Fidelidade a Deus e finanças equilibradas estão interligadas

Fidelidade a Deus e finanças equilibradas estão interligadas

Recente pesquisa da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada em julho, mostra que 56,8% das famílias brasileiras entrevistadas se declararam endividadas no mês de junho. O universo pesquisado foi de 18 mil consumidores. A CNC também apurou o percentual dos que afirmam possuir débitos em atraso. No mês de junho, o percentual foi de 23,7%. Apesar de analistas afirmarem que tem havido uma sensível diminuição, os números ainda são expressivos.

Um relatório do Instituto de Finança Internacional, divulgado em abril desse ano, apontou que o endividamento global aumentou 5% nos últimos quatro meses de 2017 (237 bilhões de dólares). Entre as principais causas identificada estava o crescimento do nível de endividamento das famílias.

Endividamento é um problema que provavelmente afeta, também, muitos cristãos. E tem relação com princípios de generosidade, por exemplo, na devolução de dízimos e ofertas. O pastor Marlon Lopes, diretor financeiro da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul, conversou com a reportagem da Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN) a respeito desse problema e deu orientações práticas.

Constantemente vemos que o endividamento das pessoas é um problema preocupante, principalmente em economias emergentes. Na sua avaliação, qual é a raiz desse grande endividamento das famílias?

Paulo menciona em Filipenses 4:11-13 “…aprendi a viver contente em qualquer situação”. Isso nos dá uma opção de pensar que o endividamento, na maioria das vezes, é a falta da capacidade de aprender a ser feliz com aquilo que se tem.
Existem vários estudos conectando o endividamento das pessoas a compulsão por compras. A compulsão por ter coisas é a maneira com que as pessoas tem buscado a felicidade, porém esta estratégia não tem sido eficaz nesta busca. E os números estão aí para nos provar isto. (Hebreus 13:5)

A Bíblia adverte quanto ao uso racional das finanças, certo? O que se pode dizer sobre isto?
O segundo tema mais encontrado na Bíblia é sobre o dinheiro e, na maioria das vezes, a menção é como advertência, preocupação sobre o mau uso. Isso nos deve colocar num outro nível de compreensão. Precisamos entender a razão porque Deus nos dá o dinheiro, o propósito do dinheiro na nossa vida, etc. Em nenhum momento você encontra na Bíblia a defesa da ideia do “dinheiro pelo dinheiro.” Quanto mais nobre forem seus propósitos com o dinheiro, mais feliz você será e menos riscos de descontrole financeiro também.

Quais são as orientações e conselhos que o senhor dá para quem quer ter as finanças equilibradas?
A primeira coisa que precisamos entender é que não existe caminho milagroso, em que se deixa a gestão no “piloto automático” e tudo acontece, especialmente quando se fala em sair do endividamento e mudança de estilo de vida. Isso exige atenção e disciplina.

Aqui vão algumas dicas simples que podem ajudar:

* Tenha um orçamento: isso é básico. Você precisa saber seu potencial, bem como seu limite.

* Coloque as prioridades na ordem correta (Deus, família, mundo).

* Tenha um plano de reserva definido, claro e adequado à sua realidade. Alguns chamam esta reserva de dízimo pessoal.

* Reúna a família e tomem as decisões em conjunto. Cada um precisa se sentir responsável pela saúde financeira familiar.

* Comemore cada avanço alcançado ao longo do caminho.

Isso pode não resolver seus problemas e certamente não quero ser superficial, mas certamente estas dicas serão um apoio nas suas decisões.

A fidelidade nos dízimos e ofertas tem relação direta com esta vida financeira equilibrada também? E por quê?

A fidelidade nos dízimos e ofertas é fundamental. É o inicio de tudo. Algumas pessoas tem uma compreensão errada sobre por que dizimar. Alguns entendem que devem dizimar para Deus os abençoar. Porém o dízimo é exatamente o contrário: Deus já o abençoou e o que estamos fazendo é somente devolver os 10% dEle, da bênção já recebida. Em outras palavras: o dinheiro já foi para seu bolso e o que você está fazendo é devolver a parte dEle. O mesmo princípio se passa com as ofertas: gratidão pela bênção já recebida. Um ponto muito importante a entender é que a fidelidade a Deus nos dízimos e ofertas tem impacto positivo na parte que fica com você, e esta é uma bênção específica para aqueles que são fiéis: sabedoria na gestão dos recursos pessoais, fazendo toda a diferença neste mundo onde cada vez mais os valores estão invertidos.

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior Analfabetismo funcional e redes sociais
Próximo Igreja, dívida e educação financeira das famílias

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 787 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

FAQ - Dúvidas Frequentes 0 Comentários

Pangolim pode ser a espécie que levou coronavírus aos humanos, aponta estudo

Na matéria a seguir, podemos ver como os estudos apontam que o consumo do Pangolim, considerado “imundo” e não apto para o consumo humano na Bíblia, pode ser o hospedeiro

FAQ - Dúvidas Frequentes 1Comentários

5 dicas para aprender a interpretar a Bíblia

Matemática se estuda fazendo cálculos. Português, com leitura e redação. Inglês, com listening e speaking. E a Bíblia? Este artigo vai ensinar a você cinco passos para interpretar corretamente o

FAQ - Dúvidas Frequentes 0 Comentários

Haverá oportunidade de salvação após o fechamento da porta da graça?

Por: Dr. Alberto Timm A teoria de que o acesso à salvação continuará disponível para algumas pessoas após o fechamento da porta da graça deriva de uma leitura descontextualizada de

3 Comentários

  1. Erivan
    dezembro 02, 18:35 Resposta

    Engraçado como os pastores e líderes de igrejas se preocupam tanto com doações de dízimos e ofertas e ainda querem que fazemos paquitos eternos em mais doações de dinheiro em troca de bênçãos, Deus deve já está sem espaços pra guardar tantos dinheiro, além dos colégios das igrejas se vc quer colocar seu filho lá tem que pagar as mensalidades, as faculdades das igrejas também por exemplo o IAN da igreja Adventista, quer fazer uma faculdade tem que pagar caso contrário não faz.

    Vários irmãos passam por problema financeiro, igreja tá nem aí, querem é dízimos e ofertas dos auxílios etc.

    Tem uma crente adventista que está com 2 tipos de câncer, está desempregada o marido também e não estão recebendo auxílio do governo, as contas, energia, água, farmácia, fatura etc, tudo atrasados, a IGREJA tá nem aí, cadê o pastor, cadê associação da igreja para ajudar essa família e dá todo o suporte necessário?

    A coitada está desesperada em tudo quanto é grupos de watsapp pedindo socorro, pedindo ajuda, aí eu te pergunto, teria necessidade disso?
    Cadê a IGREJA, cadê os irmãos que pregam amor, cadê os pastores?
    Dízimos e ofertas ou dão ou vão para o inferno, e vendo seu irmão morrendo com fome e doente e vc passando por cima e não fazendo nada pra onde vai essa IGREJA?

  2. Boa tarde Professor Leandro, espero que esteja tudo bem contigo e com sua família. Me chamo Priscila e tenho uma dúvida sobre o dízimo. Quando eu estava desempregada sempre dizimava 10% do valor bruto do meu salário, mas sempre me fiz a pergunta: Eu devo dizimar a partir do valor bruto ou do valor líquido, já descontado tudo, entre impostos e também valores referente a benefícios dados pela empresa, por exemplo, convênio médico. Por gentileza, poderia me orientar? Muito obrigada e que Deus continue lhe abençoando por seu trabalho.

Deixe seu Comentário