Há alguma semelhança entre nós e o templo como habitação de Deus?

Há alguma semelhança entre nós e o templo como habitação de Deus?

Não é o templo que é comparado a nós, mas nós que somos comparados ao templo. Isso se dá porque somos habitação do Espírito Santo, se o permitirmos.

Embora todas as culturas e sistemas religiosos falem sobre Deus, a Bíblia apresenta um quadro mais convincente, de um Deus que deseja estar perto de Sua criação. Ele procurou Suas criaturas no jardim após elas terem caído. Estava disposto a descer do Céu para aliviá-las da miséria trazida pelas opressivas ordens do faraó (Êxodo 3:8); e mais tarde, pediu-lhes que Lhe construíssem uma casa para que pudesse habitar “no meio deles” (Êxodo 25:8). Como se isso não fosse suficiente, Deus preparou um corpo para Si mesmo (Hebreus 10:5), e viveu entre os homens como homem. Tornou-se o Filho de Deus encarnado.

Mas, por mais perto que Deus tenha chegado de nós através de jardins e santuários, e mesmo tendo estado tão perto quando veio a nós por meio de Cristo, Ele anseia estar ainda mais perto. Não Se contenta em estar perto de nós – quer estar dentro de nós!

“Eu pedirei ao Pai, e Ele lhes dará outro Auxiliador, o Espírito da verdade, para ficar com vocês para sempre. O mundo não pode receber esse Espírito porque não O pode ver, nem conhecer. Mas vocês O conhecem porque Ele está com vocês e viverá em vocês” (João 14:16 e 17).

Por meio de Seu Espírito, Deus Se determinou a viver o mais intimamente possível com Seu povo – dentro deles, individualmente, em cada um. Em palavras simples, esse é um compromisso mais profundo que o casamento. É mais que “Deus conosco” – isso é Deus mudando-Se para dentro de nós com um propósito (Romanos 8:5-14).

A presença do Espírito Santo de Deus em nossa vida é mais que simplesmente um desejo da parte de Deus de estar próximo de Seu povo. Embora esse seja um dos maiores motivos pelos quais Deus concede Seu Espírito, a necessidade mais urgente se encontra no enfoque que Deus dá à redenção: Ele Se muda para dentro de nós como parte de Seu plano de reivindicar-nos para Si e restaurar-nos.

Você é um território disputado. Desde o pecado de Adão, Satanás afirma que cada pessoa nascida pertence a ele. Contudo, Deus também reivindica cada um de nós – afinal de contas, somos Seus por criação. O resultado final é que nossa alma se transforma num campo de batalha.

Mas não somos deixados sozinhos para travar essa batalha. Deus, por meio da presença interior do Espírito, trabalha para reivindicar-nos como Seus.

“Porque o que a nossa natureza humana quer é contra o que o Espírito quer, e o que o Espírito quer é contra o que a natureza humana quer. Os dois são inimigos, e por isso vocês não podem fazer o que vocês querem” (Gálatas 5:17).

É através do Espírito Santo de Deus que em cada alma é travada uma guerra contra o pecado em que pelejam o eu e Satanás. Por meio de Seu Espírito, Deus – trabalhando no nosso interior – Se esforça para confirmar Sua reivindicação sobre nós. “O Espírito de Deus Se une com o nosso espírito para afirmar que somos filhos de Deus” (Romanos 8:16). Ao aprendermos a apreciar essa parte da obra do Espírito, podemos cooperar melhor com Sua obra de restauração.

Não é suficiente sermos reivindicados por Deus; precisamos também ser restaurados. O processo de restauração é o que faz a diferença entre um artefato histórico valioso e uma peça de sucata. A restauração é a contínua obra do Espírito em nosso interior, durante a vida toda, que nos torna aptos para a companhia de Deus.

Esse processo (muitas vezes denominado “santificação”) torna o poder de Deus, através de Seu Espírito, disponível àqueles que O buscam. Paulo diz que devemos ser “santificados pelo Espírito Santo”, e depois diz que essa obra de santificação do Espírito é o caminho para a salvação (2 Tessalonicenses 2:13). É por meio do Espírito que encontramos forças para nossas lutas interiores (Efésios 3:16), e é através do Espírito que Deus desperta (ou “aviva”) nossas faculdades débeis e adormecidas.

A obra suprema do processo restaurador do Espírito é cultivar em nossa vida uma santidade madura e equilibrada à qual Paulo se refere desta forma: “Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei” (Gálatas 5:22 e 23).

A promessa do Espírito não é uma tentativa de Deus para proporcionar, após a partida de Cristo, um programa de continuação que é o segundo melhor. Ao contrário, foi a maneira de Deus fortalecer o que Cristo começou! Enquanto Cristo estava limitado pelo tempo e espaço, o Espírito não tem fronteiras; Ele pode estar em qualquer lugar e em todo lugar ao mesmo tempo.

Deve também ser notado que o termo “a terceira pessoa da Divindade” não pressupõe uma diminuição de posição, lugar ou poder do Espírito. Ele é Deus em todos os aspectos, co-igual com o Pai e o Filho. Como tal, com a promessa do Espírito vem a promessa da vinda do pleno poder de Deus a cada crente.
Na verdade, a palavra usada para Espírito (pneuma, muitas vezes traduzida como “vento”) subentende uma força que não é imaterial, mas extraordinariamente eficaz. Disso podemos concluir que a promessa do Espírito Santo subentende o intento de Deus de tornar Seu poder disponível a nós através de maneiras e métodos que estão acima e além da medida e das qualificações humanas.

É uma promessa acintosamente generosa e compassiva: Deus Se entrega a nós para viver conosco e em nós – e, o mais importante, através de nós, por Seu Espírito.

Paulo dirige seu atendimento aos que constituem o edifício espiritual. Coletivamente formam o templo espiritual de Deus no qual reside o Espírito de Deus. Paulo se refere principalmente à igreja, e admoesta a seus sucessores de Corinto para que não prejudiquem à igreja em nenhuma forma (1 Coríntios 3:17). Certamente, o cristão individual também é morada do Espírito Santo; a esse pensamento se lhe dá a principal ênfase em 1 Coríntios 6:19-20 .

Jesus, ao prometer o Espírito Santo, declarou que Ele moraria em seu povo: “ E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.” (João 14:16-17 RA).

Isso é, com a igreja. As palavras “em vocês” fazem ressaltar ao Espírito que mora no íntimo do coração de cada cristão.

Biblia.com.br

Clique nesta imagem para ir ao site e conhecer o conteúdo do áudio livro

Anterior Como ouvir a voz de Deus?
Próximo Como entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 695 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 0 Comentários

Quem será arrebatado quando Cristo voltar?

Os que serão arrebatados por ocasião da Segunda Vinda de Cristo a este mundo são apenas os que estão vivendo em comunhão com Deus – os selados por Deus! Aqueles

Bons Debates 5 Comentários

“Jesus entrou no Santo dos Santos do santuário celestial 40 dias depois da sua ressurreição?

“Como aceitar essa ideia maluca de que Jesus entrou no Santo dos Santos do santuário celestial em 22 de outubro de 1844 se como Sumo Sacerdote não tinha nada que fazer no lugar santo a partir do ano 31 AD. e ficar lá retido por 1813 (31+1813= 1844)?

Bons Debates 2 Comentários

É Correto Comemorar o Natal?

Acerca da comemoração do Natal, farei alguns comentários para que juntos possamos analisar os fatos. Particularmente não acredito que seja um pecado – ou mesmo um erro – utilizar a

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!