fbpx
Leandro Quadros

Artigos e cursos do Prof. Leandro Quadros, apresentador na Novo Tempo.

Netflix e Cuties: Não Deixe Que Erotizem Suas Filhas

A Netflix lançará a série “Cuties”, que traduzido significa “fofas” ou “lindinhas”.

Várias pessoas têm se manifestado com duras críticas por causa da erotização infantil que poderá ser vista na série. Para ter ideia da seriedade do assunto, há atrizes com a idade de 11 aninhos.

As duras manifestações refletem a preocupação de pais que querem ensinar o melhor para seus filhos, incluindo uma sexualidade saudável a ser desfrutada no momento certo, quando o corpo e a mente da criança atingirem a maturidade.

Sob o mesmo ponto de vista, no livro bíblico de Cantares vemos que a sexualidade é um presente de Deus. Porém, para ser aproveitado, deve ser desfrutado no tempo certo. Certamente, essa erotização das crianças levará muitas delas na fase pré-adolescente a terem relações sexuais sem o devido preparo. Isso trará problemas de ordem psicológica, e aumentará o número de gravidezes indesejadas…

Dessa forma, para lhe ajudar a cuidar do seu bem mais precioso, neste post darei 4 razões para você não deixar sua filha (ou filho) assistir a esse tipo de programação na Netflix. Leia até o final, pois dados importantes lhe serão passados.

Razão #1 – Criança deve ser criança.

Definitivamente, não é saudável para o desenvolvimento infantil pular esta fase. Qualquer fase da vida que é pulada, traz no futuro problemas de autoestima, de relacionamentos, insatisfação com a vida, etc.

Em síntese, o corpo e o cérebro precisam do tempo que a natureza (criada e supervisionada por Deus) pede para esse amadurecimento e preparo para a vida adulta e sexual. Por isso, a sexualidade não deve ser despertada antes do tempo certo, sem que existam danos físicos e psicológicos.

Afinal, o corpo e a mente precisam conduzir esse processo no tempo deles.

Em suma, se pular a fase infantil, no futuro a pessoa adulta experimentará uma sensação de “falta”, e poderá tentar “suprir” isso em algum comportamento compulsivo, seja nas compras ou no sexo. E o vazio continuará enquanto não for tratado com psicoterapia.

Razão #2 – A educação sexual não deve ser pela Netflix.

Ao mesmo tempo, a mídia com seu viés ideológico marxista, jamais deveria tomar o lugar dos pais na educação dos filhos. Nem mesmo a Netflix.

Os pais são os representantes de Deus para essa tarefa. Do mesmo modo, eles têm a responsabilidade de ensinar aos filhos, segundo as orientações do Pai Supremo:

“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele” (Pv 22:6).

“Pais, não tratem seus filhos de modo a irritá-los; antes, eduquem-nos com a disciplina e a instrução que vêm do Senhor” (Ef 6:4).

Os dois versos acima querem que ensinemos nossos filhos a reverenciarem e amarem a Deus e a Jesus Cristo. Que os ajudemos a entenderem a dimensão espiritual da vida. Afinal, a vida não possui apenas uma dimensão material.

Enfim, nós, pais, e não a mídia e a Netflix, devemos transmitir às nossas filhas valores eternos. Talentos, perspectivas, apreço pela verdade. Generosidade, mansidão e recato. Moralidade e boas maneiras. Devemos também ajudá-las a superar as tendências naturais do egoísmo. E do desleixo humano. Orientá-las a trabalhar, aprender, pensar por si mesmas. E a terem a Bíblia como fonte de sabedoria e orientação.

Essas coisas só podem ser devidamente ensinadas num contexto familiar amoroso e funcional. Que nesse contexto os pais se amem, amem os filhos e os abracem, beijem e brinquem com eles. E os perdoem com naturalidade por seus erros infantis e juvenis.

Não podemos deixar nossas crianças saírem para um mundo perigoso sem o devido preparo, sem fixar nelas alicerces sólidos. Tais alicerces os manterão firmes quando não estiverem perto de nós.

