Aconselhamento EspiritualSexualidade

Como lidar com a dor do abuso sexual

Fui abusado sexualmente e estuprado mais de uma vez por dois familiares meus. Sinto até hoje enorme culpa e profundo ódio, e não sei como Deus vê isso. Quando contei aos meus familiares, zombaram de mim e disseram que eu era gay. Tenho pensamentos obsessivos em relação ao sexo, e isso me machuca muito […] Por favor, me ajude – Anônimo.

Fiquei com muita pena de você ao ler um relato tão triste sobre sua vida. Nestas horas, sinto muito não haver neste País corrupto a pena de morte, segundo a Bíblia o permite (executada apenas por autoridades constituídas – Rm 13:1-4), para as “pessoas”[i] assassinas que abusaram sexualmente de você e lhe estupraram:

“Se, contudo, um homem encontrar no campo uma jovem prometida em casamento e a forçar [incluindo, obviamente, uma criança, adolescente ou outro homem], somente o homem morrerá. Não façam nada à moça, pois ela não cometeu pecado algum que mereça a morte. Este caso é semelhante ao daquele que ataca e mata o seu próximo” (Dt 22:25, 26).

Se eu fiquei com raiva, muito mais você tem razões para ter revolta, ira, dor, e desejo de vingança. Deus lhe entende.

Uma das coisas importantes que mencionou em seu e-mail foi que se sente “culpado” pelo abuso. Digo que essa afirmação é significativa porque me possibilitará lhe ajudar a compreender algo da dinâmica do abuso sexual.

O amigo sente essa culpa porque a mente infantil não consegue separar as coisas. A criança, quando maltratada pelo pai, mãe, ou abusada por pessoas mais velhas, “sente” que tudo ocorreu por culpa dela. Além disso, as sugestões do abusador, e a falta de ajuda por parte dos pais contribuem para aumentar esse sentimento gerando dor, amargura, ansiedade, frustração e baixa autoestima.

Porém, você nunca foi o culpado pelo que aconteceu. Foi uma vítima do pecado como muitas outras crianças o foram (e o são). Os maiores culpados na história foram seus pais e irmãos que, infelizmente, além de não lhe protegerem (refiro-me aqui mais especificamente aos seus pais), se deixaram usar pelo Diabo para destruir sua autoestima, ao invés de reconstruí-la e tomar as devidas providências legais contra os estupradores.

Afinal, como um pai e uma mãe maduros ridicularizarão um filho – e na frente dos irmãos! – por este ter sido abusado por um primo maior?! Não é de admirar que não tenha se sentido à vontade para falar-lhes do outro estupro que veio a sofrer aos 13 anos de idade. Seus pais, infelizmente, não são dignos da confiança dos filhos para ouvir sobre os problemas deles.

Por isso, cuide de você mesmo. Seja seu próprio pai e sua própria mãe. Cuide de sua criança interna com palavras de afirmação, amor, aceitação, compreensão, carinho. Essa postura consigo mesmo registrará coisas boas na sua mente.

Vamos falar sobre seus pensamentos.

O Senhor sabe que você não tem culpa alguma pelos tipos de pensamentos que vêm à sua mente. Por isso, não se martirize. O Criador não olha para o amigo do mesmo modo que vê outra pessoa que nunca foi violentada e que, portanto, tem uma mente mais saudável. Jamais perderá sua salvação, pois o sangue de Cristo é infinitamente mais poderoso do que aquilo que lhe incomoda em sua mente!

Vou lhe dar algumas dicas.

1) Aceite sua limitação. Parece contraditório, mas, quanto mais aceitarmos nossas limitações, mais libertos seremos delas. Isso porque não nos pressionaremos tanto e as esquecemos por certos momentos – o que facilita e muito a vida! O amigo não pode mudar seu padrão mental de uma hora para outra e, talvez, não o consiga fazê-lo totalmente. Entretanto, o Senhor o aceita com aquilo que pode oferecer a Ele e isso é o que mais importa.

Portanto, é possível que fique com algumas sequelas. Porém, com o passar do tempo em que o irmão for submetido à psicoterapia, a intensidade dos pensamentos diminuirá. Não deixe de investir em terapia, pois tem uma carta muito pesada para ser levada sem ajuda profissional.

Sempre que os pensamentos lhe assaltarem, lembre-se de que o Senhor lhe entende, perdoa e sabe que foram os abusos (sexual e verbal), a insegurança e o sentimento de abandono que criaram esses caminhos neurais “fora de rota” em sua mente. Esses caminhos “fora de rota” o fazem até mesmo a masturbar-se com mais facilidade que uma pessoa que não foi abusada. Repito: Deus compreende sua situação, e acrescento que Ele o ama muito.

Apegue-se à graça dEle todos os dias, pois o Criador promete lhe sustentar! “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim” (2Co 12:9).

2) Viva sua vida com Cristo, como tem feito e, quando vierem as lembranças ruins, dialogue com o EU:

Fulano (fale seu nome!), estou com você. Ninguém mais abusará de nós. Cuidarei de ti, menino. Deus nos compreende e sabe que não temos culpa alguma.

Esse diálogo como o eu é fundamental para sua mente conseguir registrar que você se ama e se perdoa, e que o “Eu adulto” está apoiando e cuidando do “Eu infantil”, que está ferido e precisa de amor, carinho e cuidados. Tenha certeza de que essa atividade diária contribuirá muito para seu processo cura!

3) Escreva num papel toda a raiva (mesmo que saiam palavrões) que sente dessas pessoas assassinas. Inclusive a mágoa que tem dos pais e irmãos que, na época, foram extremamente ignorantes e insensíveis em lidar com você. Em seguida, queime esse papel. Esse desabafo será uma válvula de escape para que a pressão de sua mente diminua.

4) Faça a terapia do perdão com seus pais e irmãos. Diga a você mesmo, ou escreva: “eu perdoo vocês por não terem me ajudado e me ridicularizado quando contei que fui abusado”. O registro desse perdão na mente será terapêutico. Todavia, não se cobre por um perdão rápido. Dê tempo a si mesmo.

5) Tenha uma vida sexual satisfatória com o cônjuge (1Co 7:2-5). Cuidar da sexualidade é muito importante, pois, satisfeito física e psicologicamente, menos sua mente irá para outros caminhos.

Se o trauma do abuso estiver atrapalhando sua vida sexual, busque imediatamente auxílio psicoterápico. Você conseguirá resolver isso com ajuda divina e profissional.

6) Pratique atividade física. Ela é vital para que nossa mente vá adquirindo mais força para dominar os pensamentos: “O proporcionado esforço das faculdades mentais e físicas evitará a tendência aos pensamentos e atos impuros […] O exercício […] é maravilhosa salvaguarda contra a sobrecarga do cérebro”.[ii]

É impossível que pessoas, especialmente que tenham sido abusadas, vivam felizes e se recuperem do trauma sem atividade física regular.

7) Evite alimentos estimulantes do cérebro como o café, chá-mate, refrigerantes e carnes  (quanto menos carne comer, melhor). A temperança no comer (tirando da dieta o prejudicial e comendo com moderação aquilo que é saudável) também facilita muito o trabalho da mente em dominar as paixões sexuais. Coma verduras e use diariamente frutas, legumes e castanhas. Além disso, beba bastante água e evite ao máximo frituras e açúcar refinado – um baita veneno.

8) Invista o que for preciso para fazer terapia. Não há como curar traumas tão profundos sem ajuda profissional. Com certeza, esse será um dos melhores investimentos de sua vida depois de sua comunhão com Deus, de seu casamento e da atividade física.

9) Quanto tiver quedas em relação à pornografia, peça perdão a Deus e creia que Jesus lhe purifica imediatamente após o ato da masturbação (1Jo 2:1, 2). Ele sabe que sua luta é mais dura que a de outros, e será paciente com você ao longo do processo de cura, restauração e santificação. Viva pela fé (Rm 1:17) e contemple a Jesus, não a você mesmo (ver Hb 12:2). Olhe somente para a cruz e nunca perderá a esperança (1Co 2:2). Seu problema não é capaz de fazer Deus lhe amar menos!

[Antes de postar esse artigo orei por todos vocês que um dia foram abusados, amigos leitores] Deixo um texto para reflexão:

“Jesus, nosso Advogado, está familiarizado com todas as circunstâncias que nos envolvem, e trata conosco de acordo com a luz que temos e as situações em que fomos colocados [há os que foram abusados ou tiveram uma criação difícil] Alguns possuem melhor constituição [genética, física e psíquica] que outros. Enquanto uns estão continuamente atormentados, aflitos e em dificuldades por causa de seus desditosos traços de caráter, tendo de guerrear contra inimigos internos e a corrupção de sua natureza, outros não têm nem a metade dessa batalha”.[iii]

Percebeu? Deus entende suas limitações e lhe valoriza muito pelo que pode oferecer-Lhe, mesmo que seja limitado quando comparado a pessoas que nunca foram abusadas e têm melhores condições psicológicas! Creio nisso e viva em paz! Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1)

Saúde! (3Jo 2)

REFERÊNCIAS

[i] Ou melhor, “demônios”. Não chamarei tais abusadores de “animais” para não ofender as pobres criaturinhas.

[ii] Ellen G. White, Mente, Caráter e Personalidade, vol. 1 (Tatuí, SP. Casa Publicadora Brasileira, 2001), p. 120.

[iii] Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, vol. 2 (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2005), p. 74.

Tags:

9 comments

  1. Nossa, me tirou um peso ler esse artigo, fui abusada durante a infância, por pai, tio, desconhecido, e sempre me senti culpada, tbm tenho transtornos sexuais citados no artigo, e acredito as vzs q é em decorrência destes abusos!! É muito triste isso, mas os perdoei, e me sinto culpada por os ter perdoado e hj manter um relacionamento normal, pois hj sei me defender né!! Mas com certeza, isso é algo q não sai da mente nunca mais, cuido muitoooo minha filha de 11anos ,muitas vzs ela nem entende muitas coisas q eu a proíbo perto dos meus familiares e desconhecidos!!Oq eu mais queria era q meu pai conhecece a Jesus, pra q ele pudesse receber perdão, e não o castigo q virá caso ele não se arrependa, enfim, a eternidade dirá!! Muito obrigada Leandro por seus artigos!! Deus nos abençoe e tenha misericórdia desses abusadores, e proteja as crianças desse terrível mal q é muitíssimo comum!!

    1. Oi, Gabriela:

      Fico revoltado ao ler o depoimento de cada vítima desses criminosos, e ao mesmo tempo sensibilizado pelo sofrimento que passou. Orarei por você antes de dormir.

      Parabéns pela superação e por cuidar de sua filha! Deus recompensará seus esforços.

      Nunca se esqueça de que o Espírito Santo entende suas limitações e transtornos sexuais decorrentes dos abusos. A graça dEle a fortalecerá e completará aquilo que lhe falta. Confie em Jesus, pois Seu amor por você é infinitamente maior do que as consequências do pecado sobre sua vida. Ele a ama e jamais a desamparará por causa de tais transtornos (Jo 6:37).

      Siga as dicas que dei, especialmente a busca pela psicoterapia. Você merece ser feliz.

      Graça e paz!

  2. Texto muito bom,sofri algo nesse sentido quando criança, durante muito tempo sofri calada pois não tinha coragem de falar, fui uma criança rebelde e decepcionei minha mãe em muitos momentos,não entendia que era por culpa do sentimento que tinha dentro de mim,depois de muita luta (sozinha)eu digo que hj eu consegui superar,não lembro mais com ódio das pessoas que fizeram isso,e creio que Deus me ajudou,mas ainda sofro com alguns sintomas e não entendia pq,agora lendo esse texto entendi pq tenho alguns pensamentos, vou seguir essas dicas e melhorar ainda mais
    Obrigada prof. Leandro…Deus o abençoe

    1. Oi, Raquel:

      Lamento você ter sido mais uma vítima desse crime hediondo. Parabéns por sua resiliência e por trabalhar para encontrar sua cura!

      Fico contente em saber que o texto lhe ajudou a entender melhor certos sintomas que apresenta – dos quais não é culpada. Por falar nisso, você nunca decepcionou sua mãe. Pelo sofrer psíquico que passou, você foi uma filha muito além do que muitos pais gostariam de ter.

      Conte comigo sempre. Um abraço e que Deus lhe dê a paz que precisa (João 14:27 e 16:33).

  3. olá, Pastor Leandro Quadros!Fui abusada quando criança por dois primos.Na época eu tinha cinco anos e um deles tinha OITO e o outro era um pouco mais novo.Também acredito que fui molestada pelo meu padastro quando tinha dois anos de idade.Não tenho muita certeza do que aconteceu,quando tinha dois anos.Mas,lembro que falei pra ele que se não parasse de me tocar falaria pra minha mãe.Pois ela havia saído e me deixado sozinha com ele.também sofri assedio da parte do mesmo primo que abusou de mim quando EU era criança.Da parte do que tinha OITO anos de idade eu na época tinha 14 anos e ele uns 17 para 18 anos.Sofri assedio também do meu padrasto na juventude quando já tinha meus 23 anos.Hoje,eu não tenho com quem conversar Pastor.Não tenho amigos e sinto muita vergonha de mim,pois nunca encontrei alguém do sexo masculino pra namorar nunca namorei na vida,não que isso seja fundamental,mas pelas coisas que sofri sinto uma necessidade de ter minha família de ser mãe de ser normal,me cobro muito nesse aspecto.Quero ser amada,respeitada.Mas,infelizmente apesar de tudo que aconteceu eu ainda sofro preconceito pois sou diferente do padrão social.Hoje tenho 26 anos quase 27 anos,minha vida não anda.As pessoas na família pedem para eu esquecer e seguir em frente.Mas não sou uma máquina para me formatarem e apagar os reflexos do abuso que ficaram em mim.hoje tenho depressão profunda,já cheguei a pesar 61 quilos por causa de transtorno alimentar.Eu tenho 1,83 de altura.Tenho ódio de mim ontem mesmo dia 09,eu me bati por raiva de ser tão mal tratada,das lembranças horríveis ele fazia eu fazer sexo oral nele.Apesar de ser “criança” como alguns querem dizer que ele era ele já ejaculava e fazia isso dentro da minha boca tenho nojo de mim.Como alguém que é criança faz algo assim?Ele ainda chamava os amigos dele pra eu fazer a mesma coisa com eles.fui abusada por varias pessoas.Na escola eu apanhava dos meninos,eles me chutavam tanto que eu chegava com as canelas roxa em casa,toda machucada.Como disse antes ainda sofro preconceito até hoje,as pessoas olham para o meu pé pois calço 42.Os homens fazem pouco de mim,dizem que vão me arrumar namorado,parece que está na cara e estou sozinha há vida toda minha área sentimental é devastada,já pensei até em namorar meninas,apesar de não sentir atração pelo mesmo sexo.Hoje,eles tem família filhos o mais velho que tinha 8 anos é filho de uma tia rica que tenho tem tudo que quer isso não me incomoda,mas sim o fato de eles terem se desenvolvido e eu não.quando sofri abuso quando tinha meus 14 anos a irmã do outro primo que junto com o de OITO anos tinha abusado de mim estala la na hora e ficou sorrindo de mim.Hoje ela esta casada e é formada e marido dela também.são pessoas medíocres.vivem postando fotos no face book para mostrar a” vida perfeita”.Não tem vergonha na cara.Eu tenho o abito de me masturbar.tento não fazer isso.mas,é difícil não cometer esse pecado a mente também e bombardeada com pornografia.as vezes me pergunto se tudo isso mesmo e real,pois as pessoas que se dizem evangélicas na família em vez de me apoiar ficaram contra mim dizendo ser eu mal agradecida,pois sempre depender deles para comer e ate me vestir.Eu estou morrendo as poucos minha pele perdeu o brilho,tenho medo de lugares cheios,tenho misofobia.quando escuto barulho de água,alguém lavando o copo ou pano no balde, tomando banho me remeto ao sexo oral que ele me fazia fazer nele.O pior que as pessoas me dizem para esquecer como vou esquecer se todas as vezes que ouço alguém mexendo em água me lembro do que ocorreu?Minha irmã fica lá babando eles no face book como se eles estivessem preocupados com ela,ela não liga pra mim simplesmente nunca me mandou mensagem quando eu tinha watzapp. Na família as pessoas me tratam como se eu fosse algo ruim,dizem que tenho inveja das pessoas,que conseguiram”crescer” e eu não.Falam da “vitória” deles como algo de Deus.E eu sou usada pelo diabo .Acha que Deus não me ama mais Pastor.Já pequei contra ele.Ontem e em outros dias por raiva joguei a bíblia da minha tia no chão e já joguei a minha no chão também.Já pedir perdão ao senhor.Mas penso que ele não me quer mais já pequei muito contra ele.Me auxilie por favor!!Obrigado!!!

    1. Estimada Ana Cláudia: primeiramente peço que me perdoe pela demora em lhe responder. Estou colocando as mensagens em dia e você é uma das prioridades de hoje. Não vou dormir sem antes lhe escrever.

      Seu histórico de culpa, raiva, mágoa, crenças limitadoras, fobias – TUDO vem dos abusos sexuais que sofreu. É lamentável (digo isso de acordo com seu relato) que seus pais tenham sido tão irresponsáveis no cuidado com a filha. Você não tem culpa de ter tais limitações e Deus a entende perfeitamente.

      Em nenhum momento Ele sente raiva de você! Jamais pense isso. O pecado é tão terrível e cruel que não escolhe suas vítimas. Mas Deus é tão amoroso que na cruz deu a própria vida para garantir a nossa vitória eterna.

      Por isso, garanto que se você buscar ajuda psicoterápica para aprender a cuidar de sua criança interna – ferida, abusada e mal compreendida – será feliz! Faça isso por você mesma, pois a amiga merece.

      Siga as dicas que dei no artigo. Se não conhecer uma psicoterapeuta em sua cidade, posso lhe indicar uma que atende inclusive via Skype ou FaceTime (não em todos os casos, obviamente). Contato a psicóloga Maria de Lourdes Fernandes pelo e-mail fernande1103@hotmail.com

      Orarei por você agora e estarei à sua disposição sempre que precisar.

      Deixo-lhe alguns textos bíblicos para reflexão:

      “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28).

      “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (João 6:37).

      Paz!

  4. Olá pastor!Estou um pouco melhor depois que comecei a ler a respeito da Graça de Deus,mas ainda vejo Deus manchado,deturpado aprendi assim em outras igrejas.tenho minha tia que me ajuda financeiramente e ela nao entende o evangelho e vivi me julgando.Eu comecei a frequentar a Adventista e la na igreja dela funciona todos os dias e so porque a minha funciona 3 vezes na semana ela diz que e igreja de pregriçoso ela vivi na igreja dela.um companheiro dela que ficou doente foi para goiania e ela ia pra la ficar 8 dias com ele pra cuidar e quando chegava eu dizia pra ela ficar em casa pra descansar e ela falava que eu estava tentando fazer ela desistir de ir a igreja.por causa dos abusos eu me cobro muito como pessoa acho que nunca e o suficiente e fico na duvida se realmente e indo pra igreja varias vezes que eu vou me salvar.Nos somos salvos pela Graça ou temos que fazer algo pra nos salvar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *