O ser humano foi criado mortal ou imortal?

O ser humano foi criado mortal ou imortal?

A fim de compreender o conceito bíblico de imortalidade precisamos fazer uma clara distinção entre a imortalidade inerente a Deus e a imortalidade condicional das Suas criaturas. A Bíblia afirma que Deus é “o único que possui imortalidade” inerente em Si mesmo (1 Timóteo 6:16). Como a única Fonte da vida, Deus concedeu originalmente o dom da imortalidade a todas as Suas criaturas, na condição de que estas continuassem vivendo em plena comunhão com Ele. Portanto, o estado de imortalidade no qual o ser humano foi originalmente criado não era algo inerente em si mesmo, mas derivado do relacionamento com Deus.

Assista aqui o seminário completo sobre a imortalidade da alma:

Quando Adão e Eva se separaram de Deus, pelo pecado, perderam o dom da imortalidade, tornando-se sujeitos à morte (Gênesis 3). Paulo esclarece que “o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23) e que pelo pecado de Adão entrou a morte no mundo (Romanos 5:12). O homem natural, separado de Cristo, permanece em estado de total alienação espiritual (Isaías 59:2; Efésios 2:1 e 5) e haverá de sofrer finalmente a morte eterna e a completa destruição (Malaquias 4:1). Por outro lado, aqueles que aceitam a Cristo como Salvador pessoal obtêm dEle, já nesta vida, a garantia da vida eterna (1 João 5:12) e receberão, por ocasião da segunda vinda de Cristo, o dom da imortalidade (1 Coríntios 15:51-54).

É certo que muitos cristãos, ao longo dos séculos, creram e ainda continuam crendo que o ser humano possui uma alma imortal que habita em um corpo mortal. Essa alma permaneceria viva e consciente mesmo após a morte do corpo. Mas Oscar Cullmann, em sua célebre obra intitulada Immortality of the Soul or Resurrection of the Dead? The Witness of the New Testament (Imortalidade da Alma ou Ressurreição da Morte? O que diz o Novo Testamento), demonstra que essa teoria não é um conceito bíblico, mas uma reminiscência da filosofia grega. A Bíblia diz que o homem é um todo indivisível (Gênesis 2:7), e que nenhuma de suas partes continua existindo conscientemente separada do todo (ver Salmo 115:17; 146:4; Eclesiastes 9:5 e 10).

Pr. Alberto Timm, Ph.D.

Anterior O pensamento hebraico comparado ao grego
Próximo Alma vivente

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 464 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Sem categoria 0 Comentários

As mentiras que falam sobre modéstia cristã

O cristão não deve chamar atenção para si, mas sim para a notícia: Deus e o evangelho. Isso é modéstia!

Sem categoria 0 Comentários

Alma e espírito

“Tenho uma amiga que não consegue entender a respeito da morte. Ela acha que alma e espírito são a mesma coisa e com isso, pensa que quando morremos vamos para

Sem categoria 1Comentários

Por que o ano de 457 a.C. é o início da contagem dos 490 anos de Daniel 9:24-27?

Pr. Gerhard F. Hasel, Ph.D. O ponto de partida para as “setenta semanas”, (setenta shabu’im [1] ) de acordo com ‘o historicismo’ [2], é a “saída da ordem para restaurar

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!