Apologética CristãSem categoria

O “oitavo rei”: a interpretação de Apocalipse 17 que não acerta uma

Por Nelson Wasiuk, apresentador do programa “En La Mira da La Verdad”.

Tradução: Filipe Reis

 

Desde que João Paulo II morreu em 2005, uma interpretação diferente de Apocalipse 17: 9-11 ganhou força:

Os 7 Reis seriam papas e o oitavo é o último papa, que será o anticristo.

Quando Francisco foi eleito, esta interpretação perdeu sua última chance de acertar alguma coisa. Porém, o maior problema é que aqueles que interpretam dessa forma, não seguem as regras básicas de interpretação profética da Bíblia.

Regra 1: Historicismo:

A Igreja Adventista, assim como a maioria esmagadora dos protestantes de língua inglesa até o século 19, acredita que as profecias devem ser interpretadas ao longo da história: passado, presente e futuro. Portanto, elas precisam ser consideradas dentro desse percurso de tempo e não aplicadas apenas ao “passado” ou ao “futuro”.

Regra 2: As profecias de Daniel e Apocalipse não identificam pessoas mas sim potências, impérios ou países.

Um exemplo claro encontramos em Daniel 2:38, quando Daniel diz a Nabucodonosor: “Você é a cabeça de ouro”. A cabeça era Nabucodonosor? Não, era Babilônia, pois Belsazar era também da cabeça até que ele foi derrubado pelo “peito” da estátua que representava a Medo-pérsia.

Não há uma única profecia de Daniel e Apocalipse que dê ênfase à uma pessoa em particular. Só esta regra derruba completamente a interpretação de que Apocalipse 17 se refere a “sete papas”… Mas, há outros erros.

Regra 3: Os símbolos são aplicados da mesma forma, sempre.

Precisamos interpretar usando a mesma linguagem usada em outras profecias. Vamos analisar os símbolos e seu significado.

De acordo com Apocalipse 17:9-11, as “montanhas” são “cabeças” que são “reis” e a última é “uma besta”. Portanto, “rei” não pode ser a interpretação, mas o símbolo. Vamos analisar mais detalhes:

Sentar-se: diz-se que a prostituta está sentada sobre muitas águas (17:1, 15), em cima de uma besta escarlate (17:3) e sobre sete colinas (17:9).

O ato de sentar significa que a prostituta não apenas governa sobre os reis da terra (17:18), mas também sobre toda tribo, língua e nação (13:7) (E. Bohr, Secrets Unsealed)

Montes: Você pode ver que são “poderes” ou “reinos” em várias referências: Daniel 2:34, 35, 44; Jeremias 51:25; Miqueias 4:1. Não há uma única evidência de que “colina” ou “montanha” seja uma pessoa. Isso também indica que as montanhas não são literais, uma vez que Roma não é a única cidade com 7 colinas. Lisboa e São Francisco também têm, entre outras.

Besta: Apocalipse 17:11 diz: “E a besta que era e já não é, é ela também o oitavo, e é dos sete, e vai à perdição.” Em Apocalipse (veja, por exemplo, o cap. 13), “besta” é sempre “poder”: besta que sobe do mar (papado), besta que sobe da terra (EUA).

Rei: É também um poder na Bíblia, como é o “Rei do Norte” e o “Rei do do Sul” em Daniel 11. Eles são poderes. Daniel 7 diz em vários momentos que os “animais” (ou bestas) são “reis”. Sendo Apocalipse 17 da mesma natureza que o livro de Daniel (um livro apocalíptico), é óbvio que o significado para “reis” é o mesmo.

Cabeça: Cabeça é raramente usado nas profecias da Bíblia, mas se entende que também são poderes ou símbolos de força ou poder. O dragão de Apocalipse 12, a besta de Apocalipse 13 e 17 têm 7 cabeças. J. N. Andrews interpreta isso como sete poderes e outros interpretam como poder pleno (7 simboliza plenitude). Mas ninguém identifica como uma pessoa.

