Crônicas para a Alma

“Cirurgia não te converte em uma mulher”, assegura ex-transexual arrependido

Heyer contou a sua história durante uma conferência do apostolado Courage, em Phoenix (Estados Unidos) entre 9 e 11 de janeiro, na qual estiveram presentes dezenas de membros do clero e apostolados de todo o país que buscam servir melhor às pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo ou enfrentam o tema da transexualidade.

Heyer recordou o momento no qual começou a querer ser menina: aos quatro anos sua avó o obrigava a colocar vestidos e, inclusive, fez um vestido para ele.

Isto foi um segredo que ele não contou para os seus pais, a pedido da sua própria avó.

Falo mais do assunto aqui:

 

“A partir deste vestido, começou uma vida cheia de disforia de gênero, abuso sexual, alcoolismo, drogas e, finalmente, uma cirurgia de mudança de sexo desnecessária. A minha vida foi destruída por um adulto de confiança que gostava de me vestir como uma menina”, assegurou em seu testemunho.

Aos 7 anos, Heyer levou para a sua casa aquele vestido e escondeu em uma das suas gavetas. Pouco tempo depois, a sua mãe o encontrou e repreendeu o menino. Nesse momento, ele decidiu contar para os seus pais que a sua própria avó o vestia como uma menina durante anos.

Os pais de Heyer não tinham o vocabulário ou recursos para saber como lidar com esta situação. Seu pai reagiu com medo e tomou serias medidas disciplinares.

O tio de Heyer ficou sabendo desta história e começaram a zombar dele. Eventualmente, abusou sexualmente do menino.

“Vemos que as pessoas que têm pensamento desordenado estão sofrendo. O problema é que não sabemos o que devemos fazer com eles”, disse Heyer.

O desejo de ser uma mulher – de ser mais do que o menino maltratado e ferido – permaneceu com Heyer durante a idade adulta, apesar de ser casado com uma mulher e ter dois filhos.

Aos 42 anos, fez uma operação de mudança de sexo e pediu aos seus amigos o chamassem de Laura Jensen.

“Tudo começou como uma fantasia e continuou do mesmo modo, porque a cirurgia não te converte em uma mulher. Não é mais autêntico do que uma falsificação de 20 dólares. Não se pode mudar biologicamente um homem para uma mulher”, detalhou.

Em sua conferência, Heyer assegurou que o que a igreja deve fazer é desafiar com delicadeza, mas ao mesmo tempo com firmeza as pessoas, em vez de apoiá-las na disforia de gênero.

“Se os apoiamos na mudança de gênero, na verdade, estamos sendo desobedientes a Cristo, porque não estão vivendo de acordo com o que eles são. Deus criou o homem e a mulher”, assegurou.

Também disse que os sacerdotes e aqueles que estão no ministério na Igreja precisam se informar melhor a respeito das consequências físicas e emocionais a longo prazo da cirurgia de mudança de sexo.

“Porque não estamos falando das consequências. Apenas estamos falando da transição, que se vê clara entre 8 e 10 anos”, mas – assegurou – nessa idade muitas pessoas querem voltar ao seu sexo original.

Depois de aproximadamente 10 anos e uma experiência de conversão, Heyer lamentou pela sua cirurgia e queria viver novamente como um homem.

Atualmente, dirige um site chamado sexchangeregret.com, por meio do qual centenas de pessoas se comunicam com ele a cada ano, compartilhando suas próprias experiências que são parecidas com a dele.

 

Clique nesta imagem para ir ao site e conhecer o conteúdo do áudio livro

Fonte

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *