Apologética Cristã

O rico e Lázaro, o seio de Abraão e o tormento dos ímpios

Muitos acham que a parábola representa os mortos como indo para um estado intermediário, onde os justos são tratados amorosamente por Abraão, num lugar denominado “seio de Abraão”, e os ímpios, noutro lugar, mantidos numa condição de tormento. Apoia a Bíblia essa crença?

Pr. Rubens Lessa

“Peço que me ajudem a compreender o que está escrito em Lucas 16:19-31.”

A compreensão das circunstâncias em que esta parábola foi dada por Jesus, é extremamente importante. Por quê? Porque, naquele tempo, havia muitos na nação judaica que se encontravam na mesma condição lastimosa do rico, ou seja, usando egoística e inadequadamente as suas riquezas. Muitos judeus, por serem descendentes de Abraão, achavam que a salvação lhes estava garantida. Qual, portanto, o propósito da parábola? A resposta é óbvia.

De uma maneira bastante vívida, revela como termina o tempo de graça para o homem com sua morte. Após isso, ele não tem uma segunda oportunidade. Esta parábola serve para demonstrar o desesperançado futuro dos infiéis. Muitas pessoas, no entanto, acham que a parábola representa os mortos como indo para um estado intermediário, onde os justos são tratados amorosamente por Abraão, num lugar denominado “seio de Abraão”, e os ímpios, noutro lugar, mantidos numa condição de tormento.

Apoia a Bíblia essa crença? Se esta interpretação fosse verdadeira, as Escrituras Sagradas seriam incoerentes, visto que negam insistentemente um estado intermediário. Como prova de que a parábola em foco não sustenta esse ponto de vista, mencionemos alguns postulados bíblicos.

1. Os mortos estão reservados “para o dia do juízo” (2 Pedro 2:9). Se estão reservados para serem punidos, então é porque não o estão sendo agora. Nem mesmo os demônios estão sendo punidos presentemente. Eles também estão “reservados… para o juízo do grande dia” (Judas 6). Os próprios demônios perguntaram a Jesus: “Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?” (Mateus 8:29).

2. Segundo a Bíblia, os mortos não estão conscientes. Não têm os dotes da fala, audição, sede e sentimentos, nem manifestam interesse nos que estão vivos. “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma…, mas a sua memória ficou entregue ao esquecimento” (Eclesiastes 9:5).

3. Não existe um lugar literal denominado “seio de Abraão”. Mas, segundo Josefo, famoso historiador, os judeus do tempo de Cristo tinham uma fábula muito semelhante à parábola dada por Cristo. Não se pode deixar de reconhecer a íntima semelhança entre a fábula judaica e a parábola do rico e Lázaro. Os judeus do tempo de Jesus costumavam chamar o lugar dos justos de “Seio de Abraão”, mas isto não é bíblico. Jesus, sabiamente, usou algo parecido para ensinar uma lição aos que se apegavam às coisas materiais, negligenciando as oportunidades de fazer o bem e de tomar decisões corretas nesta vida. Apenas algumas provas de que “o seio de Abraão” não é um lugar literal:

a) As Escrituras, como já mencionamos antes, dizem que os mortos não sabem coisa nenhuma; que eles não mais amam, nem estão interessados nos viventes. Eles não podem manter vivas suas próprias almas, de modo que almas mortas nada significam (ver Ezequiel 18:20; Tiago 5:20).

b) Não será senão por ocasião do Advento de Cristo que os “bons” e os “maus” serão separados. É nessa ocasião, disse Jesus, que Ele separará as ovelhas dos bodes – os justos dos ímpios – e convidará os justos a tomarem posse de sua recompensa (Mateus 25: 31-34). O diálogo entre Abraão e o homem outrora rico, é figurativo. O importante é o propósito da parábola: “A lição a ser tirada dela é que a todo homem é dada suficiente luz para o desempenho dos deveres dele exigidos. As responsabilidades do homem são proporcionais às suas oportunidades e privilégios” (Parábolas de Jesus, 265).

O rico da parábola, extasiado com as coisas do presente, não se preocupou com o preparo para a vida futura. O uso dos bens em favor dos pobres e o preparo para o Céu não teriam um novo período de graça. Cremos que as seguintes afirmações de Ellen White nos ajudam a entender melhor o significado da parábola: “Esta parábola traça um contraste entre o rico que não confiara em Deus e o pobre que nEle depositara confiança.” (Parábolas de Jesus, p. 260). “Deus fizera do rico um mordomo de Seus meios, com a obrigação de atender justamente a casos tais como o do mendigo” (Idem, p. 261).

“Lázaro representa o pobre sofredor que crê em Cristo” (p. 2 6 2 ). “Cristo desejava que Seus ouvintes compreendessem a impossibilidade de o homem assegurar-se a salvação da alma depois da morte” (p. 263). “Deste modo Cristo mostra a completa falta de esperança em aguardar uma segunda oportunidade. Esta vida é o único tempo dado ao homem para preparar-se para a eternidade” (p. 263). “O rico passara a vida em complacência própria, e demasiadamente tarde viu que não fizera provisão para a eternidade” (p. 264). “O rico professava ser filho de Abraão, porém foi alienado de Abraão por um abismo intransponível – o caráter incorretamente formado…. O grande abismo posto entre ele e Abraão era o abismo da desobediência” (p. 269).

Como se vê, esta parábola não pode ser usada como prova do estado intermediário do homem após a morte, mas tem a finalidade de revelar como termina o tempo de graça que lhe é concedido por Deus.

Biblia.com.br

Tags:

One comment

  1. Olá, Leandro!
    Aprendo muito em seu programa e te acompanho nas redes sociais. Parabéns pelo seu trabalho!
    Meu esposo é de um segmento da igreja adventista, da reforma, onde os homens usam barba e as mulheres usam veu.
    Gostaria que fosse abordado essas ramificações da igreja adventista, acompanho ele na igreja porém não concordo com o uso do véu e outros dogmas.
    Os membros realizam todos os anos as festas das cabanas e acreditam no dia da expiação, tiram o Dia fazendo jejum.
    Até casar com ele não conhecia essas ramificações da igrja adventista, reforma, 3% e alguns outros que não me recordo.

    Na igreja se fala que Ellen White, nos seus livros, descreve sobre o uso do véu, barba e festas das cabanas.
    Gostaria que aclarasse isso, nos seus meios de informar à nós leigos.

    E se isso ainda é necessário? Será que a igreja abandonou as primeiras obras?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *