O que “é” e o que “não é” manifestação do Espírito Santo

O que “é” e o que “não é” manifestação do Espírito Santo

INTRODUÇÃO

Um cristão fala em línguas, perde o domínio de si e se deixa levar pelo êxtase emocional. Outro é frio, mal abre a boca para cantar louvores a Deus durante os cultos, pouco estuda a Bíblia e é alheio ao sofrimento do próximo.

Alguns são liberais, enquanto que outros são ultraconservadores (se dizem “conservadores”, mas, não o são…), ou seja: são modernos “saduceus” ou “fariseus” “pós-modernos”.

Se você se identificou com um desses perfis em sua maneira de se portar na vida religiosa, saiba que isso nada tem a ver com a manifestação do Espírito Santo. Está se enganando quando pensa que em sua igreja “O Espírito se manifesta”, enquanto que na outra, “não”. Aceitar isso é o primeiro passo para a cura. Do contrário, ela nunca virá.[1]

Para saber se a manifestação do Espírito é uma realidade em sua vida particular e em sua congregação, no presente artigo abordarei, de maneira breve[2], o que é e o que não é manifestação genuína da Terceira Pessoa da divindade.

O QUE É manifestação do Espírito Santo

A presença do Deus Espírito na vida torna a pessoa semelhante (não igual) a Jesus Cristo no caráter (Rm 8:29) e, obviamente, na maneira de tratar as pessoas.

Aqueles que estão se enchendo do Espírito segundo a orientação apostólica em Efésios 5:18, apresentam as seguintes qualidades:

  • Amor,[3] alegria, paz, paciência, amabilidade no trato com as pessoas (inclusive para com as que pensam do modo diferente em relação a questões doutrinárias ou referentes a costumes), bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5:22, 23).
  • Respeito. Evitam “as controvérsias tolas e inúteis”, não vivem brigando e discutindo na internet como se fossem ímpios, são amáveis para com todos e pacientes para ensinar e corrigir os que estão no erro (2Tm 2:23-25).
  • Não julgam os outros (Mt 7:1,2). Ao invés disso, se preocupam com as falhas pessoais e lutam ao lado do Espírito para superá-las, ao invés de perder tempo precioso em apontar as falhas dos outros.[4]
  • Possuem uma compreensão equilibrada entre a fé e as obras (Ap 14:12). Não são liberais nem legalistas, mas pessoas amorosas e equilibradas.
  • Manifestam preocupação genuína com os necessitados (Tg 1:27).[5]
  • Têm disposição em testemunhar daquilo que Jesus fez em suas vidas (1Cr 16:8; At 1:8);
  • Possuem “fome” de saber mais sobre a Bíblia (Jr 15:16; At 17:11).
  • Demonstram disposição em louvar ao Criador com alegria (Fp 4:4), fazendo uso correto e equilibrado de todos os instrumentos musicais presentes no Hinário Israelita (Salmos)[6] sem, contudo, serem promovedores de discórdias (Gl 5:20).

O que NÃO É manifestação do Espírito Santo

Se a pessoa é guiada pelo Espírito (Gl 5:18), ela não irá:

  • Ser uma escrava da natureza pecaminosa (Gl 5:18-21) que, entre outras coisas, leva a pessoa a ser irritadiça, provocadora de discórdias, fofoqueira e invejosa. Será uma pecadora, não uma “pecadeira”.[7]
  • Viver gritando com as pessoas, com os filhos e cônjuge (Ef 4:30,31).[8]
  • Deixar-se dominar pelo êxtase espiritual sem manter a consciência de si (1Co 14:15), fazer algazarra nos cultos, cair no chão ou rastejar-se[9].
  • Viver carrancuda (Fp 4:4). Alguns acham que cristianismo é sinônimo de “carranca”. Estão muito enganados![10]
  • Mal abrir a boca para louvar a Deus durante os cânticos congregacionais. Essa frieza está longe de ser manifestação do Espírito: “Cantem para ele, louvem-no; contem todos os seus atos maravilhosos. Gloriem-se no seu santo nome; alegre-se o coração dos que buscam o Senhor” (1Cr 16:9,10)[11].

CONCLUSÃO

O que mais necessitamos é de um relacionamento profundo com o Espírito (2Co 13:13), para que Ele siga esvaziando nossa mente do egoísmo e da falta de amor no trato com as pessoas, manifesta inclusive por meio de nossas palavras[12].

Se diariamente formos batizados ou mergulhados em Sua Pessoa maravilhosa[13], manifestaremos ao longo de nossa caminhada cristã o “fruto” ou qualidades de caráter dEle. Passaremos a ver a religião como uma oportunidade de nos aproximarmos dAquele que é Infinito, crescermos como pessoas e uma chance para aliviarmos o sofrimento das pessoas até a volta de Cristo (ver Tg 1:27).

Deixaremos de lado experiências excêntricas que rebaixam a razão (ver Rm 12:1.2; 1Co 14:33, 40), bem como racionalizações excessivas que levam a critica qualquer manifestação de alegria cristã durante os cultos (Fp 4:4).

