Por que Paulo foi tão rigoroso com os Gálatas?

Por que Paulo foi tão rigoroso com os Gálatas?

Há um irmão que constantemente posta no blog comentários extensos, com capítulos bíblicos INTEIROS dirigidos aos adventistas. Um dos livros que ele mais cita é o de Gálatas para tentar mostrar que a lei foi “abolida” e que somos “legalistas”.

Na resposta a seguir espero que esse irmão entenda de verdade a teologia de Paulo sobre a graça e a Lei. E que pare de pensar numa graça barata, que não transforma o pecador.

Também deseo que ele aceite definitivamente que Paulo não foi contra a observância da Lei, pois ele mesmo guardava toda ela (Atos 25:8; Romanos 3:31; 7:22, etc). Ao escrever aos Gálatas o apóstolo estava é condenando um sistema de religião que coloca a lei no lugar de Jesus. Como ele bem disse: “Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela se utiliza de modo legítimo” 1 Timóteo 1:8.

Em breve postarei os comentários desse irmão. Ainda não o fiz porque pretendo postar as devidas respostas juntamente. Enquanto isso, peço que, com carinho, ele analise o contexto histórico da carta aos Gálatas para não relacionar os adventistas com eles.

Lembrei de uma coisa: A carta de Tiago parece não ter sido lida por esse internauta…

Vamos à análise da questão proposta no título:

Paulo foi firme com os Gálatas porque eles estavam negando a salvação pela fé em Jesus. Quando lemos o capítulo 3:1-4 da carta, percebemos que os irmãos daquela igreja estavam fazendo da Lei (os cinco livros de Moisés, com todas as instruções ao povo de Deus) o meio de Salvação no lugar de Cristo.:

Ó gálatas sem juízo! Quem foi que enfeitiçou vocês? Na minha pregação a vocês eu fiz uma descrição perfeita da morte de Jesus Cristo na cruz; por assim dizer, vocês viram Jesus na cruz. Respondam somente isto: vocês receberam o Espírito de Deus por terem feito o que a lei manda ou por terem ouvido a mensagem do evangelho e terem crido nela? Como é que vocês podem ter tão pouco juízo? Vocês começaram a sua vida cristã pelo poder do Espírito de Deus e agora querem ir até o fim pelas suas próprias forças? Será que as coisas pelas quais vocês passaram não serviram para nada? Não é possível!” (Nova Tradução Na Linguagem de Hoje – Grifos acrescentados).

Para afastar de vez essa ideia perigosa da igreja, Paulo mostra-lhes que o perdão (justificação) é apenas pela fé, graças ao sacrifício substitutivo realizado por Cristo na cruz.

A lei, na teologia bíblica (e de Paulo) não pode ser o meio de salvação de pecadores (Efésios 2:8, 9). Ela é sim o resultado de um coração transformado pela graça (ver Efésios 2:10). Afinal, quando nos tornamos novas criaturas (2 Coríntios 5:17) a Lei de Deus é escrita em nosso coração (Hebreus 8:10) para que vivamos em santo procedimento (2 Pedro 3:11) aguardando a volta gloriosa de Jesus a esse mundo (2 Pedro 3:10-13).

Por isso, a função da Lei não é salvar, mas, nos levar ao Salvador (por nos mostrar nossa condição pecaminosa – ler Romanos 3:20) e ser o resultado da transformação que o Espírito Santo produz no crente (Efésios 2:10) durante o processo de santificação (2 Tessalonicenses 2:13; 1 Pedro 1:2) – que é diária.

Clique nesta imagem para ir ao site e conhecer o conteúdo do áudio livro

Também não deixa de ser uma evidência externa de nosso amor por Cristo: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15.

Gostaria que os irmãos de todas as confissões religiosas comentassem esse post para, juntos, chegarmos a um consenso sobre a relação entre a graça e a Lei. As argumentações precisar ser apoiadas NA BÍBLIA. O que acham?

Ficarei no aguardo. Um grande abraço!

Leandro Quadros.

[table id=1 /]

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior Modelo bíblico de pregação: como posso ser um pregador?
Próximo Dicionário Brasileiro de Teologia demonstra que a “alma” é mortal

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 793 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Sem categoria 0 Comentários

O que são os 42 meses ou 1260 dias de Apocalipse 12 e quando se cumpriram?

Segundo Apocalipse 12, para escapar aos ataques do inimigo, a igreja foge para o deserto, para um lugar que Deus lhe preparou, e aí é sustentada por 1260 dias proféticos.

Sem categoria 7 Comentários

O cristão e o cuidado com os animais

Você sabia que a Bíblia afirma que na Nova Terra existirão animais, não é? “O lobo viverá com o cordeiro, o leopardo se deitará com o bode, o bezerro, o

Sem categoria 54 Comentários

O “oitavo rei”: a interpretação de Apocalipse 17 que não acerta uma

Por Nelson Wasiuk, apresentador do programa “En La Mira da La Verdad”. Tradução: Filipe Reis   Desde que João Paulo II morreu em 2005, uma interpretação diferente de Apocalipse 17: 9-11

5 Comentários

  1. Teologia
    março 27, 14:51 Resposta

    Excelente artigo, obrigado por compartilhar…vendo mais

  2. Rhobhysonn
    novembro 07, 12:17 Resposta

    Muito bom, leio diariamente os posts do professor aumento assim meu conhecimento sobre vários temas polêmicos da Bíblia hehe, parabéns professor sempre acompanho seus vídeos e posts……

  3. Ornei
    agosto 21, 09:59 Resposta

    Ola leandro…. Gostaria que vc me guiasse sobre uma questão. …. Existe uma outra tradução. ..A BIBLIA ISRAELITA.. Se vc quiser pesquisar …esta no you tube … Corrigindo o muitos textos … Tambem ha um aplicativo android ….co ela … Achei muito boa mas queria q vc me guiasse quanto a isso obrigado…

  4. Vitor
    agosto 10, 09:39 Resposta

    Era uma vez um escravo. Era submetido a uma disciplina rigorosíssima r a condições de vida cruéis.
    Nessa condição, ele obedecia a todas as ordens para não ser açoitado ou até morto.

    Chegou um homem rico bondoso que se compadeceu do escravo. Comprou-o, alimentou-o, deu-lhe condições de vida dignas e concedeu-lhe a liberdade. Além disso, deu-lhe emprego remunerado.

    RESULTADO: O ex-escravo foi salvo pelo homem bondoso e não precisou fazer nada para isso.

    PERGUNTA: como servo livre, o ex-escravo está livre para descumprir as ordens de seu resgatador?
    Ou se espera que ele cumpra as regras básicas com alegria e gratidão?

Deixe seu Comentário