Em minha adolescência fiz algumas coisas erradas, mas um ensinamento de meus pais que ficou bem fixo em minha mente me livrou do álcool e das drogas. Certa noite me encontrava numa festa, quando uma moça que estava em minha companhia me ofereceu um cigarro de maconha. Decepcionei-me com ela, senti-me mal por aquilo e fui embora. Acabou a festa para mim.

Enfim, se você permitir que os filmes e uma mídia sem Deus ensinem os valores que seus filhos devem ter, será que na volta de Jesus você poderá dizer com alegria: “Eis me aqui, e os filhos que o Senhor me deu?” (Is 8:18a)

É sua e minha a responsabilidade de educarmos nossos filhos para Deus. Imediatamente precisamos de mais discernimento, amor, tato, sabedoria e de conhecimento bíblico. Assim, não permitiremos que a cultura transfira para nossas crianças os hábitos e costumes de uma sociedade rebelde.

Infelizmente, o que James Dobson afirmou sobre a guerra entre pais e a sociedade, está acontecendo todos os dias, sem que nos demos conta disso:

“Muitas meninas são vitimizadas pelas influências culturais cada vez mais violentas, hipersexualizadas e espiritualmente falidas. O cerne da questão é que nossa sociedade está em guerra com os pais dedicados que procuram, de todas as maneiras, proteger os filhos das forças nocivas ao seu redor”.[1]

Tomara que com seu potencial, a Netflix produza cada vez mais coisas que tragam conhecimento e valores para nós telespectadores.

Razão #3 – Somos seres corrompidos pelo pecado.

Nossa natureza se tornou corrompida depois que nossos primeiros pais se afastaram de Deus (ver Gênesis 3 e Romanos 3). Logo, nossa tendência é gostar de praticar coisas erradas. Se isso é uma realidade, precisamos evitar ler, assistir ou escutar qualquer coisa que estimule ou fortaleça essa natureza (cf. Fp 4:8).

Sei que não é simples fazer isso, porém, é necessário. E Deus está conosco nos dando forças para que sejamos vencedores. Se cairmos, podemos levantar segurando em Sua mão e recomeçar, pois a presença de Jesus no santuário celestial é a certeza do perdão e da vitória do crente! (1Jo 2:1-2; Hb 8:1-2; 4:14-16; 7:25).

A forma de amenizarmos os efeitos da natureza pecaminosa é instruirmos os filhos sobre sexo segundo a Bíblia e a boa psicologia, e ensiná-los a escolherem bons filmes e séries para assistirem na Netflix.

Sobre a sexualidade, poderá começar com Gênesis 2:24, para mostrar ao filho a lógica divina para o sexo. Posteriormente leia o texto para ele (a), e verão essa sequência natural das coisas:

“Por isso, [1º] deixa o homem pai e mãe e [2º] se une à sua mulher, [3º] tornando-se os dois uma só carne”.

Nesse ínterim, observem a sequência abaixo apresentada em Gênesis 2:24:

1º: Deixar pai e mãe (Independência)

2º: Unir-se à mulher (Casar-se)

3º: Tornarem-se uma só carne (Iniciarem a atividade sexual).

Se seu filho ou filha não conseguir se casar virgem, não castre a sexualidade dele(a) com reações escandalosas e comentários duros, ferinos e destruidores da autoestima. Construa seu filho. Não o destrua!!

Assim, jamais apresente a ele a imagem de que o sexo é algo “sujo” ou “pecaminoso”. Como afirmei, esse tipo de reação exagerada diante do erro de um filho fará uma espécie de “castração” mental, que especialmente nas meninas, causará problemas de ordem sexual, pois terão dificuldades na vida matrimonial de se entregarem ao parceiro, e de atingirem o orgasmo.

De antemão você pode dar um abraço na filha ou no filho, dizendo o quanto está triste por ele(a) não ter seguido o plano de Deus para o sexo. Após expressar sua tristeza com amor, abrace o filho e ore com ele. Diga-lhe que lhe ama incondicionalmente, e se disponha a ser o seu melhor amigo ou amiga, para que qualquer dificuldade que vier a ter, possa confiar 100% em você. Esse filho ou filha precisa também confiar em seu cristianismo, em seu amor e em sua paciência.

Imediatamente seu filho precisa entender que a graça de Cristo, mesmo não o tornando virgem no aspecto físico, o torna virgem espiritualmente, pois o perdão provido pela cruz de Cristo é tão pleno que Deus olha para esse filho como se ele nunca tivesse pecado (1Jo 2:1-2; Hb 7:25).

Enfim, muito cuidado ao abordar esse assunto! Sem querer, você pode ser usado(a) por Satanás para arruinar a sexualidade de sua filha (ou filho), pois ele(a) levará tais crenças negativas e limitantes para o matrimônio.

Logo depois, mostre a essa filha ou filho que mesmo a sociedade tendo pervertido o sexo, este continua sendo um presente de Deus, e que seguindo o Manual de instruções do Criador para a sexualidade – a Bíblia – viveremos o sexo com muito mais intensidade e satisfação.

Exposição à nudez afeta o desenvolvimento emocional das crianças

Razão #4 – Erotizar crianças é um prato cheio para pedófilos.

De acordo com o Jornal Gazeta do Povo[2], dados da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos mostram um aumento de 30% nos casos de pedofilia no período de isolamento. Por sua vez, a BBC Brasil destaca que nesse período da pandemia, os pedófilos não perderam tempo.[3] (Leia a notícia no link abaixo).

Logo, se você for um pai ou mãe que concorda com a erotização das crianças, não tem noção alguma do perigo que é sua criança “deixar excitado” um pedófilo. Francamente: você é um(a) irresponsável.

A psicologia séria jamais seria a favor da erotização infantil. Em seu livro Educando Meninas, o Dr. James Dobson nos dá uma informação muito séria, e que deve servir de alerta aos pais, psicólogos, educadores, assistentes sociais, à Netflix e aos governantes:

“Especialistas em desenvolvimento infantil alertam sobre o perigo de os pais atraírem pedófilos ao vestirem as filhas como se fossem mulheres sensuais. A American Psychological Association (APA) adverte que a sexualização das crianças resulta nos três problemas de saúde mental mais comuns entre meninas e mulheres: distúrbios alimentareis, baixa autoestima e depressão. Será que a APA precisa mesmo convencer mães e pais de que é pura estupidez transformar suas garotinhas de 6 anos em meninas insinuantes?” [4]

Sob o mesmo ponto de vista, o psiquiatra e psicoterapeuta Dr. Irineu César Silveira dos Reis, ponderou:

“Para ocorrer a hipersexualidade e erotização infantil, pesquisadores buscaram focar primeiramente onde essas ocorrem. Segundo eles: no recôndito do lar, através da massificação de campanhas publicitárias; por meio da TV, internet e vídeo games… Há uma imensidão de imagens, cenas e atividades criminosas que passam diante dos olhos infantis, de modo que as crianças absorvem estímulos e gestos imitados, sem que haja qualquer barreira crítica. Afinal, essa barreira crítica somente ocorrerá após os 12 anos! Intoxicadas e instigadas emocionalmente pela publicidade desenfreada, crianças tornam-se vítimas da profusão de comportamentos induzidos, de forma a granjear simpatia e desejos artificialmente criados. Tornam-se consumidores de alimentos, roupas, músicas e maneirismos aprendidos precocemente. Passam a desejar certas maquiagens, adereços, tatuagens, piercing, roupas femininas provocativas, sapatos infantis de salto alto… Todo esse conjunto apela aos pervertidos adultos, que acabam adotando essas crianças como objetos sexuais de fantasias e desejos criminosos.”[5]

Já acerca dos efeitos da erotização infantil na psiquê e no comportamento, Reis explica:

“As consequências da erotização infantil são: (a) mudanças de comportamento; (b) distúrbios alimentares; (c) distúrbios precoces esqueléticos e posturais; (d) estresse familiar; (e) estupros e violência sexual internas ou externas ao círculo familiar; (f) violência e delinquência infantil; (g) gravidez precoce; (h) uso de drogas e álcool; (i) sequestros e tráfico infantil; (j) consequências e distúrbios da personalidade; (k)  doenças mentais; (l) panorama forense  policial. Como podemos concluir, os dados mencionados acima já se constituem em si mesmos uma advertência e apelo aos pais para que detenham a permissividade, instaurando acesso restrito sobre programas e apresentações midiáticas, antes que o excessivo se torne expressivo!”[6]

Definitivamente, qualquer veículo de comunicação sério e comprometido com o bem-estar da criança, da família e da sociedade, não ignorará esses dados científicos. A menos que seja movido apenas pelo dinheiro, e não pela moral. Aprecio várias coisas na Netflix, e creio que eles melhorarão nesse aspecto ao considerarem esse tipo de dado acima.

Desde já (ou melhor, desde “ontem”) precisamos proteger a inocência de nossos filhos e filhas, e preservar neles as alegrias da infância! Essa fase precisa ser bem vivida, para que a saúde emocional na fase adulta não seja comprometida.

Enfim, deixe seus filhos serem crianças. Nada mais do que isso!

O mínimo que um país decente deveria ter.

A princípio, se o Brasil fosse um país decente, no mínimo teria a castração química[7] para esse tipo de pessoa pervertida (pedófilo). Se não for tratado dessa forma, o pedófilo seguirá deixando sua trilha de destruição psicológica. Posteriormente os efeitos da devastação psíquica nas vítimas serão sentidos nas gerações futuras. E o que podemos esperar do futuro de nossa sociedade com tantas vítimas traumatizadas, e pedófilos não sendo punidos devidamente? Esteja certo de que a família, igreja e sociedade irão “sangrar”.

Definitivamente, quem tem prazer e coragem de fazer sexo com uma criança, não deve ter direito de fazer sexo. Afinal, direitos humanos devem existir para quem vive como ser humano.

Afinal, o sexo é um presente de Deus para pessoas casadas, e que não praticam esse tipo de perversão. Sei que há muitas pessoas que não conseguiram viver o plano sexual de Deus para a vida delas (outros não tiveram conhecimento dele). Por outro lado, têm uma vida sexual dentro do padrão de normalidade, ou seja: não conseguem nem imaginar uma relação pedófila.

Até mesmo os criminosos na cadeia punem severamente estupradores e pedófilos. Ao mesmo tempo, isso nos mostra que por mais que uma pessoa esteja contra a lei ou não tenha acesso às Escrituras, a lei moral implantada por Deus no coração (Rm 2:14-15) lhe ajuda a saber que praticar sexo com crianças ou estuprar mulheres é algo abominável.

Num país sério como os EUA, há estados em que a castração química é imposta como condição para a redução da pena.

Sob o mesmo ponto de vista, no estado do Alabama foi aprovada uma lei mais dura. Todo condenado por crime contra crianças e adolescentes – até 13 anos – terá de começar o tratamento de castração química. Pelo menos um mês antes da liberdade condicional.

Logo, só pode parar com o tratamento depois que um juiz determinar que o tratamento não é mais necessário.

Por outro lado, se o pedófilo parar de se tratar antes, voltará para a prisão. Assim, as criancinhas ficarão livres da presença nas ruas de um destruidor de vidas infantis. (E adultas, pois os traumas permanecem e são passados para gerações futuras).

Posteriormente, a Netflix poderia produzir um documentário sem viés marxista, mostrando como os pedófilos são tratados e vigiados nos EUA. Simultaneamente isso estimularia os pais a exigirem do governo e do congresso mais decência e respeito pelas vítimas, na forma de punir e evitar a pedofilia no Brasil.

Em suma: não deixe suas filhas assistirem qualquer coisa na TV ou Netflix que estimule a sexualidade precoce.

Afinal, é preservando a inocência infantil, e ensinando os filhos a protegerem-se de abusadores, é que poderemos mantê-los mais seguros contra o crime da pedofilia. E seguros contra os traumas destruidores e permanentes.

Em conclusão, administre o que seus filhos verão na Netflix, e não permita que vejam a série “Cuties”. Dessa forma, você preservará a mente deles, e poderá evitar problemas futuros, inclusive para você e seu cônjuge.

Simultaneamente sejam pais marcantes, e seus filhos estarão mais próximos de vocês e de vossos corações. Isso possibilitará que eles confiem mais em vocês. Com essa confiança, vocês terão entrada no coração deles para ensinar-lhes valores e princípios, que os conduzirão a uma vida feliz e, no futuro, a uma vida eterna:

“Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus” (Ap 2:7).

REFERÊNCIAS

[1] James Dobson, Educando Meninas (São Paulo: Mundo Cristão, 2012), p. 23.

[2] William Bilches, “Alerta aos pais: pedofilia virtual aumenta no Brasil em meio à pandemia”. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/alerta-aos-pais-pedofilia-virtual-aumenta-no-brasil-em-meio-a-pandemia/ Acessado em 01 de setembro de 2020.

[3] Angelo Attanasio, “Coronavírus: o dramático aumento da atividade dos pedófilos virtuais com o isolamento”. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-52450312 Acessado em: 01 de setembro de 2020.

[4] Citado por James Dobson em Educando Meninas (São Paulo: Mundo Cristão, 2012), p. 25. (Grifos acrescidos).

[5] Mensagem enviada ao autor deste artigo em 03 de setembro de 2020.

[6] Ibid.

[7] A pena de morte seria um avanço aprovado por Deus. Ver Gênesis 9:6; Êx 22:25-27; Números 35:30-34; Romanos 13:1-5, etc.

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error1
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20

Leandro Quadros

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

5 comentários em “Netflix e Cuties: Não Deixe Que Erotizem Suas Filhas

  1. Gostaria de pontuar duas coisas:

    1) A Netflix não está com a intenção de educar ninguém, e tem limitação de faixa etária. Se uma criança tem contato com aquilo, é mais fácil que seja quando os pais não estão de olho. Dá até pra por senha.

    2) O que não inocenta quem veicula este tipo de coisa. A empresa tem responsabilidade no que transmite, e quem produz também. Tem várias outras coisas no Netflix que causariam arrepios na mãe mais zelosa, essa serei aí é só uma.

    3) Sexualização de menores não causa pedofilia. Causa a perda do respeito pelo próprio corpo e do próximo, mas pedofilia é outra coisa que ocorre independente de a criança ser sexualizada ou não. Prova disso é que, estatisticamente, 70% das ocorrências de abuso de menor ocorrem dentro de casa, onde em tese a criança ficaria segura.

    Vivemos num mundo doente, tanto as crianças quanto os adultos estão expostos à sensualidade presente nas propagandas e peças artísticas. Como pai, creio que a melhor arma contra a sexualidade infantil (além da oração) é a conscientização da criança, para que ela saiba identificar as situações de risco e como agir. E, pelos adultos, quem tá pensando em besteira tem que procurar ajuda especializada imediatamente.

    E orar, porque tudo isso é consequência da imperfeição que habita entre nós. E carecemos de misericórdia divina.

  2. Que pena tenho uma adolescente que gosta dessas coisas nova da netflix e não nuns ouve e uma pena o inferno está tão próximo deles e não pode.os fazer nada para evitalos pois não querem saber do evangelho, que pena que pena , sentimento de indignação.

  3. Ótimo texto como ponto de partida para o assunto. Consiso e direto. Os males trazidos por uma sexualidade fora de tempo e longe das circunstâncias ideais são indescritíveis e afetam praticamente todos os apectos da vida, trazendo todo tipo de incostância e desequilíbrio emocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo
ACESSE AQUI!
Download
Get a Shocking Discount!
Get 85% OFF on all our selected products
Check it out
Get 85% OFF on all our selected products
Get a Shocking Discount!
Check it out
Get a Shocking Discount!
Get 85% OFF on all our selected products
Check it out
Reserve seu lugar para assistir Aulas GRATUITAS que mudarão radicalmente a forma como você se comporta com o dinheiro, principalmente diante da crise.
Jornada Inteligência Financeira Bíblica
INSCREVA-SE
SAVE 20%
off Individual Membership every year you're a member with us
Click here to join