, 2010.

 

DOUKHAN, J. The Center of the Aqedah: a study of literary structure of Genesis 22. 1 – 19. Andrews University Seminary Studies, Spring, Vol. 31, No. 1, 17-28. 1993.

FOKKELMAN, P. J. Gênesis. In: Alter, R. Fokkelman, P. J. (Org.). Guia Literário da Bíblia. São Paulo: Editora da UNESP, 1997.

 

FURTADO, D. M. Introdução ao Hebraico Bíblico. 1ª Ed. Cambuci, SP: Editora Cultura Cristã, 2010.

 

GESENIUS, W.; Tregelles, S. P. Gesenius' Hebrew and Chaldee lexicon to the Old Testament Scriptures.Bellingham, WA: Logos Research Systems, Inc, 2003.

 

 

GIANOTTI, C. R. The Meaning of the Divine Name YHWH. Bibliotheca Sacra Volume 142. Dallas: Dallas Theological Seminary, 2002.

 

GOODER, P. The Pentateuch: A story of beginnings. Originally published: London: T&T Clark International, 2005.

 

HAMILTON, P. V. The Book of Genesis, Chapters 18|50. The New International Commentary on the Old Testament. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co, 1995.

 

HANS, K. L. Nosso Criador Redentor: introdução à teologia bíblica da aliança. 1ª Ed. Engenheiro Coelho, SP: Terceira Margem do Rio; Unaspress, 2016.

​​ 

HASEL, M. G. “No princípio”: a relação inseparável entre protologia e escatologia. In: Timm, R. A. Rodor, A. A. Dorneles, V. (Org.). O Futuro: entenda os últimos acontecimentos. Engenheiro Coelho, SP: Unapress, 2018.

 

HASEL, G. Interpretação Bíblica: princípios gerais. Brasília: Divisão Sul Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia. 1979.

 

JESKE, J. C. Genesis (2nd ed.). The People's Bible. Milwaukee: Northwestern House, 2001.

 

JONATHAN, L. Deity. In: Douglas M et al., (Org.). Lexham Theological Wordbook, Lexham Bible Reference Series. Bellingham: Lexham Press, 2014.

 

JOSEPHUSJ, F.; Whiston, W. The works of Josephus: Antiguidades. Peabody: Hendrickson, 1996.

 

KELLEY, H. P. Hebraico Bíblico: uma gramática introdutória. 9ª Ed. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2013.

 

METTINGER, D. N. T. O Significado e a Mensagem dos Nomes de Deus na Bíblia. Santo André: Academia Cristã, 2015.

 

MOUSHON, J. A. M. Divine Beings. In: Douglas Mangum (Org.). Lexham Theological Wordbook, Lexham Bible Reference Series. Bellingham: Lexham Press, 2014.

 

MOWINCKEL, S. The Name of the God of Moses. Hebrew Union College Annual Vol. 32. Bristol: Hebrew Union College - Jewish Institute of Religion,1961.

 

NEUSNER, J. The Babylonian Talmud: a translation and commentary. Peabody, MA: Hendrickson Publishers, 2011.

 

MÜNSTER, R. L. O Jovista: arauto da história da salvação. In: Schreiner, J. (Org.). O Antigo Testamento: um olhar atento para sua palavra e mensagem. São Paulo: Hagnos, 2012.

 

RAHLFS, A. Septuaginta. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2011. ​​ 

 

ROITMAN, A. Bíblia, Exegese e Religião: Uma Interpretação do Judaísmo. São Paulo: Editora Vida Nova, 2015.

 

ROBERTSON, O. P. O Cristo dos Pactos. 2ª Ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2011.

 

________________ Alianças. 1ª Ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2010.

 

SANT’ ANA, T. C. A Divindade do Anjo de YHWH. Estudos em Bíblia Hebraica e Judaísmo. 13/ out. 2018. Disponível em: < https://bhejudaismo.blogspot.com/2018/10/a-divindade-do-anjo-deyhwh-chandler.html> Acesso em: 16/ nov. 2018.

 

STEPHEN, F. N. מַלְאָךְ, In: Willem A. V. (Org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2011.

 

TARGUM. Targum Pseudo-Jonathan to the Pentateuch. Hebrew Union College, 2005.

 

TARGUM. Targum Onqelos to the Pentateuch. Hebrew Union College, 2005.

 

TERENCE, E. F. אֱלֹהִים, In: Willem A. V. (Org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2011.

 

______________ Javé. In: Willem A. V (Org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2011.

 

TUNER, L. Anúncio de Enredo em Gênesis. Engenheiro Coelho, SP: Unaspress: Terceira Margem do Rio, 2017.

 

WALTKE, K. B.; Cathi J. Fredericks, Gênesis: Comentários do Antigo Testamento. São Paulo: Cultura Cristã, 2010.

 

WALTKE, K. B.; M. O’Connor. Introdução à Sintaxe do Hebraico Bíblico. São Paulo: Cultura Cristã, 2006.

 

 

 

1

​​ Graduando em teologia pelo SALT – FADBA.

2

​​ Para um estudo detalhado da expressão hebraica ver Koehler Baumgartner (1999, pp. 246 – 247) e Gesenius W. (2003, pp. 224 – 225).

3

​​ Para um estudo detalhado da aliança Abraâmica ver. Hans Larondelle (2016, pp. 26 – 29) e Palmer Robertson (2010, pp. 33 – 53; 2011, pp. 107 – 138).

4

​​ Todas as citações das Escrituras são traduzidas diretamente da Bíblia Hebraica Stuttgartensia (1996).

5

​​ Texto traduzido do Targum Pseudo-Jonathan to the Pentateuch, 2005.

6

​​ Texto traduzido do Targum Onqelos to the Pentateuch, 2005.

7

​​ Todas as citações do Talmud Babilônico seguem a numeração de Neusner (2011).

8

​​ Ver em 2.5 os finais de 6d, 8b e 19d.

9

 ​​​​ Para mais detalhe sobre a utilização do verbo וַיְהִ֗י no início de uma narrativa ver. Chisholm, B. R. Da Exegese à Exposição: guia prático para uso do hebraico bíblico. São Paulo: Vida Nova, 2016.

10

​​ O texto usado da LXX para pesquisa é o de Alfred Rahlfs (2011).

11

​​ Para um estudo detalhado ver. Sigmund Mowinckel (1961); Tryggve Mettinger (2015) e Brian P. Copenhaver (1992).

 

Anterior A primazia de Cristo
Próximo As 2300 Tardes e Manhãs e a Hora do Juízo

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 686 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

FAQ - Dúvidas Frequentes 29 Comentários

Paulo ensinou a abolição do sábado em Colossenses 2:16?

Tradicionalmente, como igreja (adventista) ensinamos que os “sábados” mencionados por Paulo em Colossenses 2:16 se referem aos sábados “cerimoniais”, ou seja, festas Israelitas também chamadas de “sábados” (ver Lv 23).

Bons Debates 1Comentários

Todos os pecados são iguais aos olhos de Deus?

Fundamental para entendermos o problema do pecado é a distinção entre pecado (condição) e pecados (atos pecaminosos). O pecado é uma condição humana de alienação de Deus e um princípio interior

FAQ - Dúvidas Frequentes 0 Comentários

As 2300 Tardes e Manhãs e a Hora do Juízo

No livro do Apocalipse encontramos o anúncio de um juízo. Um juízo universal e de conseqüências eternas. Um dia Lúcifer disse que estava certo e Deus, errado. O Criador deu-lhe

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!