Todos os pecados são iguais aos olhos de Deus?

Todos os pecados são iguais aos olhos de Deus?

Fundamental para entendermos o problema do pecado é a distinção entre pecado (condição) e pecados (atos pecaminosos). O pecado é uma condição humana de alienação de Deus e um princípio interior propulsor para o mal (ver Is 59:2; Ef 2:1-3 e 5). Esse princípio se manifesta exteriormente através de atos pecaminosos. Cristo declara que “de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura” (Mc 7:21 e 22).

Embora a essência de todos os pecados seja sempre a mesma (alienação de Deus), existem algumas realidades que nos impedem de aceitar a teoria de que todos os pecados são iguais aos olhos de Deus. Uma delas é o processo pelo qual a tentação se transforma em pecado. Esse processo é geralmente composto pelos seguintes estágios: atenção, consideração, desejo, decisão, planejamento e ação. Uma vez que o grau de envolvimento nesse processo pode variar de intensidade, não podemos afirmar que o pecado de alguém que teve apenas um
desejo pecaminoso momentâneo, seja tão ofensivo a Deus como o pecado premeditado de Davi com Bate-Seba (ver 2Sm 11).

Que Deus não considera todos os pecados iguais é evidente também no fato de o próprio Deus haver prescrito diferentes sacrifícios no Antigo Testamento para a expiação dos diferentes pecados (ver Lv 1 a 7). Além disso, se todos os pecados fossem iguais, como querem alguns, por que deveriam os ímpios ser punidos no juízo final, “segundo as suas obras” (Ap 20:11-13)? Por que alguns haveriam de ser castigados, naquele juízo, “com muitos açoites” e outros com “poucos açoites” (Lc 12:47-48)? Se os pecados fossem iguais, não receberiam todos o mesmo castigo?

Mas a despeito dos pecados serem distintos entre si, todos eles refletem a mesma essência maligna da alienação de Deus. Isso significa que, por mais insignificante que determinado pecado possa parecer, ele é suficientemente ofensivo para excluir o pecador do reino de Deus.

Fonte: Alberto Timm,  Sinais dos Tempos, março/abril de 2000. p. 21.

Gostou? Compartilhe com quem precisa deste conhecimento:
error16
fb-share-icon20
Tweet 20
fb-share-icon20
Anterior O que é "pecado" na Bíblia?
Próximo Virgem Maria morreu e está no Céu?

Sobre o autor

Leandro Quadros
Leandro Quadros 784 posts

YouTuber e apresentador dos programas "Na Mira da Verdade" e "En La Mira de La Verdad", na Rede Novo Tempo.

Veja todos os posts do autor →

Veja também

Bons Debates 0 Comentários

Quão perfeito é “perfeito”? Pode o cristão ser perfeito?

Por Edward Heppenstall, Biblical Research Institute Estar em uma posição/condição correta para com Deus é a coisa mais importante da vida. Acima de tudo que fazemos, de tudo que temos, o

Apologética Cristã 2 Comentários

Qual a diferença entre alma e espírito?

Os significados das palavras “alma” e “espírito” na Bíblia Nas informações etimológicas[1], nós podemos encontrar que as palavras “alma” e “espírito” nas Escrituras provêm de palavras hebraicas e gregas, línguas

Dúvidas Bíblicas 12 Comentários

“Deus nasceu pobre e morreu bandido. Irônico, né?”

Chegou ao meu conhecimento o twitter de um camarada que gosto muito, mas, que percebo estar equivocado em sua sinceridade. Diz a mensagem tuitada: “Deus nasceu pobre e morreu bandido.

1 Comentário

Deixe seu Comentário