Isaías 17 e a guerra na Síria

Isaías 17 e a guerra na Síria

O conflito na Síria e a decisão dos Estados Unidos de atacar uma base militar no interior do país está despertando um intenso debate teológico sobre a ligação que estes acontecimentos podem ter com a Bíblia Sagrada.

Enquanto alguns encaram a crise atual como uma evidência das profecias bíblicas, outros condenam essa conexão como irresponsável.

Veja meu comentário aqui:

 

Profecia já cumprida

Embora a profecia bíblica declare que a cidade “se tornará um monte de ruínas”, alguns estudiosos afirmam que Damasco já foi destruída e que este versículo diz respeito a um ataque realizado por assírios em em 732 a.C.

Essa teoria é defendida por Hank Hanegraaff, apresentador do programa “Bible Answer Man”, que esclarece temas da Bíblia diariamente nos Estados Unidos e Canadá.

“Eles estão se baseando nas passagens de Isaías para explicar o que está acontecendo atualmente na Síria. Este é um exemplo clássico da imprensa da escatologia promovida por esses pastores, que parecem não conhecer a palavra de Deus e querer promover o sensacionalismo”, disse ele.

Hanegraaff defende que a profecia de Isaías 17 já foi cumprida há milhares de anos. “Se você olhar para o que a Bíblia realmente diz, é muito claro que o cumprimento da profecia também é relatado pelo texto bíblico. Se você olhar para Isaías 7, há uma permutação disso, e você poderá ver seu cumprimento no capítulo seguinte, em Isaías 8”.

Evidências históricas

A Dra. Candida Moss, professora de Novo Testamento e Cristianismo Primitivo na Universidade de Notre Dame, também observa que Damasco foi uma cidade repetidamente conquistada.

“Isaías viveu e escreveu no oitavo século antes de Cristo e estudiosos acreditam que a profecia original sobre a conquista de Damasco foi cumprida pelos assírios, em 732 a.C. Mas essa não foi a única vez que Damasco passou por conflitos”, disse Moss.

A especialista lembra que Damasco também foi conquistada por outros governantes, incluindo o rei babilônico Nabucodonosor e Alexandre, o Grande. Ela também explica que, no século 7 a.C., Damasco estava em meio a um cerco muçulmano liderado pelo general Khalid ibn al-Walid. Mais tarde, na virada do século 15, os exércitos turco-mongóis de Tamerlão a conquistaram, matando toda a sua população — que tiveram suas cabeças cortadas e incluídas numa torre construída por eles.

Fonte: Guiame

Anterior Romanos 14 liberou a guarda de qualquer dia?
Próximo O fraco e o forte na fé

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 485 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 3 Comentários

As leis de alimentação de Levítico 11 não mais estão em vigor?

Ao estudarmos Levítico 11, podemos pontuar algumas coisas importantes: 1. O capítulo é formado de seis seções principais. Cada seção se inicia usando a palavra estes, esses, esta (vs. 2,

Apologética Cristã 2 Comentários

Quem é o Novo Israel? (Romanos 11)

Quem é o Novo Israel em  Romanos 11? O material abaixo foi extraído de outro artigo do Dr. Bacchiocchi mais completo e profundo sobre a campanha do “Deixados Para Trás”,

Apologética Cristã 2 Comentários

Paulo e o Sábado (Romanos 14)

O sábado em Romanos 14  Em Roma, um grupo ascético fanático (herético), marcadamente semelhante àquele de Colossos (Colossenses 2), advogava estrito vegetarianismo, abstenção do vinho e a observância de dias

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!