Deus mandou matar pessoas inocentes? 2 Samuel 21

Deus mandou matar pessoas inocentes? 2 Samuel 21

É difícil entender a Bíblia. Por que os descendentes de Saul foram mortos sendo que eles nada tinham a ver com a maldade dele?

Realmente há na Bíblia textos mais difíceis de serem entendidos em sua plenitude. Isso não significa que a mensagem central não possa ser compreendida, mas apenas demonstra a nossa limitação humana para penetrarmos os segredos de Deus. Também devemos considerar o fato de o pensamento hebraico e sua forma de se expressar serem diferentes – o que contribui para que certos textos pareçam obscuros.

No caso de 2 Samuel 21 podemos entender algo sobre o capítulo se analisarmos o mandamento de Deus em Deuteronômio 24:16 onde Ele diz: “Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos, em lugar dos pais; cada qual será morto pelo seu pecado.” Perceba que o próprio Deus havia ordenado que, ao executar um criminoso, o povo jamais castigasse os descendentes dele.

Então, por que o Senhor autorizou que sete descendentes de Saul fossem mortos por causa da atitude criminosa dele para com os Gibeonitas?

Na verdade, quando lemos o verso 3 percebemos que dessa vez Davi não consultou o Senhor com havia feito antes (v. 1), mas sim os Gibeonitas. E, motivados pela ira e, quem sabe, baseados no fato registrado em Números 25:4, eles tenham entendido que a ira de Deus seria aplacada se os descendentes de Saul fossem mortos e pendurados.

Quando o verso 14 afirma que “Depois disto, Deus se tornou favorável para com a terra” ele expressa a visão de mundo do profeta. O escritor de 2 Samuel percebeu que depois de tal evento a maldição cessou – sem que isso signifique que Deus tenha apoiado o ato de Davi e dos Gibeonitas.

Nosso Criador teria outra forma de vingar os Gibeonitas. Mas, como o povo agiu dessa vez sem consultar ao Eterno, Ele permitiu que tal ação pecaminosa e injusta seguisse seu curso normal, pois, faz parte de Sua soberania dar o livre-arbítrio. Ele permite que coisas ruins aconteçam por que no conflito entre o bem e o mal Ele utiliza tais circunstâncias (que Ele não gosta) para mostrar ao universo a gravidade do pecado.

Podemos ver que Deus não apresentou a Davi essa “solução” para o problema. Quem fez foi o povo que queria vingança. O Senhor não poderia ir contra ao que Ele mesmo havia ensinado em Deuteronômio 24:16.

Espero que essas considerações lhe tenham sido úteis. Creio que todos os motivos para Deus permitir tal ato (mesmo Ele não consentindo) nos serão apresentados apenas quando estivermos com Cristo em Sua Segunda Vinda. Enquanto aguardamos este momento maravilhoso podemos viver confiantes de que o “justo juiz” (Gn 18:25) esclarecerá essa e outras questões da vida que nos incomodam (1Co 13:12; Hb 8:11).

Deus lhe abençoe ricamente,

Leandro Quadros

[www.novotempo.com/namiradaverdade]

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior O pecado imperdoável
Próximo Novo livro volta a pôr em dúvida a teoria da evolução de Darwin

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 788 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 29 Comentários

Crime e pena de morte: vítimas de assassinato não são lixo

Como é de se esperar quando assuntos polêmicos são abordados, as manifestações aos meus vídeos e posts sobre a aplicabilidade da pena de morte são das mais variadas. Um leitor

Bons Debates 0 Comentários

O que a Bíblia diz sobre a feitiçaria?

Deus proíbe a feitiçaria. A Bíblia diz em Deuterenômio 18:9-13 “Quando entrares na TERRA que o SENHOR teu DEUS te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará NO meio de ti quem

Bons Debates 1Comentários

A Lei e o Evangelho estão de mãos dadas

Introdução Após acessar meu blog, um amigo internauta chamado Davi fez o seguinte comentário: Prof. Leandro Quadros: alguns blogs têm surgido contra o adventismo e pregado contra a Lei de

2 Comentários

  1. Filosofo do nada
    julho 08, 09:26 Resposta

    Quanta besteira. O contorcionismo intelectual para justificar o injustificável é que não temos intelecto suficiente para entender o propósito. Vai usar esse argumento para defender Hitler também?

Deixe seu Comentário