Ano novo: novas promessas ou novas atitudes?

Ano novo: novas promessas ou novas atitudes?

Sempre que estamos próximos do ano novo sentimos uma incrível motivação para realizar novos votos, promessas e metas. Também costumamos sentir um arrependimento por aquilo que gostaríamos de ter feito e não fizemos. Mas, não foi exatamente isso que aconteceu na mesma época do ano passado?

O que aconteceu de fato? Por que não fizemos aquele regime? Por que não fizemos os exercícios prometidos? E aquele curso que tanto queríamos? Afinal, por que nossas promessas não foram cumpridas e as metas não foram alcançadas?

Promessas e intenções não são atitudes. Muitas pessoas fazem promessas para o ano novo, mas se esquecem que só a ATITUDE pode concretizá-las.

Promessas são apenas palavras, até começarem a ser cumpridas por nossas atitudes.

O primeiro grande equívoco é confundir desejo com vontade. A maioria de nós apenas deseja. Muitos, inclusive, desejam intensamente… Mas desejo é algo apenas potencial. Sem o exercício da vontade o desejo não se realiza.

A diferença entre desejo e vontade é:

Vontade é um atributo da mente e está ligada a atitude.

Se o seu “querer” estiver na esfera do desejo, ele pode não se realizar, porque você não estará tomando nenhuma atitude na direção da sua realização.

Nossos votos, promessas e metas são expressões de nossos desejos, demonstram o que queremos em potencial, mas somente a atitude materializa este “querer”.

Nossa vontade é o exercício das nossas atitudes.

Por exemplo, o princípio cristão “bem aventurados os homens de boa vontade” demonstra muito bem esta diferença. As bem aventuranças são consequência da boa vontade, ou seja, das atitudes corretas. Não basta querer, é preciso agir!

Muitas pessoas buscam a felicidade, mas não percebem que suas atitudes estão muitas vezes no sentido contrário à felicidade que buscam.

Para este ano que se inicia, de nada adiantará fazermos novas promessas ou apenas acreditar que cumpriremos as que não realizamos no ano que passou – é preciso reformar nossas atitudes!

A chave para reorientar nossas atitudes consiste em 3 pilares: Abandonar, Manter e Adquirir:

Abandonar as atitudes que nos afastam da realização de nossos objetivos.

Manter as atitudes necessárias para alcançar nossos objetivos pelo tempo necessário para que possam surtir efeito e trazer resultados.

Adquirir os conhecimentos e adotar as atitudes que nos faltam para realizar nossos sonhos.

Se você deseja ser feliz precisa abandonar a tristeza.

Para desenvolver uma nova competência não podemos ser imediatistas, precisamos manter nossos esforços pelo tempo suficiente para sedimentar nossas conquistas.

Para construirmos a melhor versão do futuro precisamos desenvolver a melhor versão de nós mesmos, e isso inclui adquirir conhecimentos e desenvolver atitudes que ainda não temos.

Abandonar, manter e adquirir são três grandes ferramentas para que, no final deste novo ano que se inicia, não nos encontremos frustrados por não ter cumprido as promessas e votos que fizemos.

Para este novo ano não fique refém de promessas, desenvolva novas atitudes: atitudes vencedoras!

Feliz ano novo, feliz vida nova!

Por Carlos Hilsdorf.

 

 

Anterior É correto jogar na loteria?
Próximo Ano novo. De novo.

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 711 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Aconselhamento Espiritual 0 Comentários

O que a Bíblia diz sobre gerenciar as suas finanças?

A Bíblia tem muito a dizer sobre gerenciar finanças. A respeito de pedir emprestado, veja: Provérbios 6:1-5; 20:16; 22:7,26-27 (“O rico domina sobre o pobre, e o que toma emprestado

Aconselhamento Espiritual 1Comentários

Resposta de Ellen White para os fofoqueiros e criticões

Sempre teremos na nossa igreja, e fora dela também, fofoqueiros e “criticões”. Pessoas fanáticas que só olham para seus problemas como os maiores do mundo e sempre culpam os outros

Aconselhamento Espiritual 3 Comentários

No novo testamento a igreja está isenta do dízimo?

Aqui Paulo traça um paralelo entre os levitas do Antigo Testamento e os obreiros do Novo Testamento, e implicitamente endossa a prática do dízimo. Alguns teólogos dizem: “o Antigo Testamento

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!