Resumindo: um cristão cheio do Espírito trata as pessoas como Jesus trataria, e não vai para o extremo do neopentecostalismo moderno nem para o extremo do ultraconservadorismo [14].

NOTAS E REFERÊNCIAS

[1] Obviamente, o identificar-se com um dos padrões de comportamento mencionados acima não indica que o “outro Consolador” (Jo 14:16) não seja seu companheiro constante (2Co 13:13), e que não esteja atuando em seu interior para lhe convencer de que precisa de Jesus (Jo 14:26) e de mudanças em sua vida (Jo 16:8-10).

[2] No link a seguir poderá baixar uma listagem de pecados que mais entristecem o Espírito Santo, segundo a Bíblia e os escritos de Ellen White, o que lhe ajudará a ver com mais detalhes “o que é” e “o que não é” manifestação do Espírito: http://leandroquadrosonline.com.br/ebookpecados

[3] Não deixe de considerar João 13:35, texto que, infelizmente, é bastante ignorado: “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (NVI).

[4] “Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão.” (Mt 7:3-5 – NVI).

[5] À luz do diálogo que Jesus manterá com a humanidade por ocasião do juízo (veja-se Mt 25:31-46), percebe-se que boa parte dos crentes se encontra sob pequena influência do Espírito.

[6] Obviamente, todo o “hinário” dos Salmos era usado dentro do Tempo. Não há razão para crermos que o Salmo 150:4, por exemplo, fosse tirado da liturgia.

[7] Continuará sendo pecadora porque Cristo ainda não voltou para nos libertar da presença do pecado em nosso interior e no mundo exterior. Todavia, não será “pecadeira” fazendo do pecado um estilo de vida.

[8] Ser cristão na igreja e “Diabo” ou “Diaba” em casa se constitui numa das maiores evidências de que tal pessoa não está sob a influência enobrecedora do Divino Espírito, mas sim que o demônio tem tido mais “licença” para fazer parte da vida relacional.

[9] “Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz. Como em todas as congregações dos santos” (1Co 14:33. Ver também o v. 40).

[10] “[…] A vida cristã deve ser de fé, vitória e alegria em Deus […] Disse Neemias, servo de Deus: ‘A alegria do Senhor é a vossa força’. Ne 8:10. E Paulo diz: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez vos digo, regozijai-vos”. Fp 4:4. ‘Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco’. 1Ts 5:16-18. São esses os frutos da conversão e santificação bíblica […]” – Ellen G. White, O Grande Conflito (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2014), p.p. 477, 478. Grifo acrescido.

[11] Veja também o Salmo 122:1: “Alegrei-me com os que me disseram: ‘Vamos à casa do Senhor!’”

[12] “O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um.” (Cl 4:6, NVI).

[13] “Uma vez que é esse o meio pelo qual havemos de receber poder, por que não sentimos fome e sede pelo dom do Espírito? Por que não falamos sobre ele, não oramos por ele e não pregamos a seu respeito? O Senhor está mais disposto a dar o Espírito Santo àqueles que O servem do que os pais a dar boas dádivas a seus filhos. Cada obreiro deve fazer sua petição a Deus pelo batismo diário do Espírito.” – Ellen G. White, Atos dos Apóstolos (Tatuí. SP: Casa Publicadora Brasileira, 2013), p. 50.

[14] Infelizmente, não recebemos mais do Espírito Santo, nos tornando assim pessoas melhores, simplesmente por não pedirmos! “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!” (Lc 11:13, NVI).

Anterior 5 dicas para ensinar seu filho ou sua filha a amar o próprio gênero
Próximo Perguntas e Respostas Sobre o Dízimo

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 706 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Textos Difíceis 7 Comentários

O contexto é tudo

Entenda por que o profeta Elias mandou descer fogo do céu sobre duas tropas inimigas Hoje veremos a importância da análise contextual para a correta interpretação do texto bíblico. Isso

Pelo em ovo ou chifre em cabeça de cavalo

Alguns cristãos sinceros perdem tempo buscando “pelo em ovo” ou “chifre em cabeça de cavalo”, preocupando-se com aquilo que não é importante para a vida. Uma irmã enviou ao site

Humildade cristã não está com cristãos cabisbaixos

Para nossa desgraça, aprendemos um conceito de humildade cristã que nada contribui para nossa motivação em seguirmos a Cristo. Nem beneficia nossa saúde emocional! É comum vermos irmãos cabisbaixos, sisudos

3 Comentários

  1. Pastor o senhor pode mim mandar pelo o meu email esse estudo sobre as manifestações do Espirito Santo em pdf ?
    Quero ministrar ele para a igreja
    Bom estudo esse.
    Eu sou pastor de uma igreja

  2. Oli
    abril 20, 13:43 Resposta

    E, principalmente, guardar os mandamentos de Deus, cfe I Jo. 3:24. Assim, não fazer imagem nem servir, como a IASD faz e fez postando seus ídolos na sua sede no Canadá, e publicando imagens do que dizem ter sido de Jesus.

  3. Ceci
    abril 18, 11:06 Resposta

    Muito verdade isso que o professor escreveu..pena que nem todos conseguem entender essas coisas

Deixe seu Comentário