Ataque em Orlando: isso sim é homofobia

Ataque em Orlando: isso sim é homofobia

“E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”
(Mateus 24:12)

Possivelmente, você já sabe que 50 pessoas morreram em um ataque feito a uma boate gay em Orlando, na Flórida, EUA. Esse episódio diabólico tem algo de muito importante a ensinar a nós, brasileiros.

Veja como devemos tratar as pessoas homossexuais na Igreja:

Primeiro: nosso código penal deveria levar mais a sério o crime. Se fosse no Brasil, é bem provável que algum defensor dos “direitos humanos” (para bandidos, diga-se de passagem) estivesse defendendo “a vida” do criminoso, ensaiando ou fazendo algum tipo de “protesto” contra a polícia.

Porém, vários estados do país norte-americano seguem uma lógica: a vida da vítima é mais valiosa que a do criminoso, e quem precisa receber benefícios dos direitos humanos são os familiares das vítimas. Gênesis 9:6 dá respaldo a essa filosofia. Com certeza, esse texto (entre outros da Palavra de Deus) deveria ser levado mais a sério neste país corrupto.

Em segundo lugar: esse tipo de ataque é que é homofobia. Não ver a relação gay como algo natural (cf. Rm 1:26-28) nada tem de homofóbico se o respeito e amor pelo homossexual não forem substituídos pelo preconceito e pelo ódio (satânico, obviamente). As pessoas neste País inculto devem se tornar mais inteligentes e parar de chamar um hetero de “homofóbico” por ele defender seu ponto de vista. Direito de opinião num país democrático não pode ser confundido com “homofobia”.

Terceiro: precisamos, como cristãos, parar de brincar de religião. Cristo nos deu uma missão de levarmos o evangelho a todas as pessoas (Mt 28:18-20; Mc 16:15, 16), independente de sua “opção” sexual. Muito cristãos têm negligenciado isso (para nossa vergonha) ao perder tempo criticando os homossexuais, ao invés de mostrar a eles o amor incondicional de Jesus Cristo (Rm 5:7, 8).

Quantos gays morreram naquele ataque criminoso sem terem tido a esperança do evangelho para os homossexuais (1Co 6:11)? Quantos deles tiveram contato com cristãos amorosos que refletiram em suas vidas o amor de Jesus, para que aqueles gays e lésbicas pudessem sentir que é desejo de Deus libertá-los da dor e dar-lhes uma vida eterna por meio da fé em Jesus Cristo (Jo 3:36)?

Essa falta de amor no mundo é da parte tanto de criminosos homofóbicos quanto de cristãos. Os “terroristas” matam e os cristãos, têm deixado as pessoas morrerem – sem salvação.

Que diante de mais um sinal da segunda vinda de Cristo (falta de amor – Mateus 24:12) você e eu sejamos sábios em tirar pelos menos algumas lições, e motivados a apressarmos a volta do Senhor a este mundo tenebroso:

“E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (Mt 24:14).

 

“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” (Mt 5:16).

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior De onde veio a luz do primeiro dia da criação?
Próximo Carta a alguém que foi abusado sexualmente

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 797 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Crônicas para a Alma 1Comentários

As crianças fazem parte do nosso processo de cura emocional

“Mas Jesus lhes ordenou: deixai vir a mim as crianças, não as impeçais, pois, o Reino dos céus pertence aos que se tornam semelhantes a elas”. (Mateus 19:14, na versão

Crônicas para a Alma 0 Comentários

A sexualidade é um presente de Deus

Que ideias ou pensamentos lhe vêm à mente quando você ouve ou lê a palavra sexualidade? Em certa ocasião, quando convidado a escrever sobre este tema, o que veio de

Crônicas para a Alma 0 Comentários

Sal da Terra

“Deixe-me dizer-lhes por que vocês estão aqui: é para ser o tempero, sal que leva o sabor de Deus a esta Terra. Se vocês perderem sua salinidade, como as pessoas

2 Comentários

Deixe seu Comentário