FAQ - Dúvidas FrequentesRespostas bíblicas

Perguntas e Respostas Sobre o Dízimo

Introdução

Antes de ler as respostas sobre o dízimo do presente post, você deve ter um pressuposto correto sobre a prática de dizimar. Afinal, é sobre uma base sólida que se constrói uma casa. Se a compreensão que tem da doutrina do dízimo é errada, sua base doutrinária é fraca e prejudicará grandemente a construção de seu pensamento. Assim, o post não lhe ajudará em nada.

Precisamos partir do pressuposto de que não somos salvos pelo dízimo. Somente Jesus é nosso caminho para o céu (Jo 14:6) e a salvação é um presente de Deus. Não a conquistamos por aquilo que fazemos (Ef 2:8, 9).

Por isso, o dizimar é a consequência de um coração que adora a Deus (Ml 3:10) e reconhece-O como o dono de tudo aquilo que a pessoa tem (ver Sl 24:1). Como desejamos que Jesus volte logo, seguiremos esse princípio de adoração para que existam cada vez mais recursos financeiros para a pregação do evangelho (1Co 9:13, 14).

Agora estamos mais preparados para compreendermos as respostas que serão dadas a seguir.

Se eu não dizimar, posso perder minha salvação?

Como destacado anteriormente, a salvação não é pelas nossas obras (Ef 2:8,9). Tudo o que fazemos, por mais bem-intencionado que seja, é comparado a “trapo de imundícia” (Is 64:6), pois até mesmo nossas boas intenções estão corrompidas pelo pecado (Jr 17:9; Rm 3:23). Dependemos totalmente da graça de Deus.

Entretanto, a graça de Deus não nos salva para sermos “pecadeiros”, que fazem do pecado um estilo de vida. Desse modo, uma pessoa que aceita a Cristo e recebe Sua graça, mesmo continuando a ser uma pecadora (1Jo 1:8), não pode ser uma “pecadeira” (1Jo 3:9).

O não dizimar é visto na Bíblia como “roubo” a Deus (Ml 3:8, 9). Considerando que os ladrões que não se arrependerem ficarão de fora do reino dos céus (1Co 6:10), podemos concluir que qualquer pessoa que rebeldemente rouba ao Criador está dizendo não à graça transformadora e, desse modo, não poderá fazer parte do grupo de salvos se não vier a se arrepender.

Ellen G. White bem escreveu: “Toda negligência do dever que é um roubo para com Deus, significa maldição sobre o delinquente”[1].

Devo devolver o dízimo de presentes que recebo?

É óbvio que não vamos ficar dizimando até mesmo uma “bala” que ganhamos. Porém, Levítico 27:32 nos diz que “de tudo o que passar debaixo do bordão do pastor, o dízimo será santo ao SENHOR”. Esse princípio nos mostra ser importante dizimarmos presentes significativos que ganhamos de Deus através de outras pessoas e que nos geram lucros reais.

Certa vez ganhei um terno de presente após uma semana de oração que realizei. Decidi dizimar o valor do mesmo por ter ganhado algo que me fez economizar na compra de uma roupa que eu realmente precisava. Faço isso sempre que recebo algo de valor mais significativo, e sou cada vez mais abençoado pelo Criador.

O dízimo deve ser devolvido sobre o salário bruto?

Com certeza. Afinal, não nos beneficiamos somente do nosso salário líquido.

A exceção se aplica aos comerciantes, por exemplo. Eles não deveriam dizimar do lucro bruto, mas do seu lucro real: o líquido. Por isso, devem subtrair as despesas operacionais (que fazem o negócio funcionar), entre outras.

Empresários deveriam também deduzir salários dos empregados, materiais usados para a produção, o aluguel pago para estar naquele estabelecimento, etc. Após deduzir essas coisas, sobra seu real lucro, do qual deve dizimar.

Devolvendo hoje o dízimo sobre o salário bruto, quando me aposentar preciso devolver visto que o INSS já foi dizimado?

A seguir, disponibilizarei parte da resposta dada pelo Pr. Roberto R. Roncarolo em seu livro Perguntas Sobre o Dízimo, publicado em 1984 pelo então Departamento de Mordomia e Desenvolvimento da Divisão Sul-Americana da IASD:

“Do ponto de vista técnico-contábil parece que a resposta é não […] O capital que se formou para o pagamento da aposentadoria não foi constituído somente das contribuições dizimadas do interessado, mas também das quantias não dizimadas do patrão. Nesse caso, cada vez que recebe sua aposentadoria, o aposentado deveria dizimar pelo menos a parte da quantia do patrão”[2].

Vendi uma casa. Preciso devolver o dízimo do valor total?

Se a casa foi adquirida com dinheiro previamente dizimado, obviamente não há necessidade de dizimar após sua venda. Entretanto, se foi comprada com recursos que não foram dizimados, deve-se sim dizimar seu valor.

Consideremos o exemplo de Abraão em Gênesis 14:20: “Aí Abrão deu a Melquisedeque a décima parte de tudo o que havia trazido de volta”.

Se quiser, proponha mais perguntas e ampliarei esse artigo ou produzirei outro 😉

Fique com a paz de Cristo.

Referências

[1] Ellen G. White, Testemunhos Para Ministros (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2012), p. 307.

[2] Roberto R. Roncarolo, Perguntas e Respostas Sobre o Dízimo (Brasília, DF: Divisão Sul-Americana, 1984), p. 39.

 

Tags:

31 comments

  1. Embora não seja errado dizimar, o dízimo não é mais obrigatório porque fazia parte da lei que se encerrou com a morte de Cristo. (Rom 10:4)

    Mas o princípio por trás da lei do dízimo continua no N.T, ou seja, dá com alegria nosso melhor pra Deus ( 2 Cor 9:7).

    Portanto, quem dá o dízimo por amor, faz bem. Quem não dá o dízimo, mas oferta seu máximo com amor, mesmo que seja “duas moedinhas de pouco valor”, também faz bem.

    1. Embora discorde do irmão do modo como aplicou Romanos 10:4, gostei de sua maneira de expor seus argumentos de forma equilibrada e respeitosa. Creio que o dízimo é sim obrigatório.

      1. Caro irmão Juninho: obrigado por seu retorno sobre o artigo! Agradeço também por sua forma respeitosa em discordar de minha posição sobre Romanos 10:4. Escreverei um post sobre isso e o irmão se sinta à vontade para expor sua opinião 😉 Um abraço.

        1. Leandro Quadros, creio que o Juninho se refira ao meu comentário sobre Romanos 10:4.

          Ele concorda que dizimar seja obrigatório.

      2. Juninho, obrigado por também expor com respeito sua opinião.

        Mas estude com calma os textos que vou lhe passar e verás que o dízimo não é mais obrigatório:

        A tribo de Levi foi separada para o sacerdócio em Israel, sendo assim, eles não podiam trabalhar pra se sustentar, já que estavam 100% dedicados ao serviço de Deus. As outras tribos então contribuam com 10% de tudo o que tinham pra sustentar essa tribo. (Hebreus 7:5; Lev 27:30-32; Núm 18:21, 24)

        Os levitas, por sua vez, davam um décimo do que recebiam ao sacerdócio arônico, para o sustento deste. (Núm 18:25-29)

        Mas, quando a Lei findou, tendo cumprido seu objetivo, o requisito do dízimo, que fazia parte dessa Lei, também foi abolido. Sobre isso, o apóstolo Paulo afirmou: “Pois, mudando-se o sacerdócio, NECESSARIAMENTE HÁ TAMBÉM MUDANÇA DA LEI.” (Heb. 7:12)

        A nação de Israel e seu respectivo templo deixaram de ser o centro da adoração a Deus, sendo assim, a salvação estendida a todas as pessoas de todas as nações. Não temos mais uma tribo pra sustentar.

        Cristo agora é nosso sacerdote, não uma tribo.

        Agora façamos um exame honesto de Malaquias 3:10.

        Quando foi escrito o livro de Malaquias, a Lei dada a Israel vigorava. Era, pois, natural que Jeová esperasse que os que compunham o seu povo naquele tempo mostrassem o seu apreço pelas provisões divinas por pagarem prazerosamente o dízimo.

        Mas observe o objetivo desse requisito: “Para que venha a haver alimento na minha casa.”

        Visto que os levitas atuavam em seu cargo sacerdotal por tempo integral, Jeová fez esse amoroso arranjo para o sustento deles. (Veja Nee. 10:37)

        Quando os israelitas deixavam de cumprir com o requisito do dízimo, os que trabalhavam no templo tinham de deixar seu serviço sagrado para se empenhar em trabalho secular para o sustento próprio, resultando no prejuízo da adoração verdadeira. (Nee. 13:10-12) Mas, como disse Paulo, no cristianismo o arranjo do sacerdócio levítico deixou de existir, havendo necessariamente também “mudança da lei” – da Lei mosaica para a “lei do Cristo”. (Heb. 7:12; Gál. 6:2)

        “Mais e a igreja e os pastores pra se sustentar precisa de dinheiro”, dizem os dizimistas. Sim, mas a bíblia no NT não exige o dízimo, mas sim ofertas voluntárias dadas de coração pra se sustentar a igreja. E os pastores que trabalhem pra viver. Paulo fazia isso, pq os pastores de hoje não podem fazer o mesmo?

        “Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria”. (2 Coríntios 9:7)

        “Porque, se há prontidão, a contribuição é aceitável de acordo com aquilo que alguém tem, e não de acordo com o que não tem.” (2 Coríntios 8:12)

  2. Bem eu não tenho o seu conhecimento bíblico Leandro, mais então se eu não der o dizimo estarei roubando a Deus, e por isso irei para o inferno???

    O dízimo é obrigatório para quem quer ser salvo.

    No nosso país ninguém tem dinheiro pra nada.

    mais que Deus abençoe amigo, espero do fundo do coração que vc esteja errado!!! pq senão eu não vou para o céu 🙁

    1. Christopher,

      Querido irmao em Cristo, eu tenho a plena conviccao que o dizimo e um principio de Deus dado a todo ser humano, visto que “roubo sempre sera roubo” seja no velho ou novo testamento.Eu particularmente, demorei para perceber que o ato de dizimar esta ligado a fidelidade, lealdade e amor a um Deus tao maravilhoso que nos dar tanto e que fica feliz com a nosso gesto de devolver um pouquinho do tanto que recebemos.
      Jesus disse que ” O Espirito Santo nos guiaria a toda verdade” e este fato e tao real, pois aos poucos o Espirito Santo foi implantando o desejo em meu coracao de dizimar e alguns meses depois de dar as minhas ofertas para ajudar o proximo.Hoje me sinto feliz, sinto paz em meu coracao e posso afirmar que sem esperar as bencoes se multiplicaram.
      Que o Espirito Santos te ilumine e molde a sua vida de acordo com a vontade de Deus.

  3. Shalom lekulam! (Paz para todos!)

    Respeito o posicionamento do pastor Leandro Quadros. Todavia, a forma como conduz as supostas assertivas está repleta de sofismas. As Escrituras trabalham sobre a perspectiva da justiça social. Logo, não há Mandamento expresso sobre a ordenança do Dízimo destinado a pastor ou a instituição religiosa (as denominações). Tudo isso é fruto de manipulação agregada à fé cega da maioria das pessoas. Como citou o pastor, Malaquias 3:8-9 é a referência fundamental para se enganar impondo medo nos indivíduos. Sejamos coerentes e pratiquemos uma Emuná (Fé) racional.

    Levítico 27:30 – “Todos os Dízimos na terra pertencem a YHWH (O ETERNO), e são dedicados a YHWH (O ETERNO).”

    Provérbios 19:17 – “Quem dá aos pobres, dá a YHWH, e ELE o recompensará”.

    Na mesma ótica, em Mateus 25:31-46, Yeshua (Jesus) ensina que quando fazemos a um necessitado (faminto, sedento, enfermo, presidiário, etc.), estamos fazendo “DIRETAMENTE” a Ele.

    Hoje, é enganado quem quer!

    Judas é uma prova explícita que vender Jesus, até hoje, é lucrativo.

    Por isso, quem cobra ou recebe salário para pregar/cantar vende aquilo que não lhe pertence.

    Yeshua (Jesus) ensinou: “recebei de graça, de graça dai” (Mateus 10:8)

    Que YHWH (O ETERNO) nos abençoe!!!

  4. “Não somos salvos pelo dízimo” OK certíssima a esplanação.

    ” Todas as vezes que ganho um presente de valor significativo, dou o dizimo de seu valor, e tenho sido cada vez mais abençoado pelo criador”

    Quanto mais dízimo eu dou mais eu sou abençoado?

    Achei que as bençãos de Deus também independiam do dízimo!

    1. Lendo o testemunho da Irmã Daiana, lembrei me da barganha que Jacó fez com Deus

    2. Nos faz lembrar de Jacó, barganhando com Deus.

    3. Amada Daiana, graça e paz do Senhor Jesus! Eu acredito que deu esse exemplo, para mostrar a fidelidade de Deus para com ele. Dízimo é questão de amor e opção. Talvez você não concorde com ele nesse ponto, e não tem problema. A sua afirmação sobre as bençãos de Deus está correta, elas não dependem “SÓ” do dízimo.

