O que aconteceu com as pessoas que ressuscitaram quando Jesus morreu (Mt 27:51-53)?

O que aconteceu com as pessoas que ressuscitaram quando Jesus morreu (Mt 27:51-53)?

Mateus 27:51-53 nos diz que, por ocasião da morte de Jesus, “o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram”. Alguns mortos, como o filho da sunamita (2Rs 4:18-37), a filha de Jairo (Mt 9:23-26), o filho da viúva de Naim (Lc 7:11-17) e Lázaro (Jo 11:146), já haviam sido ressuscitados antes da morte e ressurreição de Jesus. Estes, porém, não foram glorificados e nem receberam o dom da imortalidade ao serem ressuscitados.

Cristo mesmo havia declarado ser Ele “a ressurreição e a vida” (Jo 11:25; 10:17 e 18) e ter poder para conceder a “vida eterna” a todos quantos nEle cressem (Jo 3:14-16; 5:24-29; 17:2). O poder de Cristo sobre a morte evidenciou-se não apenas em Sua própria ressurreição, como “as primícias dos que dormem” (1Co 15:20 e 23), mas também na ressurreição de um grupo de “santos” que ressuscitou com Ele (Mt 27:51-53). Os líderes judeus haviam subornado os guardas para negarem a ressurreição de Jesus (Mt 28:11-15), mas esses santos ressuscitados “entraram” em Jerusalém “e apareceram a muitos” (Mt 27:53) como testemunhas autênticas da ressurreição de Cristo e do Seu poder sobre a morte (ver Ap 1:18).

O texto bíblico não entra em detalhes a respeito do futuro daqueles que ressuscitaram com Jesus. Mas, se considerados como os “primeiros frutos” (ver Êx 23:16; 34:22 e 26; Lv 23:9-14) da grande messe de salvos que ressuscitarão incorruptíveis por ocasião da segunda vinda de Cristo (1Co 15:51-55), então eles só podem ter sido ressuscitados também incorruptíveis para receber o galardão da vida eterna. Em seu comentário sobre Mateus 27:53, Jamieson, Fausset e Brown declaram que “esta foi uma ressurreição uma vez por todas, para a vida eterna; e, desta forma, não existe lugar para dúvidas de que eles foram para a glória com o seu Senhor, como esplêndidos troféus da Sua vitória sobre a morte” (Commentary on the Whole Bible, Grand Rapids, MI: Zondervan, 1961, p. 948).

Alberto R. Timm – Sinais dos Tempos, maio/junho de 2000. p. 21 

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error17
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior O significado de "primícias"
Próximo 12 segredos para gastar menos no supermercado

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 793 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 2 Comentários

Como entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17?

Como entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17? Como o conteúdo de Marcos 16:9-20 não aparece nos manuscritos gregos mais antigos e melhores, especialistas em crítica textual

Dúvidas Bíblicas 34 Comentários

Graça Irresistível e o Rev. Augustus Nicodemus

Será que a graça é “irresistível”, de modo que quem foi predestinado não pode mais se perder? Neste post analiso uma frase atribuída ao Rev. Augustus Nicodemus, com o objetivo de provar que as Escrituras estão longe de ensinar a doutrina da “graça irresistível” ou da “dupla predestinação”.

Bons Debates 1Comentários

“Deixar o corpo para partir e estar com Cristo” (2 Coríntios 5:8 e Filipenses 1:23)

Um querido amigo perguntou-me se havia contradição entre Eclesiastes 9:5-6 e 10, 2 Coríntios 5:8 e Filipenses 1:23. A pergunta dele me motivou a elaborar uma breve resposta sobre o

1 Comentário

  1. Márcio
    abril 10, 13:02 Resposta

    Boa tarde professor!

    Fico em dúvida em uma parte, somente para poder entender.

    Nessa ocasião os mortos que ressuscitaram acenderam com Cristo aos Céus, minha pergunta é:

    Se eles ressuscitaram quando Cristo morreu eles teriam ido com Ele aos céus quando Cristo ressuscita ou quando ele vai aos céus depois de 40 dias? O período tanto de um quanto de outro daria tempo para serem vistos na cidade.

    Sei que não é um ponto de debate, apenas uma curiosidade, provavelmente não deve haver consenso na resposta por parte dos teólogos.

    Um forte abraço

    Márcio

Deixe seu Comentário