O dia da ressurreição de Jesus como dia de guarda

O dia da ressurreição de Jesus como dia de guarda

“Sendo que Cristo ressuscitou no domingo, não deveria este ser o dia de guarda para todos os cristãos?”

A maioria dos observadores do domingo tenta justificar essa prática alegando que a ressurreição de cristo ocorreu no primeiro dia da semana. Não resta a menor dúvida de que Cristo morreu numa sexta-feira à tarde, descansou na sepultura durante o sábado, e ressuscitou antes do alvorecer do “primeiro dia da semana” (Lucas 23:44 a 24:12). Mas em nenhum lugar das Escrituras é feita qualquer alusão ao dia da ressurreição (domingo) como um novo dia de guarda, em substituição ao sábado do sétimo dia, que fora instituído pelo próprio Deus na semana da criação (Gênesis 2:1-3; Marcos 2:27). Esse dia foi incorporado por Deus no decálogo (ver Êxodo 20:8-11), e é apresentado no Novo Testamento  intimamente relacionado ao descanso da justificação pela fé em Cristo (ver Hebreus 4:4-11).

Houvesse o dia da ressurreição se transformado no novo dia de repouso da igreja apostólica, e isso certamente transpareceria na linguagem empregada nos evangelhos e nos demais livros do Novo Testamento, escritos vários anos após a ressurreição de Cristo. Mas os evangelhos de Marcos e Lucas (escritos cerca de 30 anos após a ressurreição), o de Mateus (escrito cerca de 35 anos após esse evento) e o de João (escrito cerca de 60 anos após o mesmo evento) referem-se ao dia da ressurreição simplesmente como o “primeiro dia da semana”, sem qualquer deferência especial para com ele (ver Mateus 28:1; Marcos 16:2; Lucas 24:1; João 20:1, 19).

Algumas pessoas também procuram justificar a observância do domingo com base na referência ao “dia do Senhor” de Apocalipse 1:10 e no fato de os discípulos haverem se reunido em dois domingos diferentes (ver João 20:19; Atos  20:7), seguindo o conselho de Paulo de separar uma oferta para os pobres nesse dia (ver 1 Coríntios 16:2). Mas, se estudarmos detidamente o conteúdo desses textos, perceberemos que:

(1) a reunião mencionada em João 20:19 foi realizada, não com o propósito de venerar o domingo, mas para esconder os seguidores de Cristo, perseguidos pelos judeus;

(2) a reunião referida em Atos 20:7 era simplesmente para “partir o pão”, prática essa que podia ocorrer em qualquer dia da semana (ver Atos 2:42, 46);

(3) o objetivo de cada um separar “em casa”, “no primeiro dia da semana”, uma oferta para os necessitados era simplesmente para que não se fizessem “coletas” quando Paulo fosse visitar os coríntios (1 Coríntios 16:2);

(4) não existem quaisquer evidências bíblicas ou históricas de que, na época em que o apóstolo João escreveu o texto de Apocalipse 1:10, o domingo já fosse chamado de “dia do Senhor” (ver Isaías 58:13; Mateus 12:8), como o foi posteriormente.

Aqueles que aceitam a tradição pós-apostólica, como normativa, não se constrangem em transportar a observância do domingo para dentro do Novo Testamento. Mas com base no princípio de que a Palavra de Deus deve interpretar-se a si mesma, não conseguimos ver, nos textos acima mencionados, qualquer endosso bíblico para a observância do domingo.

Pr. Alberto R. Timm, Ph.D.

Anterior Daniel 8 – A batalha é muito mais antiga
Próximo Havia relações sexuais entre os filhos de Adão e Eva?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 441 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 0 Comentários

Um ateu garante: “ateísmo é moda”

O funcionário público Rafael Schroder, 23 anos, por muito tempo frequentou a igreja apenas por causa dos pais, que queriam vê-lo participar da catequese, da eucaristia e da crisma. Apesar

Apologética Cristã 7 Comentários

Existiram os “Nefilins”?

Alguns, erradamente alegam que os “filhos de Deus” eram anjos caídos (demônios), os quais se relacionaram com fêmeas humanas e/ ou habitaram os corpos de machos humanos para então se relacionar com as fêmeas humanas. Essa união deu origem a filhos, os Nefilins, os quais eram “os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama” (Gênesis 6:4).

Apologética Cristã 0 Comentários

O pensamento hebraico comparado ao grego

Adotar uma perspectiva hebraica das Escrituras ajuda a entender o pensamento dos autores bíblicos? Na Antiguidade, dentre as várias cosmovisões existentes, duas, em especial, se destacavam. Grécia e Israel tinham

1 Comentário

  1. Oie tudo bem. Pastor á bíblia fala que Jesus ficou três dias e três noites no sepulcro. Então como afirmar que ele morreu na sexta-feira e ressuscitou no domingo? A conta não fecha. E também quando foram no sepulcro Jesus não estava mais ao despontar o primeiro dia da semana. E ao findar o Sábado. Sendo que creio no Sábado como dia de descanso. Mas a conta da morte é da ressurreição não fecha. Abraço.

Deixe seu Comentário