Quem é o Arcanjo Miguel?

Quem é o Arcanjo Miguel?

“Fundamentados nas semelhanças que a Bíblia apresenta entre as características da missão do Arcanjo Miguel com as de Cristo, podemos concordar como outros comentaristas, como João Calvino e Matthew Henry, que identificam Miguel.”

Dentro do contexto da Bíblia Sagrada, que, sem sombra de dúvida, é a fonte de informações mais segura e confiável sobre angelologia, encontramos uma série de declarações que, comparadas e confrontadas, nos levam a pensar que o Arcanjo Miguel é o próprio Cristo. Apocalipse 12:7 declara que “houve guerra no Céu” e que “Miguel e Seus anjos lutaram contra o dragão”. Daniel 8:25 diz que “por sua astúcia nos seus empreendimentos fará prosperar o engano;[…] levantar-se-á contra o Príncipe dos príncipes”. Na versão parafraseada da Bíblia na Linguagem de Hoje, diz que “ele desafiará a Deus, o Rei dos reis”. E segundo Apocalipse 19:16, Jesus Cristo é o Rei dos reis.

Daniel 12:1 enfatiza que “nesse tempo se levantará Miguel, o grande Príncipe…”; Daniel 9:25 refere-se ao Ungido como sendo o Príncipe, nestas palavras:

“… desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe…”. E no versículo 26, fala que o Ungido, ou o Príncipe do versículo 25, será morto. “Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará…” (Daniel 9:26).

Quem é este Ungido? A resposta está em Lucas 4:17 e 18, onde Jesus, referindo-Se à profecia de Isaías 61:1 e 2, fala de Si mesmo nestas palavras: “O Espírito Santo está em Mim, pelo que Me ungiu…”

♦ “O Espírito do Senhor Jeová está sobre Mim, porque o Senhor Me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-Me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes” (Isaías 61:1 e 2).

♦ “E foi-Lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre Mim, pois que Me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-Me a curar os quebrantados do coração” (Lucas 4:17 e 18).

Atos 10:38 e 39 declara, de maneira mais direta, quem é este Ungido, com as seguintes palavras: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com Ele. E nós somos testemunhas de todas as coisas que fez, tanto na terra da Judéia como em Jerusalém; ao qual mataram, pendurando-O num madeiro.”

Atos 4:26 diz que “levantaram-se os reis da Terra e as autoridades ajuntaram-se à uma contra o Senhor e contra o Seu Ungido…” – Aqui não se trata de qualquer ungido, mas do Ungido, o Messias.

Atos 5:30 e 31 acrescenta que “o Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, a quem vós matastes… Deus, porém, com a Sua destra o exaltou a Príncipe e Salvador…”

Quem poderia ser, pois, Miguel de Apocalipse 12:7; Miguel, vosso Príncipe, de Daniel 12:11; Miguel, o grande Príncipe, de Daniel 9:25?

Porventura a resposta não estaria em Apocalipse 1:5? Está escrito:

“E de Jesus Cristo, que é a Testemunha fiel, o primogênito dentre os mortos, e o Príncipe dos reis da Terra…?” – (Versão Trinitariana, Edição Revista e Reformulada segundo o original Hebraico e Grego).

Corroboram esta versão também as versões da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, a New York: American Bible Society e Holy Bible, Translated From The Latim Vulgate, Bélgica. (Wilson Sarli, Anjos Exércitos Invisíveis de Luz e Poder, 2.ª ed., 2000, pág. 339).

Quem é o Arcanjo Miguel mencionado em Judas 9?1 Muita especulação surgiu através dos tempos, nas tradições judaicas e cristã, sobre a natureza e obra dos anjos, bem como sobre a identificação do Arcanjo Miguel. Na literatura pseudo-epígrafa, por exemplo, Miguel é apresentado como um dos sete anjos celestiais (1 Enoque 20:1 a 7; 81:15; 90:21 e 22; Tobias 12:15), e um dos quatro que se encontram mais próximos do trono de Deus (1 Enoque 9:1; 40:1 a 10; 54:6; 71:8, 9 e 13). Essas tradições extrabíblicas têm sido usadas por muitos comentaristas contemporâneos para alegar que Miguel é apenas um anjo, criado por Deus, que exerce a função de principal líder das hostes angélicas.

Nas Escrituras, Miguel, cujo nome significa “Quem é como Deus?”, é descrito como:

♦ “Arcanjo” (Judas 9);

♦ o líder das hostes angélicas no conflito com Satanás e os seus anjos maus (Apocalipse 12:7);

♦ “um dos primeiros príncipes” (Daniel 10:13);

♦ “vosso Príncipe” (Daniel 10:21);

♦ “o grande Príncipe”, o defensor dos filhos do teu povo” (Daniel 12:1);

Uma análise detida dessas expressões, dentro do contexto bíblico, deixa claro que Miguel é apresentado no texto sagrado como um Ser divino, cujas características refletem a glória messiânica do Antigo Testamento.

Miguel é apresentado em Judas 9 como o “Arcanjo” que, na disputa “a respeito do corpo de Moisés” (Deuteronômio 34:5 e 6), enfrentou o diabo com as palavras: “O Senhor te repreenda!” Essa alusão identifica Miguel como o “Arcanjo do Senhor” que, na contenda sobre o “sumo sacerdote Josué”, disse igualmente ao diabo:

“E me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do Senhor, e Satanás estava à sua mão direita, para se lhe opor. Mas o Senhor disse a Satanás: O Senhor te repreende, ó Satanás, sim, o Senhor, que escolheu Jerusalém, te repreende; não é este um tição tirado do fogo? Ora, Josué, vestido de vestes sujas, estava diante do Anjo” (Zacarias 3:1 a 3).

É interessante notarmos que, tanto em Zacarias 3 como em Gênesis 22:11 a 18, Juízes 6:11 a 24, Juízes 13; e Atos 7:30 a 40, o Anjo do Senhor é identificado como sendo o próprio Senhor!

Em Apocalipse 12:7, Miguel e Satanás são apresentados em direto antagonismo, num conflito cósmico que se originou no Céu, e que se estende ao longo da história humana (Apocalipse 12; Apocalipse 20). O Novo Testamento esclarece que esse conflito polarizou-se entre Cristo e Seus seguidores e Satanás e seus adeptos. Ver:

♦ Mateus 4:1 a 11
♦ João 12:31 e 32; Colossenses 1:9 e 16
♦ Efésios 6:10 a 20 João 14:30

Já em Daniel 10:13, 21 e 12:1, Miguel é chamado de “Príncipe” e “o grande Príncipe”. Em todo o restante das Escrituras, quando não aplicado a seres humanos, o título “príncipe” é usado exclusivamente para Cristo ou para Satanás, mas nunca para qualquer outro ser angelical (ver Josué 5:14 e 15; Isaías 9:6; Daniel 8:11 e 25; Daniel 9:25; Atos 5:31; João 12:31 João 14:30; 16:11 Efésios 2:2).

Em Josué 5:14 e 15, o Senhor Se apresentou a Josué como “Príncipe do exército do Senhor”, aceitando adoração, o que seria uma blasfêmia se esse Príncipe fosse apenas um anjo (ver Mateus 4:10; Apocalipse 22:8 e 9), e ordenando que Josué tirasse as suas sandálias porque o lugar se tornara santo (comparar com Êxodo 3:4 a 6; Atos 7:30 a 33). No próprio livro de Daniel, Cristo é chamado também de “Príncipe do exército” (Daniel 8:11) e “Príncipe dos príncipes” (Daniel 8:25).

Uma das características básicas do conteúdo profético do livro de Daniel é a “repetição para ampliação”. Cada uma das quatro grandes seções proféticas do livro emprega símbolos diferentes para descrever a mesma sequência profética, culminando sempre com a manifestação gloriosa de Cristo para a implantação do Seu reino eterno. Essa manifestação de Cristo é simbolizada em Daniel 2, pela pedra cortada sem auxílio de mãos (versos 34 e 35; 44 e 45; comparar com Atos 4:11; Efésios 2:20; 1 Pedro 2:4 e 8); em Daniel 7:13, pelo aparecimento do Filho do homem (comparar com Apocalipse 19:11 a 21).

E, finalmente, em Daniel 12:1, pela vinda de “Miguel, o grande Príncipe, defensor dos filhos do teu povo” (comparar com Salmo 91). Alegar que Miguel seja um simples anjo significa quebrar o paralelismo estrutural do livro.

Fundamentados nas semelhanças que a Bíblia apresenta entre as características da missão do Arcanjo Miguel com as de Cristo, podemos concordar como outros comentaristas, como João Calvino e Matthew Henry, que identificam Miguel como Cristo e não um simples anjo (ou um ser criado).

Fonte: Biblia.com.br

_______________

1 A partir desse ponto o texto foi extraído de Alberto R. Timm, Revista Sinais dos Tempos, agosto de 1998, pág. 29.

Anterior 10 Perguntas Específicas Sobre a Criação do Homem e Sua Natureza
Próximo Será o Santuário “Purificado”?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 736 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

FAQ - Dúvidas Frequentes 1Comentários

O sábado através dos séculos

“Quase todas as igrejas no mundo celebram os sagrados mistérios [da Ceia do Senhor] no sábado de cada semana.” Socrates Scholasticus, Eccl. History “Então a semente espiritual de Abraão [os

FAQ - Dúvidas Frequentes 7 Comentários

A Aparente Crença Espírita do Pr. Martinez

Introdução Várias alegações imprecisas foram feitas pelo Pr. João Flávio Martinez, do Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP) acerca de um vídeo onde refutei sua interpretação imortalista da aparição de Moisés.

FAQ - Dúvidas Frequentes 0 Comentários

Proteja as Crianças!

O American College of Pediatricians exorta profissionais de saúde, educadores e legisladores a rejeitar as políticas que condicionam as crianças a aceitarem como normal uma vida de representação química e

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comente este artigo!