Cuidado com a serpente!

Cuidado com a serpente!

“Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam corrompidas as vossas mentes” – II Coríntios 11:3

Um repórter-fotográfico da Califórnia, de nome Burt Hunter, foi designado para fotografar uma bela senhora encantadora de serpentes.

Ela lhe explicou que encantava serpentes como passatempo. Fascinava-a o perigo e o desafio que as serpentes lhe proporcionavam. Mas poderia deixar este passatempo quando quisesse. (É perigoso passar tempo com a tentação e o pecado.) A senhora então trouxe suas cobras em cestos. A medida em que ela ia tirando as serpentes venenosas uma a uma, ele fotografava as cenas. Então ela advertiu: “Fique bem quieto agora e não faça movimentos repentinos. Vou tirar a serpente mais nova, que ainda não está muito bem acostumada comigo.” (O primeiro pecado pode ser fatal!)

De repente, a encantadora ficou tensa e cochichou para o repórter: “Alguma coisa está errada. Terei de recolocá-la no cesto.” Levantando com cuidado a tampa, ela procurou colocar a serpente dentro. Por qualquer razão a cobra picou o braço dela e escondeu-se no cesto. (O pecado faz o mesmo: ataca e se esconde)

Segurando o braço ela disse ao rapaz: “Corra, ali em cima, na caixa de medicamentos, o soro antiofídico. Traga-o depressa!” Quando ele lhe trouxe o soro, ela pediu que ele injetasse a agulha da seringa no vidro e extraísse o soro. As mãos dele tremiam ao procurar executar as instruções, tarefa tão estranha para ele. Mas, por um descuido qualquer, o frasco quebrou-se e o precioso soro não pôde ser ajuntado. (Há surpresas desagradáveis depois de pecar).

“Onde poderei conseguir outro frasco?” perguntou o repórter ansioso e nervoso. Com a voz já prejudicada pelo efeito rápido do veneno a senhora desalentada respondeu: “Esse era o único que eu tinha!…”

A agonia dela logo terminou… mas a angústia do fotógrafo o amargurou pelo resto da vida. Ele se lembra ainda da afirmação que ela fizera momentos antes: “Posso deixar esta atividade a hora que quiser” (E por que continuamos pecando?)

É perigoso, amigo ouvinte, brincar com as serpentes mortíferas do pecado. Eva também não viu perigo em aproximar-se da serpente e da árvore proibida. Deus pediu que nem tocasse no fruto porque o pecado é insidioso, ilude, desafia com o seu brilho e engana. É como a serpente nova da encantadora, sem sentirmos nos pica mortalmente e então só o soro antipecado, o sangue de Jesus, injetado no coração pelo Espírito Santo e a nosso pedido é que nos pode salvar. Se você for picado, corra a Jesus.

Anterior O que acontece depois da morte?
Próximo A Morte e a Ressurreição na Bíblia

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 736 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

FAQ - Dúvidas Frequentes 0 Comentários

Pangolim pode ser a espécie que levou coronavírus aos humanos, aponta estudo

Na matéria a seguir, podemos ver como os estudos apontam que o consumo do Pangolim, considerado “imundo” e não apto para o consumo humano na Bíblia, pode ser o hospedeiro

FAQ - Dúvidas Frequentes 1Comentários

6 dicas para ler mais

Se você não lê tanto quanto gostaria e acha que pode aproveitar melhor o tempo que sobra na companhia dos livros, saiba que não está sozinho! Esses sentimentos, que fazem

Bons Debates 1Comentários

Todos os pecados são iguais aos olhos de Deus?

Fundamental para entendermos o problema do pecado é a distinção entre pecado (condição) e pecados (atos pecaminosos). O pecado é uma condição humana de alienação de Deus e um princípio interior

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!