Como entender Apocalipse 13?

Como entender Apocalipse 13?

Apocalipse 13 é um texto simbólico profético que faz menção às duas bestas: a que emerge do mar e a que emerge da terra. A palavra “besta” em profecia representa poder religioso ou político”.

Antes de buscarmos o entendimento acerca de Apocalipse 13, é bom compreendermos que as profecias apocalípticas estão intimamente relacionadas com as profecias de Daniel. Uma lança luz à outra. Logo, o estudo do livro de Apocalipse deve ser comparativamente feito com o livro de Daniel. Além disso, é bom frisarmos que o método de interpretação bíblica para as profecias é o método historicista, no qual compara-se a história com a Bíblia. Para uma maior compreensão deste extenso assunto, sugerimos para o seu estudo particular a leitura de dois importantes livros: Uma Nova Era Segundo as Profecias de Daniel e Uma Nova Era Segundo as Profecias do Apocalipse.

Em resumo, Apocalipse 13 é um texto simbólico profético que faz menção às duas bestas: a que emerge do mar e a que emerge da terra. Tendo em vista que a palavra “besta” em profecia significa “poder religioso ou político”, podemos concluir que a primeira besta representa um poder religioso e a segunda besta, um poder político. Apocalipse 13 menciona a união entre essas duas bestas formando um poder político religioso. Estudando a fundo as profecias chegamos à conclusão que a primeira besta representa o sistema religioso papal e a segunda os Estados Unidos da América.

Em 28 de Abril de 2011 saiu uma reportagem na Revista Veja sobre uma declaração da Hillary Clinton, Secretária de Estado americana, dizendo o seguinte: “Os Estados Unidos têm interesse em ser um aliado do Vaticano, de acordo com documentos revelados pelo site Wikileaks e antecipados pela revista italiana L’Espresso. Segundo os documentos, a secretária de Estado americana Hillary Clinton teria orientado embaixadores e diplomatas do país a criarem uma página na internet para acompanhar as novidades do governo pontifício. “O Vaticano pode ser uma potência aliada ou um inimigo ocasional. Devemos fazê-lo ver que a nossa política pode ajudá-lo a avançar em muitos princípios“, orientou o Departamento de Estado.1

Os Estados Unidos consideram o Vaticano um modelo a ser estudado com atenção, pois trata-se de uma armada impressionante: 400 mil sacerdotes, 750 madres, 5 mil monges e frades, relações diplomáticas com 177 países, três milhões de escolas, 5 mil hospitais, braço operativo de Caritas com 165 mil voluntários e dependentes que prestam assistência a 24 milhões de pessoas. O Departamento americano ainda apontou que a relação do país com o governo pontifício deve ser construída com cuidado. 2

Isso está em conformidade com o que está escrito em Apocalipse 13:15-17. Uma imagem é algo que lembra muito bem uma outra coisa. Se um jovem tem a mesma imagem do pai, é porque ele se parece muito com o pai. A besta- leopardo recebeu autoridade do grande dragão. Houve uma união da Igreja e do Estado que destruiu a liberdade religiosa. Vemos poderes em atividade para restringir nossas liberdades. Pessoas religiosas estão clamando que os Estados Unidos são um país muito secular. Essas pessoas pensam que o remédio é uma federação de igrejas com poder governamental. Se a igreja não pode salvar o povo por meio da pregação do evangelho, ela vai tentar conseguir isso através da política e da força. 3

Quais serão uma das formas de se concretizar isso? Veja uma declaração do Papa Bento XVI apresentada pela Revista Época em Outubro de 2011: “O Vaticano anunciou [na] quarta-feira ter preparado um documento para a reforma do sistema financeiro internacional no qual convoca a criação de uma “autoridade pública com competência universal”. O documento será apresentado na segunda-feira à imprensa e foi elaborado pelo Conselho Pontifício Justiça e Paz, liderado pelo cardeal africano Peter Kodwo Appiah Turkson. “A reforma do sistema financeiro internacional na perspectiva de uma autoridade pública de competência universal” é o título do documento, que ainda não teve seu conteúdo divulgado.

O Vaticano apresenta assim propostas concretas perante a crise econômica e social que afeta o mundo desde 2008. Bento XVI se pronunciou em diversas ocasiões a favor de uma “intervenção pública” e denunciou o sistema econômico atual e suas consequências sobre os setores mais pobres da população, em particular os camponeses. “A crise financeira mundial demonstrou a fragilidade do sistema econômico atual e das instituições a elas conectadas”, declarou o Papa em abril. Para o chefe da igreja, é “um erro considerar que o mercado é capaz de se auto regular, sem a necessidade de uma intervenção pública e sem referências morais internacionais”, escreveu. […] Em julho, o Papa condenou firmemente a “especulação financeira” com alimentos. “O quadro internacional e as frequentes preocupações causadas pela instabilidade, junto com o aumento dos preços dos alimentos, requerem propostas concretas e necessariamente unitárias para obter os resultados que os Estados não podem garantir individualmente”, ressaltou na época 4. Sabemos que o mundo está passando por uma grande crise mundial, principalmente Estados Unidos e os países da Europa.

E a conclusão que muitos países europeus estão chegando é que para haver uma estabilidade financeira será necessário estabelecer um dia de guarda e de repouso para isso 5. E pelas profecias sabemos que será o domingo em lugar do sábado bíblico (Apocalipse 7:1-3; Isaías 8:16; Êxodo 20:1-17). Historicamente falando na Bíblia o selo possuía três características: nome, jurisdição (domínio, território) e a função ou cargo (Ester 8:10). Essas características são encontradas no quarto mandamento (Ezequiel 20:12,20). Mesmo que não tenhamos datas pré-estabelecidas, podemos perceber que as profecias estão se cumprindo. Ao domingo ser estabelecido como dia oficial de repouso, os guardadores do sábado serão perseguidos e sofrerão severas medidas para que haja conformidade. Os cristãos enfrentarão um boicote de alcance mundial. Os que se recusarem a alinhar-se com essa confederação político religiosa serão considerados dissidentes. A eles serão negados emprego e sustento. Mas Deus cuidará deles. Isso é o que representa o não comprar e nem vender.

O sinal na mão direita e na testa significa que muitos aceitaram o falso dia de descanso por livre e espontânea vontade, ou seja, com plena consciência e outros aceitarão pela força das circunstâncias por não querem perder o trabalho, ou seja, por conveniência.Todas as profecias bíblicas têm apontado que a história do mundo está se aproximando do seu fim, Mateus 24 tem nos mostrado os sinais na natureza, na sociedade, no mundo religioso. Quando em Mateus 24:29, por exemplo, onde menciona sobre o sol e a lua isso é um texto literal que aconteceu em 19 de maio de 1780.

Isso tudo nos mostra a importância de nos prepararmos a cada dia para a breve volta de Jesus e estudarmos as Escrituras, principalmente as profecias para não sermos pegos de surpresa.

Biblia.com.br

_______________

Referências:

Livros: Uma Nova Era Segundo as Profecias de Daniel e Apocalipse. Editora: Casa Publicadora Brasileira (CPB).

1. veja.abril.com.br/noticia/internacional/estados-unidos-querem-se.

2. Idem.

3. Livro: Apocalipse verso por verso, Autor: Henry Feyerabend, p. 109-120.

4. criacionismo.com.br/2011/10/vaticano-elabora-plano-de-reforma

5. noticias.terra.com.br/mundo/europa/vaticano-elabora-plano-de-reforma-economica-mundial

Anterior O que são os 42 meses ou 1260 dias de Apocalipse 12 e quando se cumpriram?
Próximo O que a Bíblia diz sobre a graça?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 498 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 3 Comentários

As leis de alimentação de Levítico 11 não mais estão em vigor?

Ao estudarmos Levítico 11, podemos pontuar algumas coisas importantes: 1. O capítulo é formado de seis seções principais. Cada seção se inicia usando a palavra estes, esses, esta (vs. 2,

Apologética Cristã 2 Comentários

O rico e Lázaro, o seio de Abraão e o tormento dos ímpios

Muitos acham que a parábola representa os mortos como indo para um estado intermediário ou tormento eterno, onde os justos são tratados amorosamente por Abraão, num lugar denominado “seio de

Apologética Cristã 0 Comentários

A lei e os profetas

“E, começando por Moisés (Lei), discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a Seu respeito constava em todas as Escrituras” (Lucas 24:27). Quando Jesus fala acerca da lei e

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!