Sal da Terra

Sal da Terra

“Deixe-me dizer-lhes por que vocês estão aqui: é para ser o tempero, sal que leva o sabor de Deus a esta Terra. Se vocês perderem sua salinidade, como as pessoas irão saborear espiritualidade?” (Mateus 5:13, The Message).

Já tentou comer batata, milho ou uma salada sem sal? E aquele arroz de forno ou feijão com cebola e alho, mas nada de sal? Difícil, não é? O sal faz grande diferença na hora de comer, mas só nos lembramos dele quando está ausente. Reclamamos quando tem demais ou pouco.

O sal era muito mais importante no tempo de Jesus do que é agora. Como não havia refrigeração, ele era usado para preservar, purificar e temperar alimentos. Vinte séculos depois, é possível que a comparação não tenha tanta força como teve para os contemporâneos de Jesus. O que Ele tinha em mente quando disse: “Vocês são o sal da Terra”?

O Dr. John Graz, defensor da liberdade religiosa, contava como em um dos congressos que promoveu na Itália convidou um juiz de direito para uma saudação aos congressistas. Ao se dirigir aos jovens, o juiz disse: “Tenho grande admiração por vocês. Vocês não bebem. Não usam drogas. Têm um elevado padrão de valores. Mas… tenho apenas uma observação: vocês não fazem nada pela comunidade!”

Foi uma observação incômoda para nossos jovens da Itália e continua incomodando muitos até agora em outras partes do mundo.

A lição que Jesus queria ensinar era a do poder da influência. Deixamos de ser sal quando deixamos de nos misturar, conviver e nos integrar com as pessoas. Às vezes, um pouquinho de sal é suficiente para influenciar a vizinhança, a sala de aula no colégio, o ambiente de trabalho.

Nossa vida deve ser tal que leve outros a ter sede de Jesus, de uma vida nova. Deve criar dentro das pessoas com as quais convivemos e trabalhamos sede por aquilo que é melhor. As pessoas devem ser atraídas a Jesus por causa de nossa alegria, nossa bondade e gentileza. Elas devem se sentir importantes pela nossa maneira de tratá-las. Devemos mostrar um cristianismo contagiante e atraente.

“O amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições. Esse amor, abrigado no coração, ameniza a vida e espalha ao redor uma influência enobrecedora” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 59).

Senhor, ajuda-me hoje a ser sal em minha família, em minha vizinhança, em meu trabalho!

José Maria Barbosa Silva

Anterior Não cochile!
Próximo O impossível e a oração de Jesus

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 686 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Aconselhamento Espiritual 0 Comentários

Deus recomenda que sejamos fiadores?

Se Davi pediu a Deus que fosse fiador dele; e Judá se ofereceu para ser fiador pela vida do irmão, por que não devemos fazer o mesmo? “Filho meu, se

Aconselhamento Espiritual 0 Comentários

Jesus já venceu!

Uma profunda tristeza sem fim – muito maior que revolta ou fúria. Assim que me sinto ao ver cenas como esta. Os detalhes do “quem, quando, onde e porque” se

Aconselhamento Espiritual 16 Comentários

A boa psicologia: opinião de um paciente

Gostaria de saber se a Bíblia aprova a psicologia… E.S, Estância, SE. Há textos bíblicos que tratam da psicologia – a boa psicologia – antes mesmo de ela sonhar em

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!