O que acontece depois da morte?

O que é alma, espírito e sono da morte? O que a Bíblia ensina sobre isso?

“Gostaria de saber a respeito da morte. Sou uma pessoa evangélica. Aceitei a Jesus como único salvador da minha vida. Procuro fazer a vontade de Deus. Mas quando leio a bíblia não entendo o seguinte: os cristãos quando morrem ficam dormindo? É isso? Pelo que leio é isso. Gostaria de saber ao certo.”

A sua pergunta é a maior das inquietações humanas. É desejo de todos nós sabermos o que acontece por ocasião da morte porque não fomos criados para morrer. Deus nos fez para desfrutarmos da eterna felicidade ao lado dEle. Entretanto, o pecado impediu que este plano continuasse, pois, ao afastar-se de Deus por pecar (Isaías 59:2), o ser humano se separou da fonte de vida, o Criador. Consequentemente perdeu o acesso à árvore da vida para que não fosse um eterno pecador (Gênesis 3:22-24). Por isso, a família humana se tornou mortal.

Para dar ao ser humano a oportunidade de ter a vida eterna novamente, Jesus Cristo veio morrer na cruz no lugar dos seres humanos. Essa morte substituinte de Cristo pagou a dívida que tínhamos para com a lei de Deus. Hoje, pela fé em Jesus (João 3:16), somos declarados justos (Romanos 5:1) pelos méritos do Salvador. Ao aceitá-Lo como nosso Salvador pessoal, contamos com a presença do Divino Espírito Santo para nos ajudar em nossa preparação para o Céu, no aperfeiçoamento do nosso caráter (a Bíblia chama isso de santificação – ver Hebreus 12:14; João 16:8; Efésios 2:10). E quando Jesus voltar, o plano de salvação será finalizado. Ele terminará com o pecado e dará a vida eterna novamente àqueles que O aceitaram como Salvador e Senhor (ver 1 Coríntios 15:51-54 e 1 Tessalonicenses 4:13-18).

O fato de Jesus precisar vir a este mundo morrer no nosso lugar para pagar a dívida que tínhamos para com a santa Lei de Deus, demonstra que não somos imortais. Se, ao morrer, o ser humano fosse para o Céu, não haveria necessidade de Jesus vir a este mundo. Afinal, seria mais fácil Deus esperar todos morrerem para encontrá-los depois, no paraíso. Se o ímpio, ao morrer, fosse para o “inferno”, não haveria necessidade de Deus reservar um dia, no futuro, para puni-lo (leia Atos 17:31). Quando estudamos sobre a natureza do ser humano na Bíblia, percebemos que ele foi criado por Deus com três aspectos que compõem o ser: o físico (nosso corpo), o mental (cérebro, emoções…) e espiritual (nossa religiosidade). Podemos ver isso em 1 Tessalonicenses 5:23, onde nos mostra essa visão integrada do ser humano. Ali vemos que o ser humano não tem “três partes separadas”, mas que ele é composto por três partes inseparáveis. E, quando a pessoa morre, esses três aspectos do ser deixam de existir. Convém destacar que Deus quer levar para o Céu, não um “espírito” desencarnado, mas o ser humano por completo (ver Filipenses 3:20, 21).

A Bíblia ensina que após a morte o ser humano vai dormir no pó da terra: “…porque tu és pó e ao pó tornarás” (Gênesis 3:19). “Todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão” (Eclesiastes 3:20). Os textos não dizem que o ser humano irá para o Céu ou inferno. Afirmam que, ao morrer, todas as criaturas retornam à matéria original da qual foram formadas. Sendo que a humanidade não tem mais acesso à árvore da vida, é de se esperar que deixe de existir por ocasião da morte. A morte é um sono sem sonhos.1 Veja os seguintes textos bíblicos:

“Atenta para mim, responde-me, Senhor, Deus meu! Ilumina-me os olhos, para que eu não durma o sono da morte” (Salmo 13:3).

“Embriagarei os seus príncipes, os seus sábios, os seus governadores, os seus vice-reis e os seus valentes; dormirão sono eterno e não acordarão, diz o Rei, cujo nome é Senhor dos Exércitos” (Jeremias 51:57; 51:39).

Falando a respeito da morte de Seu amigo Lázaro, Jesus disse:

“…Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou para despertá-lo. Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Jesus, porém, falara com respeito à morte de Lázaro; mas eles supunham que tivesse falado do repouso do sono” (João 11:11-14). E a Bíblia continua:

Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E ainda mais: os que dormiram em Cristo pereceram. Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens (1 Coríntios 15:16-19).

Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem2 (1 Tessalonicenses 4:13-15).

Além disso, as Escrituras afirmam que não há consciência na morte. A pessoa não pensa, não lembra de pessoas ou coisas e não pode voltar para falar com os vivos:

“Pois, na morte, não há recordação de ti;no sepulcro, quem te dará louvor?” (Salmo 6:5).3

“Os mortos não louvam o Senhor, nem os que descem à região do silêncio” (Salmo 115:17).

Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem cousa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram: para sempre não têm eles parte em cousa alguma do que se faz debaixo do sol (Eclesiastes 9:5-6 (ler também o verso 10).4

O que é a alma?

A filosofia grega teve grande influência em nossa “compreensão” desta palavra. Infelizmente, os gregos tinham um conceito errado sobre o assunto. Para eles, a alma seria uma entidade imaterial capaz de sobreviver fora do corpo. O maior defensor desse conceito foi o filósofo Platão. E, devido à influência de Agostinho, essa crença passou para as igrejas cristãs também. O professor Otoniel Mota, pastor presbiteriano, em Meu Credo Escatológico, p. 3, afirma:

A doutrina da imperecibilidade da alma não é bíblica, mas pagã. Nasceu na Grécia e propagou-se na Igreja, através de Platão, do século V em diante, graças à influência de Agostinho. A doutrina de uma natureza simples, una, indivisível, etc., não se mantém diante das concepções psicológicas modernas e da teoria da mais racional acerca da propagação do ser humano, corpo e alma.

O forte desejo humano de continuar vivendo aliado à interpretação equivocada de alguns textos bíblicos se constitui num fator para a propagação da falsa doutrina da imortalidade da alma, entre as igrejas cristãs. Eis alguns dos textos mais “usados” para apoiar a ideia popular de que a alma continua viva por ocasião da morte: Gênesis 35:18, 1 Reis 17:21 e 22, Eclesiastes 12:7, Mateus 10:28, Lucas 16:19-31, 23:43, 2 Coríntios 5:8, Filipenses 1:21-23, 1 Tessalonicenses 5:23, Hebreus 12:22 e 23, Tito 2:26, 1 Pedro 3:19 e 4:6, 1 Pedro 2:4, Apocalipse 6:9, 14:115. Um princípio básico a ser seguido no estudo da Bíblia é o de usar os textos mais fáceis para entender aqueles mais difíceis. Não devemos fazer o contrário! Se seguirmos esse princípio ensinado por Isaías 28:10, desaparecerão todas as aparentes dificuldades apresentadas nos textos supracitados. Se a Bíblia afirma que a morte é um sono até a volta de Jesus, então vamos usar esses textos bastante claros para entender os mais obscuros.

A Bíblia tem uma visão diferente do que é a alma em relação ao ensino grego. Veja esta explicação extraída do livro “Imortalidade ou Ressurreição?”, escrito pelo Dr. Samuele Bacchiocchi (p. 58 e 62):

…a Bíblia se refere 13 vezes à morte humana como sendo morte da alma (Levítico 19:28; 21:1, 11; 22:4; Números 5:2; 6:6, 11; 9:6, 7, 10; 19:11, 13; Ageu 2:13). A alma é a pessoa como um indivíduo. Em Miquéias 6:7 lemos: “darei o meu primogênito pela minha transgressão? O fruto do meu corpo pelo pecado da minha alma [nephesh]?” A palavra hebraica traduzida aqui por “corpo” é beten, que significa barriga ou ventre. O contraste aqui não é entre o corpo e a alma. Ao comentar este texto, Dom Wulstan Mork escreve: o sentindo não é que a alma seja uma causa humana do pecado, com o corpo como o instrumento da alma. Antes, o nephesh, a pessoa viva integral, é a causa do pecado. Portanto, neste verso, a responsabilidade pelo pecado é atribuída à nephesh como pessoa.6

Concluindo: na Bíblia, o conceito principal de alma é a pessoa vida (ver Deuteronômio 10:22). Gênesis 2:7 diz que o ser humano é uma alma e não que ele “tem” uma alma.7 Reforço: a morte é um sono até a volta de Jesus.

O que é o “espírito”?

Essa palavra pode ser traduzida de várias maneiras, mas o seu significado principal é fôlego de vida. É aquela espécie de “ar” que saiu da boca de Deus, o princípio vital que o Criador soprou nas narinas do ser humano depois que o formou do pó da terra. Você pode ler isso em Gênesis 2:7.

Não precisamos temer a morte. Logo, Jesus voltará para dar fim a essa triste realidade. A solução que Ele tem para a morte é a ressurreição. Ressuscitar significa “fazer surgir de novo”. Com Seu poder infinito, Deus fará com que os mortos surjam novamente do pó da terra: “Os vossos mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho, ó Deus, será como o orvalho de vida, e a terra dará à luz os seus mortos” (Isaías 26:19). Aceite Jesus como seu Salvador, apegue-se a essa promessa e viva com esperança!

Biblia.com.br

_______________

1 A Bíblia compara a morte a um sono mais de 50 vezes.

2 Repare que o verbo “dormir” está no presente, indicando que, atualmente, os mortos dormem.

3 Neste texto, é dito que não há recordação de Deus. Se a pessoa estivesse no Céu, quem mais ela iria lembrar seria do Criador, com certeza!

4 Se, após a morte, o “espírito” fosse para o Céu, ele sentiria amor. Caso fosse destinado ao “inferno”, sentiria ódio e inveja. Portanto, se os mortos não podem ter tais sentimentos, isso indica claramente que eles não estão em lugar algum, a não ser na sepultura, dormindo até o dia da ressurreição.

5 Se tiver dificuldades em entender algum (ou outro) desses textos, mantenha contato com a Escola Bíblica.

6 Dom Wulstan Mork (nota 13), p. 40.

7 A palavra “alma” pode ser traduzida de várias formas. Entretanto, em nenhuma delas encontramos a ideia de que a alma “sai do corpo”.

Anterior O rico e Lázaro, o seio de Abraão e o tormento dos ímpios
Próximo Cuidado com a serpente!

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 485 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 0 Comentários

Quem ressuscitou a Jesus Cristo? (João 10:17, 18)

INTRODUÇÃO Um ouvinte do programa “Lições da Bíblia”, que apresento na Rádio Novo Tempo diariamente, disse que eu havia me equivocado em dizer que “Deus Pai ressuscitou a Cristo”. Afinal,

Apologética Cristã 1Comentários

O bode emissário

Uma análise detida de Levítico 16, à luz da tradição judaica, revela que o “bode emissário” (hebraico Azazel) é um símbolo de Satanás (e não de Cristo). Essa identificação é

Apologética Cristã 0 Comentários

Isaías 17 e a guerra na Síria

O conflito na Síria e a decisão dos Estados Unidos de atacar uma base militar no interior do país está despertando um intenso debate teológico sobre a ligação que estes

2 Comentários

  1. Roselia
    março 17, 00:02 Resposta

    Quando Jesus foi crucificado tinha outros junto com ele ele disse ainda hoje estaremos juntos em uma das morada de meu pai eles ia morrer como se explica isso?

    • marcita
      março 27, 11:55 Resposta

      Exatamente. Jesus disse ao ladrão: hj mesmo estarás comigo no paraíso. A Bíblia é cheia de figuras de linguagem. Se for para levar ao pé da letra, temos que arrancar olho e mão, por exemplo. Esse “sono” nada mais é que mais uma dessas figuras de linguagem. A parabola do rico e do Lázaro também desmente esse “sono”. Outra coisa: Alguém pode me dizer o que aconteceu com as pessoas que morreram antes de Jesus vir à Terra morrer por nós? Todos condenados à perdição eterna? Outra coisa que não cabe: Deus fez o homem para felicidade eterna, mas o pecado atrapalhou ??? Onde está a onisciência de Deus????

Deixe seu Comentário