O que aconteceu com as pessoas que ressuscitaram quando Jesus morreu (Mt 27:51-53)?

O que aconteceu com as pessoas que ressuscitaram quando Jesus morreu (Mt 27:51-53)?

Mateus 27:51-53 nos diz que, por ocasião da morte de Jesus, “o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram”. Alguns mortos, como o filho da sunamita (2Rs 4:18-37), a filha de Jairo (Mt 9:23-26), o filho da viúva de Naim (Lc 7:11-17) e Lázaro (Jo 11:146), já haviam sido ressuscitados antes da morte e ressurreição de Jesus. Estes, porém, não foram glorificados e nem receberam o dom da imortalidade ao serem ressuscitados.

Cristo mesmo havia declarado ser Ele “a ressurreição e a vida” (Jo 11:25; 10:17 e 18) e ter poder para conceder a “vida eterna” a todos quantos nEle cressem (Jo 3:14-16; 5:24-29; 17:2). O poder de Cristo sobre a morte evidenciou-se não apenas em Sua própria ressurreição, como “as primícias dos que dormem” (1Co 15:20 e 23), mas também na ressurreição de um grupo de “santos” que ressuscitou com Ele (Mt 27:51-53). Os líderes judeus haviam subornado os guardas para negarem a ressurreição de Jesus (Mt 28:11-15), mas esses santos ressuscitados “entraram” em Jerusalém “e apareceram a muitos” (Mt 27:53) como testemunhas autênticas da ressurreição de Cristo e do Seu poder sobre a morte (ver Ap 1:18).

O texto bíblico não entra em detalhes a respeito do futuro daqueles que ressuscitaram com Jesus. Mas, se considerados como os “primeiros frutos” (ver Êx 23:16; 34:22 e 26; Lv 23:9-14) da grande messe de salvos que ressuscitarão incorruptíveis por ocasião da segunda vinda de Cristo (1Co 15:51-55), então eles só podem ter sido ressuscitados também incorruptíveis para receber o galardão da vida eterna. Em seu comentário sobre Mateus 27:53, Jamieson, Fausset e Brown declaram que “esta foi uma ressurreição uma vez por todas, para a vida eterna; e, desta forma, não existe lugar para dúvidas de que eles foram para a glória com o seu Senhor, como esplêndidos troféus da Sua vitória sobre a morte” (Commentary on the Whole Bible, Grand Rapids, MI: Zondervan, 1961, p. 948).

Alberto R. Timm – Sinais dos Tempos, maio/junho de 2000. p. 21 

Anterior O significado de "primícias"
Próximo 12 segredos para gastar menos no supermercado

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 755 posts

Escritor e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "Lições da Bíblia"

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Apologética Cristã 1Comentários

A Substituição do Dia do Senhor

A SUBSTITUIÇÃO DO DIA DE DEUS POR UM DIA PAGÃO. “O quebrantamento da Lei de Deus no início foi a porta de entrada para o pecado, ainda hoje, milhões continuam

Apologética Cristã 11 Comentários

Razões Para Não Comer Carne de Porco

Existe um grande rumor de que a carne de porco faz muito mal para a saúde, seja por conter um alto nível de colesterol ou pelo fato de que o animal vive

Bons Debates 7 Comentários

“Jesus entrou no Santo dos Santos do santuário celestial 40 dias depois da sua ressurreição?

“Como aceitar essa ideia maluca de que Jesus entrou no Santo dos Santos do santuário celestial em 22 de outubro de 1844 se como Sumo Sacerdote não tinha nada que fazer no lugar santo a partir do ano 31 AD. e ficar lá retido por 1813 (31+1813= 1844)?

1 Comentário

  1. Márcio
    abril 10, 13:02 Resposta

    Boa tarde professor!

    Fico em dúvida em uma parte, somente para poder entender.

    Nessa ocasião os mortos que ressuscitaram acenderam com Cristo aos Céus, minha pergunta é:

    Se eles ressuscitaram quando Cristo morreu eles teriam ido com Ele aos céus quando Cristo ressuscita ou quando ele vai aos céus depois de 40 dias? O período tanto de um quanto de outro daria tempo para serem vistos na cidade.

    Sei que não é um ponto de debate, apenas uma curiosidade, provavelmente não deve haver consenso na resposta por parte dos teólogos.

    Um forte abraço

    Márcio

Deixe seu Comentário