Como entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17?

Como entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17?

Alberto R. Timm

Como o conteúdo de Marcos 16:9-20 não aparece nos manuscritos gregos mais antigos e melhores, especialistas em crítica textual do Novo Testamento têm sugerido que o evangelho de Marcos terminava, originalmente, com o verso 8 do capítulo 16. Diante disso, se poderia argumentar que o texto de Marcos 16:17 não compartilha da mesma autoridade canônica que o restante do Evangelho.

Mas independente de aceitarmos ou não o conteúdo de Marcos 16:9-20 como parte do Cânon Sagrado, é importante observar que, na expressão “novas línguas” de Marcos 16:17, o termo original grego para “novas” é kainós (novas línguas para quem fala) e não néos (línguas até então desconhecidas). Isso significa, portanto, que essas “novas línguas” dizem respeito às mesmas línguas de nações mencionadas em Atos 2:4 como “outras línguas”, plenamente compreensíveis às respectivas pessoas que as reconhecem como suas línguas maternas (At 2:6, 8 e 11).

O fato de Mateus 16:17 colocar o dom de falar em “novas línguas” como parte dos “sinais” que haveriam de acompanhar aqueles que cressem, não significa que esse dom deveria ser concedido a todos os crentes em todas as épocas e lugares. Assim como os cristãos não haveriam, obviamente, de pegar “em serpentes” todo tempo (verso 18), também não é de se esperar que eles devessem falar sempre em “novas línguas”. Além disso, Paulo esclarece que o dom de línguas é dado apenas a alguns crentes, havendo uma necessidade concreta que justifique a sua manifestação (ver 1Co 12:4-11, 28-30).

Clique nesta imagem para ir ao site e conhecer o conteúdo do áudio livro

Anterior Há alguma semelhança entre nós e o templo como habitação de Deus?
Próximo O que a Bíblia diz sobre o anticristo?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 686 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 0 Comentários

Haverá arrebatamento secreto antes da volta de Jesus?

Mateus 24:38-44 diz: “Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o

Bons Debates 9 Comentários

Trump, Jerusalém e o cumprimento profético

“Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel e colocou o mundo em alerta”. Este é o título de uma coluna publicada no dia 7 de dezembro no portal digital

Bons Debates 0 Comentários

Deus mandou matar pessoas inocentes? 2 Samuel 21

É difícil entender a Bíblia. Por que os descendentes de Saul foram mortos sendo que eles nada tinham a ver com a maldade dele? Realmente há na Bíblia textos mais

2 Comentários

  1. Marcelo Gagliasso
    junho 05, 15:04 Resposta

    Amigo, vc está totalmente equivocado em relação ao significado para palavra grega 2537 kainov kainos

    de afinidade incerta; TDNT-3:447,388; adj

    1) novo
    1a) com respeito \a forma
    1a1) recentemente feito, fresco, recente, não usado, não surrado
    1b) com respeito \a substância
    1b1) de um novo tipo, sem precedente, novo, recente, incomum, desconhecido

    Sinônimos ver verbete 5852 & 5935

    neov é o novo quando contemplado sob o aspecto do tempo, aquilo que tem recentemente vindo \a existência.

    kainov é o novo sob o aspecto da qualidade, aquilo que ainda não passou por revisão ou reparo. kainov, então, muitas vezes significa novo em contraste com aquilo que decaiu com a idade, ou gastou, sendo seu oposto palaiov. Algumas vezes sugere aquilo que é pouco incomum. Implica freqüentemente em louvor, o novo como superior ao velho. Ocasionalmente, por outro lado, implica o oposto, o novo como inferior \aquilo que é velho, porque o velho é familiar ou porque aperfeiçoou-se com a idade. Claro que é evidente que ambas neov e kainov podem ser algumas vezes aplicadas ao mesmo objeto, mas de pontos de vista diferentes.
    Fonte: Dicionário de Strong

    Então, podemos ter kainos em relação as línguas como: uma língua não usada, mas já existente no mundo espiritual (1 Co 13.1), de um novo tipo para o Homem (espiritual), sem precedentes e incomum.

    Que Deus lhe abençoe…

  2. zilda
    abril 18, 18:42 Resposta

    Eu também não aceito essas línguas que falam sem ninguém interpretar, está muito claro, Paulo diz que tem que ser interpretada a palavra em línguas estranhas. Está tudo
    tudo errado, que espíritos são esses que o povo está recebendo?

Deixe seu Comentário