Se somos salvos pela graça, por que então temos que guardar os mandamentos de Deus?

Se somos salvos pela graça, por que então temos que guardar os mandamentos de Deus?

Quando estudamos a teologia da graça, dois terríveis enganos têm obscurecido o ensino da Palavra de Deus. O primeiro deles é de que o homem pode salvar-se pelo seu próprio esforço em obedecer aos mandamentos da lei de Deus. Aquele que isso faz está tentando o impossível. Por si só jamais o homem alcançará justiça, bondade e perfeição. Aliás aquele que tenta salvar-se pela obediência à lei está rejeitando e desprezando aquilo que Cristo fez por Ele: Salvação!

 

 

Outro engano, não menos perigoso é achar que a salvação encontrada em Cristo nos liberta de qualquer compromisso com a lei de Deus. É verdade que alguns ainda tentam salvação com um pouco de Cristo e um pouco de obras – isso também é perigoso engano. Muito pelo contrário, a verdadeira obediência é uma resposta de amor e compromisso para com Cristo Jesus. Ela nunca traz méritos ou vantagens para aquele que a pratica. É apenas uma resposta de amor! Gostaria que você lesse com calma alguns textos bíblicos: João 14:15; João 15 (videira-ramos-fruto) Romanos 3:31; Gálatas 5:16-25; Tito 2:11-15.

As obras, não são um meio para alcançar a salvação (Efésios 2:9), e sim fruto da fé, pois o fruto do Espírito é entre outras coisas amor (Gálatas 5:22). A lei se resume no amor (Gálatas 5:14, Mateus 22:36-40), e é o reflexo do caráter de Deus, pois Deus é amor (I João 4:8). Sendo assim ao obedecermos aos quatro primeiros mandamentos nós demonstramos amor à Deus, e ao obedecermos aos seis últimos demonstramos amor ao próximo.

 

 

Vale ressaltar que:

A obediência a lei demonstra amor a Deus (João 14:15); A fé não nos dispensa de guardar os mandamentos (obras), pois a fé sem obras é morta (Romanos 3: 31; Tiago 2:17); Temos a vida eterna através do conhecimento de Deus (João 17:3), ou seja, a prova de que conhecemos a Deus é a obediência aos Seus mandamentos (I João 2:3-5);

Resumindo: quem salva é Cristo; nossa obediência à lei é apenas uma resposta de amor; guardar a lei nem sempre significa que estamos buscando salvação por obras; A salvação não depende das obras de obediência à lei de Deus (Romanos 3:28). Entendemos, portanto que sendo a salvação inteiramente pela graça, as obras são uma conseqüência natural de aceitarmos a graça de Deus em nossa vida, um resultado do novo nascimento.

 

 

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior Resposta ao presbítero Paulo Cristiano da Silva, do CACP
Próximo Soberania Divina ou Tirania divina?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 788 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 1Comentários

Romanos 2:13 e a justificação pela fé

Se há algo que o diabo gosta é dos extremos. Ele aprecia ver as pessoas defendendo uma salvação pelas obras e ri daqueles que acham que a salvação pela graça

Bons Debates 0 Comentários

Afirmação da Criação

Uma declaração do Instituto de Pesquisa em Geosciências, sediado na Universidade de Loma Linda, afirmando a evidência de planejamento na natureza e o relato bíblico da criação em seis dias.

Bons Debates 27 Comentários

30 Perguntas aos que Creem na Imortalidade da Alma

INTRODUÇÃO O autor do presente estudo é o Prof. Azenilto Brito. Teólogo, jornalista, tradutor e mantenedor do Ministério Sola Scriptura, é um dos nomes da apologética cristã adventista no Brasil.

2 Comentários

  1. Leonardo Santana
    dezembro 29, 12:24 Resposta

    Até agora, desde que tive o verdadeiro encontro com Cristo e decidi caminhar verdadeiramente na fé, esta foi a melhor explicação sem dúvidas e a que mais me trouxe clareza no coração e mente. Muito obrigado, de coração!

  2. Bryan Johnson
    janeiro 22, 17:59 Resposta

    A salvação sempre foi gratuita. Não teríamos como pagar o preço para obter a salvação. Graças a Deus que somos salvos pela graça dele.

Deixe seu Comentário