Existem Almas Debaixo do Altar? – Apocalipse 6:9

Existem Almas Debaixo do Altar? – Apocalipse 6:9

“E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da Palavra de Deus e por amor do testemunho que deram”.

“O altar apresentado no quadro profético era provavelmente reminiscências do altar de bronze do santuário dos hebreus, e os mártires podem ser lembrados como sacrifícios apresentados a Deus. Como o sangue das vítimas era derramado na base do altar, e a vida da carne está no sangue, assim as almas daqueles que foram martirizados são comparadas como estando debaixo do altar” (Comentário Bíblico Adventista, Apocalipse 6:9).

“O altar corresponde nesta liturgia celeste ao altar dos holocaustos (1Reis 8:64). Os mártires, testemunhas da Palavra, são associados à imolação de seu Mestre (Filipenses 2:7). Segundo a concepção bíblica e oriental, a vida reside no sangue. Aqui as vidas dos mártires estão ‘escorrendo’ para a base do altar celeste onde se consumam os seus sacrifícios cruentos (Levíticos 4:7)” (A Bíblia de Jerusalém, Apocalipse 6:9).

As “almas debaixo do altar”, apresentadas por João nesta passagem, são uma representação simbólica aos filhos de Deus, que foram martirizados na Idade Média por causa do Evangelho. O sangue ou a vida que seus perseguidores derramaram simbolicamente clama a Deus pedindo vingança, a exemplo do sangue de Abel, em Gênesis 4:10, que clamava a Deus. Se o altar do sacrifício estava sobre a terra, e as almas são representadas como estando debaixo do altar do sacrifício, consequentemente não eram almas que estavam no Céu.

O que deixa a muitos leitores perplexos nesta passagem é o conceito popular, mas antiescriturístico, da palavra alma – uma essência imaterial, invisível e imortal que existe no homem. O conhecimento da palavra no original hebraico e grego jamais admite tal definição. Dentre seus múltiplos significados, se destacam também os de vida e pessoa. Este é o caso de Apocalipse 6:9, onde as “almas de baixo do altar” simbolizam pessoas, isto é, os mártires, sendo altar simbólico de sacrifício ou martírio. Seria um disparate indescritível a aceitação literal de que essas almas estivessem presas, debaixo de um altar no Céu. Se aceitássemos o relato como real, essas almas no Céu, e os seus ímpios perseguidores no inferno, segundo a crença popular, qual a razão de clamarem ainda por vingança, já que os seus torturadores estavam pagando seu merecido castigo?

Esta passagem traz uma mensagem de conforto para os que sofreram, sofrem e sofrerão por Cristo: o cuidado incessante de Deus em favor dos que aceitaram o Seu plano de salvação. Muitos não podem compreender por que Deus permite que alguns de Seus filhos fiéis sejam maltratados pelos ímpios. Embora o procedimento divino, por vezes, esteja além de nossa limitada compreensão, de uma coisa podemos ter certeza: Deus fará justiça dando o galardão aos fiéis e deixando que os ímpios sejam destruídos.

No capítulo seis de Apocalipse, João apresenta uma profecia dos acontecimentos que se realizariam durante a era cristã.

A referência às “almas debaixo do altar”, do verso 9, relaciona-se com a época da Reforma. Tanto a história secular quanto a sagrada nos informam que milhares e milhares dos chamados hereges foram barbaramente massacrados e mortos por todos os meios imagináveis. Felizmente, este estado de coisas teve o seu fim, com o protesto dos príncipes na Dieta de Spira, em 1529, e o incremento da Reforma através de toda a Europa. O contexto geral das Escrituras nos impede de tomar esta passagem em seu sentido literal, pois, se assim fosse, teríamos de aceitar a morte e o inferno cavalgando um cavalo literal através da Terra.

Livro: Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário.

Anterior Acesso direto a Deus?
Próximo Você sabe por que hoje é feriado?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 464 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 41 Comentários

Os adventistas julgam ser a única Igreja verdadeira?

Os adventistas não se consideram os donos da verdade. Cremos que temos uma mensagem especial, mas, isso em nada diminui o valor dos demais cristãos ou nega o chamado que Deus fez a eles para exaltar a Pessoa Divina de Jesus.

Apologética Cristã 7 Comentários

Algumas diferenças entre o ateu e o “à toa”

INTRODUÇÃO Ao ler o título desse post você pode estar pensando que me proponho a refutar os ateus. Porém, no momento esse não é esse o caso. Meu propósito é

Apologética Cristã 2 Comentários

Expiação de Jesus e juízo investigativo

“Como se poderia conciliar a passagem de Hebreus 9, que afirma que Jesus ofereceu um sacrifício para sempre, com a doutrina do juízo investigativo iniciado em 1844?” Vejamos o que

1 Comentário

  1. Sergio
    julho 24, 23:01 Resposta

    Olá! Gostei muito do seu artigo, parabéns!

Deixe seu Comentário