Resumindo:

– Cabeça = Potência ou Reino, Império, País.
– Besta = Potência ou Reino, Império, País.
– Monte = Potência ou Reino, Império, País.
– Rei, reino = Potência ou Reino, Império, País.
– Sentar-se = Autoridade em algo.

Regra 4: 666 não é um nome LITERAL:

“NOME” Em toda a Bíblia, e especialmente em Apocalipse, significa caráter. O “novo nome” que os justos receberão significa um “novo caráter”, um caráter puro (veja-se Apocalipse 2:17).

O mesmo acontece quando diz que temos o “nome de Deus escrito nas testas”. Recebemos o caráter de Deus em nossa mente.

Assim, 666 não é o NOME da besta literalmente, mas sim o CARÁTER dela que se revela numa aberta e total oposição Deus.

Desse modo, o 666 não pode em hipótese alguma ser interpretado como “VICARIVS FILII DEI” ou “JOANNES PAVLVS SECONDO”. Se o uso da gematria fosse um recurso interpretativo válido, alguns autores teriam razão em alegar que no nome de Ellen G. White, co-fundadora do adventismo, também se encontra o 666.

João escreveu o Apocalipse em grego, não em latim. Portanto, é absurdo relacionar o 666 com o inexistente título papal escrito em latim. O mais lógico seria calcular o “número” ou “nome” da besta usando as letras em grego. Não acha?

OS SETE PAPAS

Creio que não há dúvida de que a interpretação que estamos discutindo está cheia de erros teológicos. Há também erros de lógica.

Segundo os defensores desta interpretação, os 7 reis/papas são:

1. Pio XI (1922-1939)
2. Pio XII (1939-1958)
3. João XXIII (1958-1963)
4. Paulo VI (1963-1978)
5. João Paulo I (1978)

– Eles caíram (a partir da perspetiva do tempo a que a profecia se aplica. Outro erro, pois isso aplica à Apocalipse 17 não o método historicista, mas futurista)

6. João Paulo II (É, no momento do fim do tempo)
7. Bento XVI (brevemente)
8. Francisco (besta que ERA, NÃO É E AGORA É)

O problema é que Francisco:

1. “NÃO ERA”: É a primeiro papa argentino, latino-americano, jesuíta, franciscano, etc.
2. Não saiu de entre os 7: NENHUM dos 7 anteriores, nem Bento XVI, ainda vivo, esteve no conclave.
3. Não é a Besta (17:11) pois, como já vimos a besta representa o poder papal como um todo.

Então, que poderes são esses reis?

Há várias interpretações possíveis. Portanto, devemos reconhecer que ainda não sabemos todos os detalhes sobre Apocalipse 17. Porém, o único consenso é que tais “reis” não são “papas” individuais.

Aplicando todas as regras supracitas, várias interpretações cabem:

Historicamente, a Igreja Adventista tem interpretado que eles são poderes que ao longo da história atacaram o povo de Deus: Egito, Assíria, Medo-pérsia, Babilônia e Grécia, que precederam Roma. Portanto, Roma é a sexta cabeça.

A expressão “e o outro ainda não chegou” seria o papado. Se compararmos as profecias de Daniel 2, 7 e 8 com Apocalipse 17, vemos que depois de Roma vem a divisão ou o reino dividido, representada pelos pés de ferro e de barro da estátua de Nabucodonosor em Daniel 2 e pela expressão “e o outro ainda não chegou”, em Apocalipse 17:10. O chifre pequeno vem desses dez chifres que representam essa divisão, e eles, por sua vez vêm de Roma. Portanto, o “rei” que procedeu de Roma Imperial foi Roma Papal.

Para o Pr. Bohr, por exemplo, a interpretação seria um pouco diferente, começando Egito e Assíria, mas com Babilônia:

1. Babilônia.
2. Medos e persas.
3. Grécia.
4. Roma Imperial.
5. Os poderes civis da Europa sob o domínio do papado durante o
1260 anos.
6. O poder civil dos Estados Unidos sob o protestantismo apóstata
7. Roma papal ressuscitada de sua ferida mortal e aliada com o protestantismo
apostatado e os “reis” (todo sistema político e governamental) da terra.

Outra interpretação semelhante é a de Filipe Reis:

1. Babilônia.
2. Medo-Pérsia.
3. Grécia.
4. Roma.
5. Reinos europeus.
6. Papado medieval (de 538 à 1798 d.C).
7. O ateísmo da Revolução Francesa.
8. Papado depois da cura da ferida (segunda fase do 6º rei)

Todas são historicistas e seguem as regras citadas acima.

Portanto, não se deixe guiar por interpretações particulares, sem base bíblica consistente. Adote a metodologia correta (historicista) e assim seguirá por um caminho mais seguro em sua jornada de estudo das profecias.

“Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas, pois o tempo está próximo” (Ap 1:3).

Assista mais aqui:

Tags:

9 comments

  1. Boa tarde!
    O pastor Samuel Ramos nos explica muito bem no vídeo: A Renuncia do Papa e os Sete Reis, que Apocalipse 17 quando se refere aos sete reis, se refere aos papas sim, eu gostei muito da explicação dele e acredito que ele sabe o que está falando.

    1. Oi, Alli: respeito sua opinião e a do Pr. Ramos (pessoa simpaticíssima). Mas, não vejo fundamentação na teoria dos 7 papas.

      Certa vez publiquei no blog do “Na Mira da Verdade” um artigo sobre o tema, no qual acrescentarei algumas coisas – incluindo a ótima explicação de Vanderlei Dorneles sobre Apocalipse 17.

      Enquanto não faço as adaptações que pretendo, disponibilizo aqui o link para que possa lê-lo se for de seu interesse:

      http://novotempo.com/namiradaverdade/quatro-pressupostos-antibiblicos-da-teoria-dos-sete-papas-em-torno-de-apocalipse-17-4/

      Graça e paz.

  2. muito obrigada… vou precisar mais desses estudos…

  3. Este artigo é de uma ingenuidade gritante, aliás, de uma má-fé blasfema. O seu autor deveria se conscientizar de que está pisando calçado com botas blasfemas um terreno que é sagrado e de que existe uma severa advertência para isso (Ap. 22:18-9) que pode privá-los da salvação, como aconteceu com Nadabe, Abiú e Uzá. Eu poderia aguardar 5 meses para tecer esse comentário, pois nesse tempo tudo estará com certeza esclarecido, após a primeira reunião da COP 21, a partir da data-limite de 22/04/2017, quando o Comitê de diplomatas que irá gerir a primeira lei de abrangência planetária da História e que já está em vigor desde 04/11 passado tomará uma decisão que irá surpreender o mundo, mas não os estudiosos da profecia sagrada.

    1. Prezado Lindolfo: longe de ser blasfemo, o artigo expressa uma opinião que em nada ofende a Deus. Um capítulo como Ap 17 apresenta mais de uma interpretação e é natural que as pessoas se posicionem de modos diferentes. Além disso, o que Nelson Wasiuk escreveu está em harmonia com a maior parte dos teólogos historicistas da Igreja Adventista.

      Todavia, apesar de interpretações diversas, é possível percebermos o que não é ensinado em Ap 17: a presença de “papais individuais” na profecia.

  4. Meu comentário não foi publicado ou aceito.

    1. Caro Denis: irei procurar seu comentário, ok? Ainda não cheguei nele para moderação. Fique na paz.

  5. Prof. Leandro Quadros quem é Filipe Reis e qual a referencia bibliográfica dele?

    1. Caro Ronielio: como Nelson escreveu o artigo, pedirei a ele para nos informar, ok? Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *