Alma vivente

Alma vivente

“Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego da vida, e o homem passou a ser alma vivente.” – Gênesis 2:7

Quando Deus criou Adão o fez do pó da terra e depois soprou nele o “fôlego da vida”. Perceba que Deus não soprou uma alma com formas ou um espírito com intelecto. Foi a união ou a introdução do fôlego soprado pelo Espírito Santo na estátua de barro feita por Deus que o homem surgiu com vida.

Deus usou pouco mais de 16 elementos tirados do “pó da terra” para formar o corpo de Adão. Qualquer coisa que o homem come vem da terra. Há cerca de 1.700 referências bíblicas sobre “alma” e “espírito”, mas nenhuma delas se refere a uma “alma” ou a um “espírito” imortal, indestrutível, eterno e que se liberte do corpo para continuar existindo consciente e com as formas humanas ou de animais como querem os que crêem na reencarnação. O homem não tem uma alma que pode viver fora do binômio corpo e espírito. Na Bíblia o homem com vida é chamado de “alma vivente”. Assim foi Adão e depois Eva e somos todos nós. Às vezes a Bíblia usa a palavra “alma” para se referir à parte intelectual do homem.

O espírito ou fôlego de vida ou respiração é o que Deus deu para a Adão quando o criou, e o que dele retirou 930 anos depois, quando morreu. Salmo 104:29, ensina que se Deus corta “a respiração, morrem e voltam ao pó.” Todo ser vivente incluindo os animais têm o mesmo fôlego de vida (Gênesis 1:30; 7:21 e 22; Eclesiastes 3:19-21).

No campo da natureza humana, a alma é a parte que peca e morre por causa do pecado. É neste particular que o homem é diferente dos animais e fica parecido com o Criador. O homem tem uma mente inteligente que pensa, escolhe, decide, ama e espera.

A alma nesse contexto não é o espírito e não deve ser confundida com o fôlego de vida. A alma também mencionada como mente e coração é na verdade a parte intelectual do homem, a faculdade que Deus tem; por isso podemos amar como Deus ama (Provérbios 23:7; I João 4:8) e crer e confiar nas promessas divinas. Uma destas promessas tem que ver com a restauração da nossa natureza pecadora para a gloriosa e eterna quando Jesus voltar.

Mas agora, amigo ouvinte, podemos desfrutar desta nova natureza nascendo de novo em Cristo Jesus. A única condição é termos “a mente de Cristo”, isto é, “vivermos como Ele viveu, tendo fé de que cumprirá o que prometeu se caminharmos com Ele até que tudo seja uma realidade” (I Coríntios 2:16).

Autoria desconhecida

Livro O Espiritismo Segundo a Bíblia: guia prático de estudos bíblicos

De maneira didática e respeitosa, o autor aborda em nove lições bíblicas os cinco pilares do espiritismo: reencarnação, o estado do homem na morte, a lei do karma, os médiuns e a lei da evolução.
Além disso, você conhecerá as diferenças entre aquilo que a Bíblia e o espiritismo ensinam sobre a Pessoa de Jesus Cristo. E terá argumentos importantíssimos para auxiliar amigos espíritas que tanto precisam conhecer mais de perto a Jesus Cristo.

Anterior O ser humano foi criado mortal ou imortal?
Próximo Os Mortos Tremem Debaixo das Águas? – Jó 26:5

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 595 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 43 Comentários

O “oitavo rei”: a interpretação de Apocalipse 17 que não acerta uma

Por Nelson Wasiuk, apresentador do programa “En La Mira da La Verdad”. Tradução: Filipe Reis   Desde que João Paulo II morreu em 2005, uma interpretação diferente de Apocalipse 17: 9-11

Sem categoria 3 Comentários

A natureza humana de Jesus (Entrevista Dr. Amin Rodor)

Como poderia Jesus ser realmente nosso substituto, a oferta vicária pelo pecado, se Ele fosse exatamente como nós, em Sua natureza moral e espiritual?

Processo de doação de sangue é simples e salva vidas

Doar sangue é uma maneira de ser solidário. Pensando nisso, o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, dentro da filosofia do projeto Vida por Vidas, promove duas vezes ao ano uma oportunidade para que os alunos exerçam solidariedade.

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!