Conhecendo a Palavra

Conhecendo a Palavra

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (II Timóteo 2:15).

Uma das razões para o êxito da teologia da prosperidade é o desconhecimento das Escrituras. Tanto pregadores quanto suas audiências ignoram os rudimentos da interpretação bíblica. Tais pregadores falam aquilo que as pessoas querem ouvir. A mensagem deles é atrativa para a cultura materialista: casa melhor, no lado certo da cidade; carro novo; negócios lucrativos; roupas de grife; férias exóticas. Basta ouvir os “testemunhos” para ficarmos alarmados. E tudo isso “canonizado” com o uso perverso de textos bíblicos forçados para se ajustar a uma pressuposição completamente estranha à Palavra de Deus. Cria-se assim o ambiente para que a ênfase pragmática e materialista da cultura acabe triunfando. Prova-se então a verdade de que, se a religião não nos transforma, nós a transformaremos para que ela se adapte às nossas opiniões e simpatias.

No texto de hoje, Paulo recomenda o uso apropriado da Palavra. O termo grego traduzido por “manejar” significa “cortar em linha reta”. Isso nos sugere responsabilidade no uso das Escrituras. O pecado mortal dos falsos mestres é o abuso da Palavra de Deus (2Co 2:17). Esse abuso é traduzido como “mercadejar” ou “adulterar”. Devemos lembrar, contudo, que o correto conhecimento do Palavra de Deus não se limita aos ministros. Se as audiências das “prosperidade” tivessem pelo menos uma perspectiva bíblica da vida, não seriam ludibriadas por mensagens tão espúrias.

Pode-se confiar no discurso dos pregoeiros da prosperidade? A mensagem deles não passa em um simples teste bíblico. Promete Deus saúde e cura em qualquer circunstância? Paulo não foi capaz de curar alguns de seus associados: Epafrodito (Fp 2:27), Timóteo (1Tm 5:23) e Trófimo (2Tm 4:20). Ele mesmo sofreu de uma enfermidade física (Gl 4:13-15). Três vezes orou por libertação, sem receber cura (2Co 12:8-10). Além disso, seria a pobreza sinal de maldição, como alegado pela heresia da prosperidade? Paulo declarou-se pobre, sem nada possuir (2Co 6:10). E Jesus, que não teve onde reclinar a cabeça (Mt 8:20)? Será que eles também não tinham fé? Como harmonizar a ambição da prosperidade com as advertências bíblicas quanto aos perigos da riqueza (Mt 5:24; Lc 12:33; Hb 13:5; Cl 3:5)?

Anterior Dicas para ter uma alimentação mais saudável
Próximo O que a Bíblia diz sobre os adolescentes?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 595 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 2 Comentários

“Eu cria na Imortalidade da Alma!”

“Se as pessoas que morreram em Cristo já estão no Céu, então qual a necessidade da ressurreição? Por que elas precisariam deixar o Céu, voltar para o corpo sepultado, ressuscitar

Apologética Cristã 2 Comentários

Dom de cura: como saber se é verdadeiro ou falso?

A Palavra de Deus apresenta o dom da cura como sendo uma possibilidade de Deus e de Satanás. Jesus realizou muitos milagres de cura. Pedro, após a cura do coxo

Bons Debates 1Comentários

O preconceito do CACP em relação ao adventismo do sétimo dia

Elaborei uma resenha crítica à postura do Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP) em condenar o articulista evangélico Fernando Galli, por este não mais ver o adventismo do sétimo dia

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!