Educar é redimir

Educar é redimir

O filósofo educacional Cipriano Luckesi aponta três maneiras de compreender o sentido da educação na sociedade: educação como redenção, educação como reprodução e educação como um meio de transformação da sociedade.1 Pela sua busca de sentido e ensejo de ação, todas elas podem ser consideradas tendências filosófico-políticas. Sobre a educação como redenção, Luckesi destaca sua característica de enxergar a sociedade como “conjunto” de indivíduos que convivem em sociedade, bem como sua ênfase no desenvolvimento de habilidades e “veiculação dos valores éticos necessários à convivência social”.2 Para Dermeval Saviani, o sentido e finalidade da educação redentora é “reforçar os laços sociais, promover a coesão social e a integração de todos os indivíduos no corpo social”.3 Como se vê, educação e redenção é uma discussão até certo ponto “normal” no ambiente educacional.

Um exemplo clássico da concepção de educação como redenção encontra-se na conhecida obra Didática Magna, da autoria de Comênius e escrita no século 17. Partindo da compreensão de um mundo criado por Deus como harmônico e bom, o educador morávio descreve a perda dessa harmonia, e argumenta ser papel da educação a recuperação dessa harmonia perdida. Ele diz que “um dos primeiros ensinamentos que a Sagrada Escritura nos dá é este: sob o sol não há nenhum outro caminho mais eficaz para corrigir as corrupções humanas que a reta educação da juventude”.4

Em nossa contemporaneidade, no Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, o político e economista francês Jacques Delors, se bem que não pende para uma visão redentora, não deixa de enfatizar o papel preponderante da educação para os indivíduos e para a coletividade. Assim ele se expressa:

Ao terminar os seus trabalhos a Comissão faz, pois, questão de afirmar a sua fé no papel essencial da educação no desenvolvimento contínuo, tanto das pessoas como das sociedades. Não como um “remédio milagroso”, não como um “abre-te sésamo” de um mundo que atingiu a realização de todos os seus ideais, mas, entre outros caminhos e para além deles, como uma via que conduza a um desenvolvimento humano mais harmonioso, mais autêntico, de modo a fazer recuar a pobreza, a exclusão social, as incompreensões, as opressões, as guerras…5

A noção de redenção-educação6 é fundamental nos escritos de Ellen G. White. No ano de 1870, ela começou a publicação, em quatro volumes, do que considerava ser a história da redenção, intitulada The Spirit of Prophecy.7 Posteriormente, apresentou material adicional sobre o assunto, originando a série Grande Conflito,8 com pouco mais de 3.500 páginas. Para os Depositários da literatura de Ellen G. White, essa coleção permitiu que a igreja adventista e o mundo tivessem “conhecimento do grande plano da redenção humana e os propósitos de Deus em levar a cabo Seu plano original na criação do homem”.9

Considerando que o tema da redenção é fundamental na pedagogia whiteana, este artigo discorrerá sobre esse assunto, e se propõe refletir em questões como: Qual o sentido de uma educação redentiva em Ellen G. White? Porventura a redenção whiteana é de natureza apenas religiosa ou espiritual? Que elementos tornam a educação e a redenção uma só obra? Para elucidar essas questões, abordaremos três tópicos fundamentais: sua compreensão de redenção, a similaridade entre redenção e educação, e o impacto dessas idéias para a prática pedagógica.

 

Adolfo S. Suárez, doutor em Ciências da Religião

Professor nas faculdades de Pedagogia e Teologia, coordenador do Núcleo de Integração Fé e Ensino do Unasp, campus Engenheiro Coelho.

Leia o artigo completo aqui

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior Conheça 5 Sinais do Vício Em Videogames
Próximo Marx e socialismo são melhores que capitalismo...

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 794 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Dúvidas Bíblicas 12 Comentários

“Deus nasceu pobre e morreu bandido. Irônico, né?”

Chegou ao meu conhecimento o twitter de um camarada que gosto muito, mas, que percebo estar equivocado em sua sinceridade. Diz a mensagem tuitada: “Deus nasceu pobre e morreu bandido.

FAQ - Dúvidas Frequentes 16 Comentários

CUIDADO, CRISTÃOS! Sem argumentos, CACP e cia apelam para o Fake News

Está circulando na internet uma informação inverídica, mais uma fake news, por parte do Centro Apologético “Cristão” de Pesquisas (CACP), e de Grabriel de Oliveira Porto. Eles estão afirmando que

FAQ - Dúvidas Frequentes 2 Comentários

Os Santos do mês de Junho: Antonio, João Batista e Pedro

Os santos intercedem mesmo por nós? Algumas pessoas perguntam se a intercessão dos santos é uma realidade. A Igreja Católica Apostólica Romana sempre acreditou que as pessoas, que morreram, tendo

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!

Deixe seu Comentário