A origem *REAL* do Natal

A origem *REAL* do Natal

Neste vídeo falo sobre a origem *REAL* do Natal! Assista e compartilhe!

Inscreva-se no Canal! http://bit.ly/LeandroQYT

Leia mais aqui

Anterior Perguntas e Respostas sobre o Natal
Próximo “Não devemos celebrar o Natal porque os apóstolos não celebraram”

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 441 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Em defesa da fé cristã

Em 1 Pedro 3:15 o apóstolo nos convida a defender a fé cristã sempre que tivermos a oportunidade! Mas como fazê-lo? Neste vídeo dou algumas dicas importantes e em meus

As curas espirituais são reais?

Um conhecido médium brasileiro afirma fazer curas e cirurgias espirituais no nome de Deus. Muitos afirmam que os médiuns conseguem efetuar tais curas incorporando entidades espirituais. Esta prática espírita é

O Ministério da Morte

Qual é o “Ministério da Morte” que Paulo fala em 2 Coríntios 3:7? Alguns acreditam que sejam os 10 Mandamentos. É isso mesmo? Faço uma análise neste vídeo! Assista e

4 Comentários

  1. Petrick Araujo
    dezembro 24, 10:52 Resposta

    Bom dia irmão em Cristo!
    Admiro seu trabalho e vejo que tem sido uma bênção para muitos.

    Sobre este tema “Natal”, concordo com a irmã White que devemos usar o natal, mas não comemorar.

    Usar para evangelismo assistencial, como Mutirão de Natal, ofertas para campos missionários, etc. Usar para lembrar as pessoas a respeito de Jesus, o mais esquecido no natal popular. Usar o costume da troca de presentes para presentear livros que aproximem de Jesus e de Sua verdade e mensagem. Usar a ceia para, ao invés de glutonaria, levar alimento aos que não têm.

    Acho que faltaram em suas explicações estes textos também do capítulo 77, pág. 477, do Lar Adventista:
    “”Aproxima-se o Natal”, eis a nota que soa através do mundo, de Norte a Sul e de Leste a Oeste. Para os jovens, de idade imatura, e mesmo para os de mais idade, é este um período de alegria geral, de grande regozijo. Mas o que é o Natal, que assim exige tão grande atenção?”

    “O dia 25 de dezembro é supostamente o dia do nascimento de Jesus Cristo, e sua observância tem-se tornado costumeira e popular. Entretanto não há certeza de que se esteja guardando o verdadeiro dia do nascimento de nosso Salvador. A História não nos dá certeza absoluta disto. A Bíblia não nos informa a data precisa. Se o Senhor tivesse considerado este conhecimento essencial para a nossa salvação, Ele Se teria pronunciado através de Seus profetas e apóstolos, para que pudéssemos saber tudo a respeito do assunto. Mas o silêncio das Escrituras sobre este ponto dá-nos a evidência de que ele nos foi ocultado por razões as mais sábias.”

    Em especial, este texto que mostra o motivo pelo qual Deus não revelou o dia do nascimento: “Em Sua sabedoria o Senhor ocultou o lugar onde sepultou Moisés. Deus o sepultou e Deus o ressuscitou e o levou para o Céu. Este procedimento visava prevenir a idolatria. Aquele contra quem se haviam rebelado quando estava em serviço ativo, a quem haviam provocado quase além dos limites da resistência humana, era quase adorado como Deus depois de separado deles pela morte. Pela mesma razão é que Ele ocultou o dia preciso do nascimento de Cristo, para que o dia não recebesse a honra que devia ser dada a Cristo como Redentor do mundo…”

    Podemos ver que não é a vontade de Deus que o dia seja celebrado. Especialmente o dia 25/12, que é rodeado de mitos gnósticos, mitraístas e hoje comerciais. Acho que pode melhorar seu argumento dos anjos celebrando o nascimento. O fato daquele dia desconhecido ter sido celebrado não implica em sua celebração posterior. Isso seria uma falácia. O dia em que Cristo nasceu foi um grande dia com certeza, mas o aniversário dessa data não significa nada como vimos na revelação profética acima. Os anjos voltaram em algum dos aniversários de Jesus? Os pastores e magos voltavam a cada ano? Não.

    Acredito que seria mais claro o vídeo se incluísse essa ênfase do usar, mas não celebrar/comemorar/guardar.

    Lembro também que o mandamento substituto do Sábado no catecismo envolve não somente o domingo: “Guardar domingos e festas” – isso envolve os feriados católicos como o natal. De certa forma, os Adventistas e outros estariam guardando a lei católica em oposição ao Sábado quando guardam qualquer das festas católicas. O substituto do Sábado não é somente o domingo semanal, mas os “domingos” festivos. Assim como havia no antigo Israel o Sábado semanal, e os “sábados” festivos que eram os feriados e caiam em qualquer dia da semana. A substituição do Sábado pelo domingo atinge todos esses aspectos. Há uma contrafação satânica para as verdades bíblicas.
    Deus não quis ênfase no dia, o inimigo de Deus coloca ênfase exagerada no dia.

    Conselho de irmão para irmão: Sua posição hoje entre os membros da Igreja é de grande privilégio, mas também perigosa. Suas opiniões são tomadas por muitos como “dogmas”. “-Leandro Quadros falou….” soa às vezes como um “Assim diz o Senhor.”
    Isso não é sua culpa. O povo de Deus sempre foi propenso à idolatria. Não é diferente hoje. Seu destaque é bom e positivo, mas muitos acabam exagerando em sua admiração e desvirtuando seus propósitos.
    Seria bom que tentasse algo mais enfático para evitar isso, no sentido de evidenciar que é sua opinião, e tentar se desvencilhar dessa admiração exagerada de alguns. Assim como o anjo se desvencilhou do curvar-se de João.

    Oro por seu trabalho e pelo trabalho da Igreja para prepararmos um povo que esteja em pé quando Cristo voltar para nos buscar!
    Deus nos abençoe!

  2. Fátima
    dezembro 13, 20:15 Resposta

    Temos que comemorar o nascimento e a morte de Jesus, mas não concordo com as datas, pois isso pra mim não passa de comércio

  3. Patrick Washington
    janeiro 07, 13:37 Resposta

    O que é isso,meu caro amigo?Quanta estupidez!!Me desculpe mas sua explicação aí está longe de ser plausível.O que que a luz tem haver com a escuridão?

    • Leandro Quadros
      janeiro 07, 18:02 Resposta

      Caro Patrick: nada há de estupidez no que escrevi. Se provar-me com fontes sérias que errei, não terei receios em reescrever o texto. Porém, preciso de provas e fontes históricas confiáveis.

Deixe seu Comentário