  5. Obrigado pastor respondeu muitas dúvidas sobre como dizimar mas ficou uma agradecia
    Quando faço um empréstimo bancário devo Lver o dizimo e abater as parcelas no salario novo

  6. Perguntas e Respostas Sobre o Dízimo – Leandro Quadros Olá Galera, estou usando um excelente webservice para envio de Sms em Asp. Muito Fácil, os códigos já estão prontos só baixar: Acessa http://www.aspsms.com.br muito Bom Mesmo Galera!

  7. A paz do Senho à todos.

    Leandro li e percebi que muitas coisas aqui não fazem sentido, assim, permita-me comentar alguns pontos sobre o DÍZIMO, que considerei importantes.

    VOCÊ ESCREVEU:
    “Muitos argumentam contra a vigência do sistema de dízimos fazendo uso de textos bíblicos fora de contexto e de argumentos extremamente fracos.
    “…e que o motivo do cristão ao dizimar dever ser adorar Aquele que é dono da “terra e tudo o que nela se contém” do “mundo” e dos “que nele habitam” (Sl 24.1”

    COMENTANDO:
    Você fala de “uso de textos bíblicos fora de contexto e de argumentos extremamente fracos” e logo no início dá como exemplo, justamente o Salmo 24:1, que não tem nada a ver com dízimo?

    Talvez seu intento seja a seguinte premissa:
    “Deus É Dono de tudo, logo, o dízimo é dEle, então devemos devolve-Lo.”

    Porém Ele determinou, orientou, especificou quem deveria dar, receber, o que fazer, onde dar PARTE desse dízimo e o fez a um povo especifico e essas informações contidas nas Escrituras devem ser respeitadas, não podemos especular, ir além do que ela (a Bíblia) nos informa, nos ensina.
    Logo, não podemos generalizar com essa forçada de barra, ao citar o Salmo, satanás e suas hostes povoam e habitam os ares, a terra e o abismo, e, mesmo assim, NÃO SÃO de Deus.
    Não basta dizer simplesmente que tudo é de Deus, e colocar o dízimo no meio como mandamento, é preciso verificar o contexto escriturístico, o Salmo portanto, não tem nada a ver com contribuição a Deus, ele fala do Seu poder.

    Usar este trecho do Salmo, é como se quisesse mostrar pra uma pessoa, que ela não sabe nadar então amarram-na dos pés a cabeça e a jogam no mar, ao se afogar, conclui-se: “Essa pessoa realmente não sabia nadar.
    Simples se fosse assim, não?
    Est é o famoso ARGUMENTO DO SILÊNCIO, um termo utilizado para denominar uma conclusão que se baseia na indução e ou ausência de uma afirmativa em documentos históricos (ao contrário da conclusão mais comum, baseada na presença de uma). No caso aqui, considerado uma INDUÇÃO, por da falta de referências ao dízimo ignorada por Deus.

    VOCÊ ESCREVEU:
    “…um décimo (ou 10%) não apenas do que era colhido, mas também à 10% de tudo o que chegasse ao doador como resultado das bênçãos de Deus. Prova clara disso encontramos em Gênesis 14.20 e 28.22.”

    COMENTANDO:
    Você diz que um décimo (ou 10%) não apenas do que era colhido…” e cita Abraão como exemplo.
    A Bíblia não diz e nem sugere, conforme veremos nos textos que se seguem, que Abraão NÃO era dizimista, não dando margem assim, a especulações e nem a possibilidade de se pensar que ele regularmente o fazia do que era “colhido”, além dos despojos.

    A lei do dízimo, com a regulamentação na forma de alimento, colheita, animais, viria depois e está em Lv. 27:30 a 34.

    A Bíblia também não diz e nem sugere que TUDO que chegasse a Abraão, mas foi ele que se “SE CHEGOU” a uma guerra e dela separou 10% das melhores partes e nem fez questão de ficar com os 90%.

    E se é “verdade preciosa que o Sacerdote Melquisedeque não pressionou Abraão”, só nos serve de subsidio, PROVA de que este dízimo foi VOLUNTÁRIO.
    E se isso ainda não o satisfaz, veja que em Nm 31, nos dá informações de que despojo não é nenhum parâmetro para divisão em 10%, como é o dízimo.
    Lá encontra-se relatos de outra vitória numa guerra, onde coube aos Sacerdotes e Levitas 2% dos despojos.
    O que se prova aqui?
    Que Abraão deu 10% (como poderia dar 2,3%…)dos despojos e VOLUNTARIAMENTE e não porque Deus o tenha exigido.
    Fica mais do que provado ainda, em Nm. 31, que a partilha de despojo ordenada por Deus (2%) é diferente da praticada por Abraão e isso é também uma “verdade preciosa.” Assim, ele deu 10% por que quis dar.

    Gênesis 28:20,22 (O VOTO DE JACÓ)
    Vê-se claramente nestes versos a ausência de uma ordenança bíblica acerca do dízimo e muito menos de TUDO.

    Sabe-se que era costumes dos Patriarcas, os ensinamentos passar de geração para geração.
    Abraão circuncidou a Isaque ” como Deus lhe ordenara” (Gn 21:4), mas nunca fez “MENÇÃO” e não lhe disse nada sobre algo tão importante, o dízimo?????

    Agora veja por exemplo algo que NÃO foi ordenado, a edificação de altares ao Senhor, por exemplo, era uma prática:
    Gn. 8:20 “Levantou Noé um altar ao Senhor.”
    Gn. 12:7 “… ali edificou Abrão um altar ao Senhor…”
    Gn. 26:25 Isaque “… levantou ali um altar e tendo invocado o nome do Senhor, armou a sua tenda…”

    O dízimo, tão “importante” e nenhum relato, de modo a dar a entender que Abraão, praticava e que naturalmente teria ensinado a seu filho Isaque, como nos casos acima dos ALTARES???

    Uma observação interessante.
    Abraão circuncidou a Isaque, porque ” o Senhor lhe ordenara” (Gn 21:4), mas nunca lhe disse nada sobre o dízimo?
    Ora, então é porque o Senhor não lhe ordenara.
    Simples, não? Sim, veja:
    “são esses os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel no Monte Sinai”. Lv. 27:34
    Se o Senhor estava ordenando ali que desse o dízimo, é que Ele antes NÃO era requerido. Certo?
    Enquanto que a circuncisão, não foi instituída junto com as demais ordenanças porque já tinha sido dado em Abraão, em Gn 21:4. No entanto, o dízimo o foi em Levítico, porquanto não tinha ainda sido ordenado.

    E o voto de Jacó?
    Se a Bíblia relata que Abraão DEU (não dava) o dízimo uma única vez.
    Relata que Abraão deu de sobras de guerra, não de seu patrimônio
    Relata uma verdade preciosa que Abraão deu o dízimo VOLUNTÁRIO, pois não foi pressionado, obrigado por ninguém a fazê-lo.

    Relata que Abraão circuncidou Isaque, por ordem de Deus, mas não relata nada sobre dízimo com seu filho
    Relata várias passagens de práticas de edificações de altares, que NÃO foi ordenado, porém sobre o dízimo, não há relatos e nem sugestão de que essa ordenança passou de pai pra filho.
    E relata também que Jacó ao fazer um voto, mostra mais uma, exaustiva vez que não existia tal pratica, se o dízimo, fosse PRÁTICA, Jacó não votaria, cumpriria, pois não se vota em fazer aquilo que já se faz.

    A propósito, a título de que Jacó teria dado o dízimo a Deus?
    Não existiam templos, nem sacerdotes levitas, o que nos leva a conclusão que o dízimo de Jacó não foi repassado a nenhum homem e muito menos a sacerdote. Caso ache estranho, leia em Dt. 14.23, o dízimo consumido pelo próprio ofertante, isso se de fato ele cumpriu o voto, pois a Bíblia não nos dá nenhuma pista de sua fidelidade neste quesito.

    E pensar que pra você basta, “MENCIONAR” sobre algo (sobre Hebreus 7) e vira mandamento.

  8. Blá blá blá! Todos vocês são tolos a respeito da palavras de Deus,como está escrito em Matheus 15_14 Deixai-os; são guias cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão no barranco. Cães gulosos , raça de víbora,preferem ouvir a homem e não a Deus, maldito o homem que confia no homem, se alguém ir além do que está escrito seja amaldiçoado,

  9. Olá, pastor! O FGTS deve ser dizimado? Obrigada, pela atenção.

  10. Uma pergunta: Se alguém paga uma conta, um boleto de faculdade por exemplo. Devo dizimar esse valor pago?

    1. Cleide, a paz.

      Veja, para a grande maioria dos pastores, dar dízimo é você tirar 10% de seu salário e colocar na “mão dele”, porém a Bíblia não ensina isso em lugar nenhum, nem em algum lugar especifico como é ensinado hoje.
      Houve um tempo em que Deus separou um povo, os Levitas e estes receberiam os dízimos e o dízimo desse dízimo sim, deveria ser levado no templo. Além dessa clareza toda, o Senhor deixou bem claro também que seria de alimento, dinheiro já exista na época, mas Ele determinou que fosse na forma de alimento. Pergunto:
      Em qual contexto você colocaria esta sua situação hoje, na do homem ou de Deus? Em nenhuma certo?

  11. “Se eu tenho renda de R$120,00 para comprar comida e ganho uma geladeira no valor de R$1000,00. Como devo proceder na devolução do dízimo?”

    1. Josué, a paz.

      Deus determinou que o dízimo (da agricultura e pecuária) fosse entregue aos Levitas e como herança, não temos nada a ver com isso e olha que dinheiro já existia naquela época, mas Deus determinou que fosse alimento, logo esqueça esse negócio de dízimo de bens recebidos. Agradeça a Deus pela benção e viva bem.

  12. Olá queridos! Eu tenho uma dúvida. Eu falo sem nenhuma especulação, mas somente por curiosidade e pela necessidade também de respostas a pessoas céticas quando me questionam. A quem Jacó devolveu o dízimo? Gênesis 28:22.
    Eu particularmente tenho algumas opiniões, mas preciso de mais subsídios.

    Graça e paz.

    1. A paz Vanderlan,

      Leia minha mensagem acima. Comentei algo sobre o voto de Jacó, na questão do dízimo e tire suas conclusões.

    2. No texto aparece o condicional “SE” – Esta palavra se torna intrigante no contexto da história. Jacó aparece orando a Deus. “Senhor, se eu for abençoado, se eu tiver comida, roupas, proteção, então em pagarei dízimos”. Se Deus não o abençoasse ele não deveria pagar nenhum dízimo ao Senhor. “Primeiro a Benção. Depois meu Dízimo!”. (Gênesis 28,20)

      A quem Jacó pagou o dizimo se o Sacerdócio passaria existir 400 anos mais tarde!

      Na Bíblia não encontramos resposta escrita, mas o bom senso pode nos induzir a uma resposta. Penso que o melhor que poderíamos concluir para a questão é isto:

      Sem duvida Jacó seguiu os princípios bíblicos de dízimo. Aquilo que aprendeu de seus Pais colocou em pratica. Como não se pagava o dizimo em dinheiro Jacó seguiu os costumes da época.

      Pagou seu dízimo em forma de alimento.

      De que forma?

      – Certamente ele o comeu em rituais litúrgicos que eram praticados.

      – Distribuiu aos pobres e necessitados.

      Esta forma prática foi a maneira de Jacó cumprir a promessa de pagar os dízimos a Deus.

      Sabemos que no tempo de Jacó ainda não existia o Templo de Jerusalém com todo o sistema religioso funcionando nem sacerdotes e levitas.

  13. Irmãos, o sacrifício de Jesus por todos nós, inclusive pelo irmão Leandro Quadros, não foi suficiente ? Ainda temos que pagar ? Pagando ou não já somos abençoados nas regiões celestiais, como já está escrito. Não precisamos fazer ou pagar mais nada, alguém já o fez por nós. O AMOR DE DEUS É INCONDICIONAL, não deixemos nos enganar por pastores que enganam o coração do humilde. Creiam somente em Deus.

  14. Meu esposo é assalariado ele devolve o dízimo e do seu salário ele me dá uma parte devo devolver o dízimo dessa parte que ele me dá ?

  15. a paz de Cristo, meus amados!

    eu percebo que a um engano rondando na cabeça de muitos crentes acerca do dízimo!
    será que o dízimo é lei ou não é, ou devemos devolver ou não?
    a principio devemos compreender que antes da lei, abraão deu o dízimo a melquizedeque, um tipo que figurava Cristo! de acordo com o livro de Hebreus 7:08, aqui (na terra, na igreja) são homens mortais que recebem Dízimos (não ofertas! é outro assunto), porém ali, aquele de quem se testifica que vive. Para um bom entendedor, isto já é o suficiente! em outras palavras, (os homens mortais são os pastores da igrejas que recebem os dízimos para adminiistração da igreja local) quando nós damos os dízimos , estamos testificando ou dando testemunho que aquele que está ali (no céu) está vivo! pq vc jamais vai dar dinheiro, seja lá o que for para alguém que já morreu, vai? Jesus Cristo morreu e ressuscitou, então quando vc dar o dízimo, estará também testificando que Ele está vivo! O dízimo não foi estabelecido na Lei, pois Abraão deu o Dizimo ao rei meuquizedeque muitos e muitos anos antes da Lei!

    1. Meu caro Carlos, a paz.

      Você escreveu:
      “de acordo com o livro de Hebreus 7:08, aqui (na terra, na igreja) são homens mortais que recebem Dízimos (não ofertas! é outro assunto), porém ali, aquele de quem se testifica que vive. Para um bom entendedor, isto já é o suficiente! em outras palavras, (os homens mortais são os pastores da igrejas que recebem os dízimos para adminiistração da igreja local) quando nós damos os dízimos , estamos testificando ou dando testemunho que aquele que está ali (no céu) está vivo!”

      Esta forma de pensar é a mesma quando dizem que somos o Israel ESPIRITUAL de Deu e por assim ser, devemos dar, receber DÍZIMOS nos dias de hoje.
      Há uma enorme incoerência, pois se somos O Israel ESPIRITUAL, coerentemente o DÍZIMO deveria ser também, a Deus toda Honra, toda Glória, todo o Louvor, não é mesmo? Mas não, cobram um DÍZIMO MATERIAL e cobram errado e mal, fora do que a Bíblia previa, cobram em DINHEIRO.

      Amado, em Hebreus, o tema central do texto é um COMPARATIVO DE SACERDÓCIO ou ensinamento de DÍZIMO para a IGREJA?

      Com a maior sinceridade possível, o dízimo “MENCIONADO” em Hebreus no contexto, é ELEMENTO de comparação entre o sacerdócio de Cristo com o de Melquisedeque ou mandamento para a igreja?

      O foco é a superioridade do sacerdócio de Cristo ou a doutrina sobre dízimo?

      O DÍZIMO em Hebreus meu caro, é na verdade ELEMENTO de comparação que apresenta o rei de Salém superior a Abraão, e permite mostrar superioridade do sacerdócio de Cristo em relação ao que tempos depois seria instituído.
      Hebreus7:.5 “E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão.”

      Ou seja, por esse verso em Hebreus, os levitas ainda continuam recebendo sacerdócio e dízimo, das 11 tribos, “isto é, de seus irmãos”.
      Perceba, “RECEBEM” tempo presente, isto é, o escritor em seu tempo, não destaca, não dá ênfase a necessidade de se DAR o dízimo ( o texto mostra que isso já se fazia), mas acentuar a superioridade do sacerdócio de Cristo, analogia feita ao de Melquisedeque em superioridade ao de Levi.

      Um absurdo também, é tentar fazer uma “amarração” da seguinte forma:

      “Se Cristo é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, e a Melquisedeque foi dado o dízimo, devemos então dar o dízimo a Cristo.”

      Mas esquecem ou ignoram que Jesus enquanto aqui na terra, não se enquadrava a toda e qualquer área de atuação sacerdotal, não se revestia da mesma liturgia ou necessidade que envolvia os antigos sacerdotes de Israel.
      A vida de Jesus, registrada nos Evangelhos, diferentemente dos Sacerdotes prova que Ele nunca recebeu, nenhum tipo de DÍZIMO de ninguém.
      Veja que absurdo: Se Cristo veio para cumprir a Lei, e esse cumprir tem sentido amplo, pois a Lei determinava que os dízimos deveriam ser dados aos levitas, dar o dízimo a Cristo seria descumprir a Lei, não?
      Abraão não descumpriu nem cumpriu, porque simplesmente a Lei ainda não existia quando ele deu o dízimo a Melquisedeque. Assim, essas premissas nos leva a uma conclusão falsa pelo simples fato de não se poder associar Cristo a dízimos, muito menos a forma como se cobra hoje.

      O próprio texto em Hebreus 7, no verso 12 ao dizer “Porque mudando-se o sacerdócio necessariamente se faz mudança de lei”
      Prova que a cobrança do dízimo hoje está fundamentada em uma idéia equivocada com passagens bíblicas fora de seus contextos, como Ml. 3.10, Mt. 23.23 etc, por ventura seria possível alguém concluir que todas as leis concernentes ao sacerdócio foram mudadas, ou extintas, menos a Lei do sustento que estipulava dez por cento da renda alheia?

      Sendo o dízimo uma Lei inerente ao sacerdócio levítico, e o texto diz que Cristo assumiu o sacerdócio eterno e diferente daquele, fez-se necessário assim a mudança da lei, que não seria uma nova edição da Lei de Moisés, claro, mas, como o próprio escritor aos Hebreus diz em 7.16 “… segundo a virtude da vida incorruptível.” e, considerando que esse novo sacerdócio não exige dízimos para si pois não precisa de mantimentos; vive para sempre”, Hb. 7.24, podemos afirmar seguramente que não há qualquer fundamento bíblico para se cobrar dízimos após a morte de Cristo, momento em que o antigo pacto com seu sacerdócio e todo o complexo legislativo que o envolvia, passou.

      Vale a pena ressaltar que o dízimo no Novo Testamento não sofreu alteração de conceito, ele foi abolido mesmo, ou seja se deve ser dado que seja aos levitas e que seja pelos demais israelitas. A epístola aos Hebreus foi escrita talvez antes da destruição de Jerusalém ocorrida no ano 70 d.C, e diz em 8.4 “…Ora, se ele [Jesus] estivesse na terra, nem tão pouco sacerdote seria, havendo ainda sacerdotes que oferecem dons segundo a Lei”. Logo se vê claramente que a pratica sacerdotal foi continuada pelos judeus e, naquela época, ainda existia o serviço dos levitas, embora, segundo plano de Deus, fosse completamente desnecessário, isso é mais uma prova contra a cobrança de dízimos à Igreja; o cap. 7 e verso 5 revela a intrínseca relação: Levi, sacerdócio, dízimo, tribos de Israel: “ E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio tem ordem, segundo a Lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos…”.
      Quem, na época da epístola aos Hebreus, recebiam dízimos?
      Está claro que eram os levitas que recebiam do POVO, não de todos os povos, pois isso seria desobedecer a Lei sob a qual estavam, eles recebiam de seus irmãos, ou seja das tribos que herdaram a terra de Canaã, está muito claro nesta passagem que “irmãos” não se refere a irmãos espirituais que nos tornamos ao aceitar a Cristo, logo dispensa maiores comentários. O fato é que não se pode desassociar, a exemplo do sábado, o dízimo bíblico de Israel, por conseguinte os homens que tomam dízimos, não são outros senão os próprios Levitas, do mesmo modo que o povo que deve este tipo de contribuição não é outro senão as demais tribos de Israel, o v. 9 prova isso.
      “Deus só aceita algo que seja voluntário (leia Êx 25.1-2 e 2Co 9.6-7).”

  16. a paz de Cristo !

    se vc recebe uma geladeira, vc não deve dar o dizimo da geladeira! como vc vai dar o dízimo da geladeira? quem pagaou pela geladeira foi ele e não vc! quem deve devolver o dízimo ou não, é a pessoa que teu, e isto se for crente!
    se for crente cabe a ele devolver o dízimo de sua renda!
    se vc tivesse que dar o dizimo da geladeira, teria que levar algo dela! a porta, o congelador, a grade ou outra coisa que pertence a ela! (risos), se vc ganha um carro, tem que levar os pneus pra igreja como dízimos? é claro que não! se vc ganhou é pq Deus te abençoou! pq? pq vc tá sendo fiel a Ele! simples não é? a palavra de Deus diz: chegai-vos a Deus e Ele se chegrá a vc! seja fiel a sua palavra e Ele será fiel a vc! amèm ou aí de mim? (risos).

  17. a paz de Cristo !

    se vc recebe uma geladeira, vc não deve dar o dizimo da geladeira! como vc vai dar o dízimo da geladeira? quem pagou pela geladeira foi ele e não vc! quem deve devolver o dízimo ou não, é a pessoa que teu, e isto se for crente!
    se for crente cabe a ele devolver o dízimo de sua renda!
    se vc tivesse que dar o dizimo da geladeira, teria que levar algo dela! a porta, o congelador, a grade ou outra coisa que pertence a ela! (risos), se vc ganha um carro, tem que levar os pneus pra igreja como dízimos? é claro que não! se vc ganhou é pq Deus te abençoou! pq? pq vc tá sendo fiel a Ele! simples não é? a palavra de Deus diz: chegai-vos a Deus e Ele se chegará a vc! seja fiel a sua palavra e Ele será fiel a vc! amém ou aí de mim? (risos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *